Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 27 Outubro |
Beato Bartolomeu de Vicenza
Aleteia logo
home iconAtualidade
line break icon

Gigantes da internet querem barrar conteúdo violento

POLACY O UŻYWANIU TELEFONU W KOŚCIELE

Shutterstock

Agências de Notícias - publicado em 15/05/19 - atualizado em 15/05/19

"A disseminação desse tipo de conteúdo on-line tem um impacto negativo nos direitos humanos e na nossa segurança coletiva"

As grandes empresas digitais se comprometeram, nesta quarta-feira (15), a tomar medidas contra a disseminação de conteúdo extremista e violento na Internet, como parte de uma iniciativa global lançada em Paris em função da transmissão ao vivo do atentado de Christchurch, na Nova Zelândia.

“A disseminação desse tipo de conteúdo on-line tem um impacto negativo nos direitos humanos e na nossa segurança coletiva”, afirmam os signatários do compromisso, que inclui Google, Microsoft, Twitter e Facebook, após uma reunião realizada em Paris com vários líderes mundiais.

Este documento faz parte da mobilização internacional batizada de “Compromisso de Christchurch”.

O presidente francês, Emmanuel Macron, e a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, lançaram este movimento contra a violência on-line, no mesmo dia em que o Facebook anunciou que restringirá o uso de vídeos ao vivo.

O movimento se refere ao dia 15 de março, quando o povo neozelandês vivenciou o terrível massacre de 51 muçulmanos em mesquitas na cidade de Christchurch.

O ataque foi ainda mais chocante, porque foi exibido ao vivo por 17 minutos e “planejado para se tornar viral”, explicou Jacinda Ardern em uma entrevista ao jornal francês “Le Monde”.

“O Facebook, que foi usado como uma plataforma de transmissão ao vivo, tentou excluir o vídeo. Eles o removeram, mas foi visto 1,5 milhão de vezes e, nas primeiras 24 horas, foi colocado de novo no YouTube a cada segundo”, acrescentou.

Segundo o compromisso assinado, governos e gigantes da Internet se comprometem, conjuntamente, a “acelerar a pesquisa e o desenvolvimento” e a “elaborar procedimentos para responder de maneira rápida, eficaz e coordenada à disseminação de conteúdo terrorista e extremista violento”.

Além de França e Nova Zelândia, o compromisso foi adotado por Canadá, Irlanda, Jordânia, Noruega, Reino Unido, Senegal, Indonésia, Comissão Europeia, assim como pela Amazon, Facebook, Google, Microsoft, Qwant, Twitter, YouTube e DailyMotion.

Outros países, incluindo Austrália, Alemanha, Índia, Japão, Holanda, Espanha e Suécia, “também apoiaram o compromisso”, afirmou a Presidência francesa.

“Precisamos construir uma Internet livre, aberta e segura que ofereça a todos a oportunidade de compartilhar, aprender, inovar, mas também defender nossos valores, proteger nossos cidadãos e fortalecê-los”, declarou Macron.

Alguns não acreditam, porém, que esta iniciativa vá ter poder coercitivo.

“Trata-se de uma declaração de princípio, de uma iniciativa política. Nada mais”, considerou o chefe de redação do portal francês Next INpact, Marc Rees.

“Não é que Facebook ou Twitter não queiram, mas suprimir em tempo real um conteúdo postado on-line é simplesmente impossível”, acrescentou.

– Facebook sai na frente –

Horas antes da assinatura do acordo em Paris, o Facebook anunciou uma restrição do uso da plataforma Live, de vídeos ao vivo – a mesma que foi utilizada pelo autor dos atentados nas mesquitas de Christchurch.

A partir de agora, os usuários que violarem as regras de uso da rede social, em particular as que proíbem “organizações e indivíduos perigosos”, serão suspensos do Facebook por um determinado período a partir da primeira infração.

Além disso, o grupo reiterou que, no caso de Christchurch, enfrentou um desafio técnico: seus sistemas tiveram dificuldades para identificar as diferentes versões e montagens das imagens do vídeo original.

A empresa anunciou um investimento de 7,5 bilhões de dólares em associações com três universidades para melhorar a análise de imagens e vídeos.

(Com AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
SANDRA SABATTINI
Francisco Vêneto
Primeira noiva em processo de canonização na história foi beatifi...
2
EUCHARIST
Reportagem local
O que fazer se a hóstia cair no chão durante a Missa?
3
Papa Francisco
Francisco Vêneto
Papa Francisco: “Tenho medo dos diabos educados”
4
Pe. Jonas Magno de Oliveira e sua mãe
Francisco Vêneto
Mãe de padre brasileiro se torna freira na mesma família religios...
5
Transplante de rins
Francisco Vêneto
Transplante de rim de porco em humanos: a Igreja tem alguma objeç...
6
As irmãs biológicas que se tornaram freiras no instituto Iesu Communio
Francisco Vêneto
As cinco irmãs biológicas que se tornaram freiras em apenas 2 ano...
7
BENEDICT XVI
Marzena Wilkanowicz-Devoud
A arte de morrer bem, segundo Bento XVI
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia