Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 05 Dezembro |
São Saba
home iconAtualidade
line break icon

"Se você quer abortar, o Estado paga; se não quer, o Estado diz: 'Se vire'"?

PREGNANT WOMAN

TATJANA SPLICHAL | DRUŽINA

Sempre Família - Aleteia Brasil - publicado em 22/05/19

Diante dos dois pesos e duas medidas, estão em tramitação no Congresso dois importantes estatutos: o da Família e o do Nascituro

Ao longo das últimas décadas, os governos brasileiros não ofereceram uma resposta adequada às mulheres que vivem uma gravidez indesejada ou precoce e que não querem a “alternativa” do aborto.

A resposta inadequada se deve principalmente ao fato de que o aborto tem sido o foco de muitas “iniciativas” parlamentares, sob a intensa pressão de grupos interessados ideológica e financeiramente na sua aprovação, enquanto os recursos de apoio a uma gestação segura e serena são insuficientes e, em muitos casos, nulos.

Essa lacuna histórica vem sendo aliviada no Brasil por grupos pró-vida, casas de apoio e organizações religiosas que exercem importante papel de apoio à maternidade, tanto espiritual e psicologicamente quanto social e até economicamente.

Diante deste quadro, em março deste ano, a ministra Damares Alves, da pasta Mulher, Família e Direitos Humanos, fez uma afirmação durante entrevista ao jornal Gazeta do Povo que gerou repercussão nas redes sociais:

“A mãe que quer abortar ganha um aborto patrocinado pelo governo – um procedimento de aborto não é barato. Aqui, diante do estupro, há dois pesos e duas medidas: se você quer abortar, o Estado vai financiar, mas se você não quer abortar, o Estado fala ‘você que se vire’?”

É nesse contexto que vêm tramitando no Congresso Nacional os estatutos da Família e do Nascituro, projetos de lei focados em corrigir lacunas que levaram à fragilização das famílias e em defender a vida desde a concepção.

O relator das matérias é o deputado federal Diego Garcia (Pode-PR), para quem o Estatuto do Nascituro trará segurança jurídica às mulheres grávidas que precisam de amparo do Estado, especialmente as que vivem situações mais graves de vulnerabilidade.

“Entendemos que há vida a partir do momento da fecundação e que os direitos que são assegurados a todos nós precisam ser assegurados também a essa criança que está no ventre de sua mãe. Então, é preciso dar toda a proteção e o suporte necessários para que essa vida possa ser gestada com segurança e, consequentemente, para que essa criança num futuro próximo possa contribuir com o país”.

O parlamentar integra a assim chamada “bancada católica” na Câmara dos Deputados. Ele destaca o trabalho realizado por casas pró-vida e cita um caso:

“Em Curitiba existe uma casa pró-vida, por exemplo, que, em alguns anos de atuação, já atendeu mais de 400 mulheres que entraram em contato com ela, porque não viam outra solução e queriam abortar. Elas não tinham condições de levar a gravidez adiante e ali receberam o apoio psicológico, acompanhamento médico e toda a ajuda necessária antes e depois da gestação. Então elas desistiram do aborto e hoje essas crianças estão vivas graças a esse amparo dado pela instituição”.

O deputado também ressalta que tem havido muito pouco apoio do Estado brasileiro, historicamente, a essas mulheres:

“A União não dá esse suporte e nós entendemos que, se houvesse políticas públicas claras, baseadas nessas ações que são desenvolvidas no nosso país por essas casas pró-vida, que são entidades independentes, com certeza o número de abortos seria menor, inclusive os clandestinos, que na maioria dos casos são por conta das condições de vulnerabilidade que as mulheres têm”.

O PL 147/2019, apresentado por Diego Garcia no início do ano, propõe a criação do Serviço de Proteção e Atendimento à Maternidade e à Primeira Infância, com uso de espaços que já existem para assistência social e saúde pública, visando atender mulheres em situação de vulnerabilidade. O projeto também contempla a oferta de cursos profissionalizantes para que, após a gestação, as mães beneficiadas consigam trabalho e autonomia no sustento da família.

________

A partir de matéria do Sempre Família

Tags:
AbortoFamíliaVida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
HUG
Dolors Massot
Médico abraça paciente com Covid-19 que chora...
PADRE NO ALTAR DA MISSA
Reportagem local
Missa de Crisma é interrompida por policiais ...
Missa de Crisma
Reportagem local
Arcebispo detona interrupção de Missa: "Ocorr...
BOKO HARAM NIGÉRIA
Francisco Vêneto
Terroristas islâmicos degolam mais de 100 pes...
Bispo brasileiro Dom Antônio Carlos Rossi Keller
Reportagem local
Mais um bispo brasileiro detona: "Autoridades...
Aleteia Brasil
Oração do Advento
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia