Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 23 Novembro |
Santo Anfilóquio
home iconAtualidade
line break icon

Nigéria: agrava-se o clima de violência contra os cristãos

CHRZEŚCIJANIE W NIGERII

AP/Associated Press/East News

Fundação AIS - publicado em 28/07/19

A mais recente vítima conhecida da violência crescente dos pastores muçulmanos nómadas é um agricultor católico

O assassinato de mais um cristão no nordeste da Nigéria, horas depois de o Arcebispo de Abuja ter enviado uma mensagem para a Fundação AIS em que relatava a situação desesperada em que se encontra a população vítima da violência dos pastores fulani e do grupo terrorista Boko Haram, veio relançar a questão da segurança de toda a comunidade nesta zona da Nigéria.

A mais recente vítima conhecida da violência crescente dos pastores muçulmanos nómadas é Solomon Yuhwam, um conhecido agricultor católico do estado deTaraba, no Noroeste da Nigéria.

Solomon foi assassinado em casa no sábado, 13 de Julho. A notícia, divulgada nas últimas horas à Fundação AIS, deixou a comunidade cristã local consternada dado o enorme apreço que todos tinham pelo trabalho que vinha desenvolvendo de promoção das populações e de denúncia também deste clima de violência.

Ainda recentemente, em Abril, Solomon Yuhwan participou em Malta numa conferência organizada pelo secretariado local da Ajuda à Igreja que Sofre, intitulada Noite de Testemunhas, em que falou precisamente sobre a ameaça crescente que os pastores Fulani representam para as populações cristãs na Nigéria, especialmente no norte e nordeste do país.

Na ocasião, Solomon testemunhou que já tinha sobrevivido por diversas vezes aos inúmeros ataques protagonizados pelos pastores muçulmanos.

Algumas horas antes de ser assassinado, o Arcebispo de Abuja, D. Ignatius Kaigama, enviava para a Fundação AIS uma mensagem em que denunciava o agravamento da violência na Nigéria contra as populações civis, sem que houvesse uma reacção atempada por parte das autoridades, o que tem provocado sentimentos de insegurança nas pessoas.

Segundo este responsável da Igreja Católica, a comunidade cristã está sob uma onda de ataque que teve início em 6 de Maio e que se tem prolongado até aos dias de hoje.

Só no estado de Taraba, segundo o Administrador Apostólico de Jos e Arcebispo de Abuja, 18 aldeias foram atacadas e incendiadas, 65 pessoas foram mortas e cerca de 9 mil pessoas foram forçadas a abandonar as suas casas. Em consequência desta onda de violência, 15 Igrejas, duas escolas primárias e uma unidade de saúde foram também destruídas.

Já em Junho, a Fundação AIS denunciava, em Lisboa, a situação de “ataque selectivo” contra as comunidades católicas pelos pastores Fulani. Na ocasião, a AIS citou o Padre Policarpo Lamma, da Diocese de Jalingo, situada também no nordeste da Nigéria, e que também participou na iniciativa da Fundação AIS em Malta.

Nesse encontro, o Padre Policarpo referiu inúmeros exemplos de ataques levados a cabo por estes pastores nómadas contra aldeias cristãs provocando um número incontável de vítimas.

“Desde 2014 até hoje, quase mil pessoas” foram mortas pelos Fulani, afirmou o Padre Policarpo Lamma neste encontro da Fundação AIS que decorreu em Abril em Malta. “Vi muitos cadáveres e feridos que foram atacados à machadada pelos Fulani. Houve enterros em massa.”

Desde sua ordenação em 2007, o Padre Policarpo tem vindo a trabalhar em áreas atingidas pela violência contra a comunidade cristã, procurando acompanhar os fiéis que vivem em aldeias rurais na região nordeste da Nigéria.

Há precisamente um ano, no dia 5 de Junho de 2018, a própria casa paroquial do Padre Policarpo foi atacada por pastores Fulani, tendo sido incendiada e destruída, assim como praticamente toda a sua aldeia. “Foi no dia do meu aniversário que os Fulani vieram e nos atacaram…” O Padre Policarpo Lamma escondeu-se debaixo de um monte de lixo durante a noite e conseguiu escapar ao ataque.

“Eles invadem as nossas terras e matam o nosso povo. Se forem agora a qualquer local, como a minha diocese, a minha própria paróquia, não verão qualquer igreja nas aldeias. Os edifícios foram todos destruídos por eles…”

Para o Padre Policarpo, por trás da violência dos pastores muçulmanos Fulani está um propósito evidente de se atingir especificamente a comunidade cristã na Nigéria. “Quando eles vêm, costumam usar as palavras ‘Allahu Akbar’, ‘Deus é grande’. Então, se é para lutar contra um determinado grupo, porquê usar estas palavras? Isto implica que eles lutam contra os Cristãos. Portanto, eles destroem as casas dos Cristãos e as igrejas.”

A prova de que se está perante uma violência organizada contra uma comunidade religiosa é, para o Padre Policarpo Lamma, o facto de se poderem “ver as mesquitas por todo lado, intactas”. Ao contrário das igrejas e capelas que são alvo de atentados e de ataques. “Isto demonstra ser especificamente um ataque selectivo contra os Cristãos”, acrescenta o sacerdote que aproveitou este encontro no coração da Europa para deixar um apelo “à comunidade internacional para olhar para o nosso problema”.

Um apelo que se estende também à generosidade dos cristãos para com as instituições que no terreno têm vindo a providenciar ajuda concreta às comunidades cristãs vítimas de perseguição, como é o caso da Nigéria. “Peço às pessoas para que também ajudem a Fundação AIS, a fim de que o seu apoio possa chegar àqueles que realmente precisam, como nós, sobretudo na Nigéria”.

(Departamento de Informação da Fundação AIS)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
FATHER PIO
Maria Paola Daud
Quando Jesus conversou sobre o fim do mundo c...
ŚWIĘTA TERESA WIELKA
Philip Kosloski
Oração de Santa Teresa de Ávila para acalmar ...
IOTA
Lucía Chamat
Imagem da Virgem resiste a furacão que devast...
EL TOCUY
Aleteia Brasil
Pe. Gabriel Vila Verde: há muita diferença en...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Atenção: versão falsa e satânica da Medalha M...
POPE AUDIENCE
Reportagem local
A oração de cura que pode ser dita várias vez...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia