Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A crise dos opioides: a espiritualidade pode ajudar a curar as feridas do vício?

Compartilhar

Viciados encontram ajuda nos Doze Passos, trabalho árduo e oração intensa, ou um compromisso mais profundo com os sacramentos

Kevin Lowry diz que os últimos cinco anos foram os mais difíceis da vida de sua família. Mas eles também foram anos de um rico crescimento espiritual.

A saga da família Lowry começou quando Daniel, de 16 anos, entrou no quarto de seus pais no meio da noite e caiu sobre a cama.

“Estou morrendo”, ele engasgou quando implorou por orações. “Eu não consigo respirar”.

O terceiro filho de Lowry estava tendo uma overdose de drogas. Kevin Lowry ligou para a ambulância e uma equipe de emergência e funcionários do hospital salvaram Daniel da morte. Depois disso, como diz Lowry, Daniel passou por muitas abordagens diferentes para curar seu vício – aconselhamento, médicos, programas de tratamento.

“Mas nada realmente funcionou”, disse ele. “Ou foi apenas temporário”.

Através de um amigo de confiança, Lowry descobriu um programa na Flórida chamado Comunita Cenacolo. Fundada em 1983 por uma freira italiana chamada Elvira Petrozzi, a Comunidade Cenáculo proporciona uma vida estruturada de trabalho e oração para os jovens que têm problemas de dependência.

Lowry encontrou algo que funcionou. Daniel passou quatro anos na comunidade, se formou e voltou para casa. Ele está indo bem, trabalhando e querendo voltar para a escola.

Cerca de 218.000 pessoas nos Estados Unidos não tiveram tanta sorte. Esse é o número de pessoas que, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, morreram de overdoses relacionadas a prescrição de opiáceos desde 1999. E enquanto mais de 2 milhões de americanos são viciados em opioides, há apenas 4 mil médicos americanos que são especialistas em viciados em drogas, diz a  American Society of Addiction Medicine.

Existe uma variedade de formas para tratar viciados. Nos últimos anos, tem havido um aumento do interesse em terapia cognitivo-comportamental, aconselhamento geral e tratamento assistido por medicação, disse o Dr. Marc Galanter, professor de psiquiatria da Escola de Medicina da Universidade de Nova York.

Algumas opções de tratamento, como a Comunidade Cenáculo, também tentam abordar questões relacionadas ao vício de uma forma espiritual ou através de uma lente espiritual.

Os “12 passos”, que são a base dos Alcoólatras Anônimos e de muitos outros programas semelhantes, talvez sejam a opção de tratamento baseada em espiritualidade mais conhecida.

“Eles fornecem uma saída espiritual em que se pode encontrar um relacionamento com um poder maior para sufocar os desejos e se render a um novo modo de vida, para fazer a vontade de Deus”, disse Scott Weeman, fundador da Catholic in Recovery.

O ministério retira os 12 passos e a vida sacramental da Igreja para ajudar alcoólatras e viciados em drogas a se recuperarem. Os 12 passos podem ajudar a fazer um inventário de si mesmo em busca de saber como o comportamento e a atitude de alguém causaram má conduta, disse Weeman, um alcoólatra em recuperação.

O Dr. Galanter disse que até cerca de cinco ou dez anos atrás, a maioria dos programas de tratamento era orientada em 12 etapas e discutia o papel da espiritualidade em programas de 12 passos. “Nos últimos anos, tem havido uma tendência a dar menos importância à discussão de seus programas. Mas ainda assim eu diria que a maioria dos programas residenciais e metade dos programas ambulatoriais incluem um componente significativo de 12 passos”, disse ele em uma entrevista.

Quando as pessoas chegam ao AA ou Narcóticos Anônimos, elas tendem a confiar mais no apoio mútuo que os programas oferecem, disse Galanter, autor de Spirituality and the Healthy Mind. “Mas se eles se envolverem a longo prazo, os aspectos espirituais são muito proeminentes. Assim, os membros de longo prazo são muito orientados para a espiritualidade e o sentido de ‘Deus como o entendemos’ [uma frase de um dos 12 passos]. Deus como nós o entendemos tende a ser muito universalmente pensado de uma forma espiritual, mas pessoas diferentes definem para si o que Deus como nós o entendemos significa. Para algumas pessoas tradicionais, pode ser Jesus Cristo; para outros, pode ser apenas o próprio programa do AA. Para algumas pessoas é como uma natureza ou espiritualidade orientada esteticamente”.

Nem todos os programas de dependência de drogas têm um componente espiritual, é claro, mas para a maioria, há “definitivamente um reconhecimento e respeito pelas questões espirituais”, disse Galanter.

Para Nancy Vericker, não apenas os 12 passos ajudaram na sua recuperação do alcoolismo, mas também a ajudou a recuperar a fé católica do berço.

“Eu encontrei um nível mais profundo de significado quando entrei em um programa de 12 passos”, disse Vericker, autora de Unchained: Our Family’s Addiction Mess is Our Message. O livro, co-escrito com JP Vericker, seu filho, conta a história de seu vício em opioides e sua recuperação. “Não é como se fosse ‘Oh, você fica sóbrio e tem espiritualidade’. É a espiritualidade que leva você. Você confia em seu poder superior para remodelar sua mente e pensamento. … Isso realmente me ajudou a ver o rosto de um Deus amoroso e benevolente. Isso meio que me despojou do senso da Igreja institucional e me focou em confiar em uma jornada espiritual”.

Weeman, católico em recuperação, vê paralelos entre os 12 passos e a vida sacramental católica. A entrega a um poder superior, diz ele, é como um “mergulho nas águas do batismo”. O sacramento da confissão é semelhante ao “processo completo de reconciliação que acontece dentro de nós mesmos, com Deus e com os outros, começando com esse destemido e pesquisando inventários morais, … pedindo a Deus para remover qualquer defeito de caráter ou mancha que nos impeça de conhecê-lo e servi-lo, e reparar os que magoamos”.

“A partir daí, o processo envolve a manutenção desse despertar espiritual, continuando a fazer o inventário pessoal e a admitir prontamente quando estamos errados”, continuou Weeman. Oração e meditação ajudam a melhorar “nosso contato consciente com Deus como o entendemos. De um ponto de vista católico que é mais prevalente através do sacramento da Eucaristia, onde recebemos o corpo e sangue de Jesus em uma base regular para que possamos ser preenchidos e possamos conhecê-Lo de uma maneira que ultrapassa qualquer entendimento humano e que continua a busque a Deus como fonte de cura, força e bondade”.

Albino Aragno, que dirige a Comunidade Cenacolo fora de St. Augustine, Flórida, onde Daniel Lowry viveu, chama a abordagem do ministério de “uma vida muito estrutural e disciplinada, eu diria quase monástica”.

“As pessoas precisam de ordem em sua vida, especialmente os viciados”, disse Aragno em uma entrevista. “Eles nunca têm estrutura alguma; eles estão sempre subindo e descendo, no chão, na situação e na emoção do momento”.

O horário diário estrito começa com um despertar às 6:15, seguido de serviços religiosos, café da manhã, uma manhã cheia de trabalho, oração em grupo e mais trabalho. Depois do jantar, há uma conversa em grupo sobre o evangelho do dia e sobre sentimentos, emoções e situações atuais.

“Precisamos de algo mais para entender, para nos sustentar na vida, porque com nossas próprias forças não podemos fazê-lo”, disse Aragno, que era um dos primeiros membros do Cenacolo na Itália. A oração, que inclui missas diárias, confissão sacramental, recitações grupais do Rosário e meditação privada, “abre a consciência … e também nos ajuda a desenvolver realmente um relacionamento com Deus”, disse Aragno. “Ele é o único que vai nos ajudar a nos sustentar fora da comunidade”.

No meio de tudo isso, disse Lowry, autor de How God Hauled Me Kicking and Screaming Into the Catholic Church, “há um sentido em que há um aspecto de desenvolvimento de caráter e um foco nas virtudes que andam de mãos dadas com o desenvolvimento espiritual”.

Lowry disse que ficou chocado ao ouvir outro pai cujo filho estava na Comunidade Cenacolo e disse que ele um dia veria o vício do filho como uma bênção. Mas suas palavras eram proféticas.

“Provavelmente se transformou em uma das melhores coisas que já aconteceram comigo espiritualmente e para minha família também”, disse Lowry. “Quando você tem um filho ou uma filha na comunidade, você vai a reuniões mensais de apoio, porque estamos realmente andando ao lado deles no caminho”. O vício de Daniel, ele disse, “tornou-se provavelmente o maior ímpeto para o crescimento espiritual meu e da minha esposa e provavelmente para alguns de nossos filhos”.

Quanto a Daniel, ele disse: “Como resultado de todas as lutas, ele tem uma vida espiritual realmente sólida e uma vida de oração que eu adoraria ver nas outras crianças [da família]”.

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.