Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Como Santo Agostinho conseguiu superar o tédio em relação à Bíblia

SAINT AUGUSTINE
Compartilhar

Agostinho era um homem culto, mas não era um grande fã das Sagradas Escrituras

Para muitos cristãos, ler a Bíblia não é exatamente um passatempo divertido. Tirando algumas histórias mais interessantes, o resto da Bíblia pode parecer um conjunto chato de páginas, que não fazem o menor sentido. Se você já se sentiu assim, saiba que você não está sozinho.

Santo Agostinho, um dos santos mais conhecidos de todos os tempos, também não era um grande fã da Bíblia. Por muitos anos, ele evitou abrir a Bíblia e preferiu ler outra literatura que lhe fosse mais agradável.

Em suas Confissões, ele escreve:

“Sinto me que [agora] sintonizei com essas Escrituras, mas elas me pareciam indignas de serem comparadas com a dignidade de Tully; pois meu orgulho inflado evitava seu estilo, nem a agudeza de minha inteligência podia penetrar em seu significado interior.”

O estilo de escrita não agradava a Agostinho, que era um homem muito culto e preferia ler poetas e filósofos gregos a investir na linguagem insípida encontrada nas escrituras.

No entanto, seu coração começou a mudar quando Santo Ambrósio começou a ensiná-lo a ler as Escrituras e a ver a beleza da história da salvação:

 “Com prazer, ouvi Ambrósio em seus sermões ao povo. Muitas vezes [ele]recomendava com mais diligência esse texto como regra: ‘a letra mata, mas o Espírito vivifica’. Afastando o véu místico, ele espiritualmente abriu o que, aceito de acordo com a carta, parecia ensinar doutrinas perversas – ensinando aqui nada que me ofendesse, embora ele ensinasse coisas que eu ainda não sabia se eram verdadeiras.”

Ele ainda não estava convencido de que a Bíblia era verdadeira, mas a beleza das escrituras estava lentamente se revelando a ele. Agostinho encontrou consolo lendo as Cartas de São Paulo, e ficou ainda mais fascinado quando abriu o Evangelho de João e descobriu uma conexão única entre os escritos deste apóstolo e vários ensinamentos filosóficos.

O que selou seu amor pelas escrituras foi uma experiência espiritual que o colocou no caminho da conversão:

“Eu estava dizendo essas coisas e chorando na mais amarga contrição do meu coração, quando, eis que ouvi a voz de um menino ou uma menina, não sei qual, vindo de uma casa vizinha, cantando e repetindo,  pegue e leia. Imediatamente meu semblante mudou, e comecei a pensar seriamente se era comum que crianças de qualquer tipo de jogo cantassem tais palavras; nem me lembro de ter ouvido falar disso. Então, reprimindo a torrente de minhas lágrimas, levantei-me, interpretando-o de outra maneira se não como um comando para mim do céu para abrir o livro, e para ler o primeiro capítulo que eu deveria iluminar … Assim rapidamente retornei ao lugar onde Alypius estava sentado; porque ali baixei o volume dos apóstolos quando me levantei. Eu agarrei, abri e, em silêncio, li o parágrafo em que meus olhos caíram pela primeira vez: ‘Com­por­temo-nos honestamente, como em pleno dia: nada de orgias, nada de bebedeira; nada de desonestidades nem dissoluções; nada de contendas, nada de ciúmes.Ao contrário, revesti-vos do Senhor Jesus Cristo e não façais caso da carne nem lhe satisfaçais aos apetites'(Romanos 13,13-14)… Quando a frase terminou – por uma luz, por assim dizer, de segurança infundida em meu coração – toda a tristeza da dúvida desapareceu.

Embora nem todos tenham uma experiência espiritual como a de Santo Agostinho, todos podem passar a gostar das Escrituras quando aprenderem a lê-la. A Bíblia não é um romance moderno e sua história pode ser confusa para um leitor iniciante. No entanto, quando a totalidade da história da salvação é explicada, a Bíblia ganha vida.

Boletim
Receba Aleteia todo dia