Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Imagens incríveis de bebês no útero poderiam salvar milhares de recém-nascidos

IMIĘ DLA DZIEWCZYNKI PO BABCI
Pixabay | CC0
Compartilhar

Essas imagens em 2D dos corações dos bebês estão ajudando os médicos a curar bebês

Há algo notável em ver o batimento cardíaco de um bebê minúsculo durante uma ultrassonografia pela primeira vez. Enquanto ele bate a um ritmo impressionante, a criança que cresce dentro de nós se torna mais tangível. E agora, graças às maravilhas da tecnologia e a alguns médicos muito dedicados, podemos ver esses pequenos seres humanos sob uma nova luz.

Uma equipe de pesquisadores do King’s College London e Guy’s and St. Thomas em Londres, tem trabalhado na construção de imagens mais detalhadas do coração do bebê ainda no útero para ajudar a proporcionar um tratamento melhor para aqueles nascidos com doença cardíaca congênita.

Embora o ultrassom já tenha dado aos médicos muitas informações sobre a saúde do feto, seus pequenos corações batem tão rapidamente que é complicado detectar quaisquer problemas que a criança possa ter mais tarde na vida.

Assim, no estudo dos pesquisadores, as mulheres grávidas receberam uma ressonância magnética que forneceu várias imagens em 2D do coração do bebê, que, juntamente com alguns softwares impressionantes, permitiram que os médicos construíssem uma réplica do coração em 3D.

Um caso foi da bebê Violet-Vienna, relatado pela BBC. Durante a varredura regular de 20 semanas, os médicos puderam detectar alguns problemas com os vasos sanguíneos que circundavam o coração da bebê, estreitando sua aorta. Sua mãe, Kirbi-Lea Pettitt, juntou-se ao estudo e os médicos conseguiram encontrar uma maneira de salvar a vida de Violet-Vienna. Na verdade, no momento em que ela nasceu, os médicos a levaram para dar os medicamentos necessários para manter a aorta aberta. Agora a bebê é uma menina de 11 meses de idade.

A equipe de pesquisa acredita que essa tecnologia pode ser disponibilizada para muitos outros hospitais – e considerando que 1%, ou 40.000, dos bebês nascidos nos EUA têm doenças cardíacas congênitas, trata-se de um tratamento que pode chegar a milhares de bebês e pais preocupados.

O CDC (Centers for Disease Control and Prevention – Centro de Controle e Prevenção de Doenças) relata que a doença cardíaca congênita é o tipo mais comum de defeito de nascença nos EUA: um defeito que pode ser hereditário ou o resultado de uma infecção ou de certos medicamentos.

Uma enorme força motivadora por trás do estudo veio do professor Reza Razavi, um cardiologista pediátrico consultor cuja própria filha nasceu com um problema cardíaco. As novas imagens, que são tão impressionantes quanto úteis, permitem que os médicos saibam exatamente o que estão enfrentando e quais tratamentos ou operações serão necessários.

O professor Razavi explicou que, embora o software possa ajudar a confortar e tranquilizar os pais, “também ajuda os bebês e os médicos, porque estes conseguem agir no momento certo e obtêm os melhores resultados”.

Então, dê uma olhada nessas imagens hipnotizantes de um exame de ressonância magnética de um bebê ocupado exibindo seus movimentos na barriga da mamãe, provando para nós mais uma vez quão incríveis são os bebês que ainda não nasceram e como podem fazer uma rotina completa de ginástica em um lugar tão apertado!

 

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.