Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O dia em que a Virgem Maria apareceu para uma menina no espelho

SAINT MARIA DE MATTIAS
Compartilhar

Este foi apenas o começo de uma vida entregue a Deus

Maria de Mattias nasceu e foi batizada em 4 de fevereiro de 1805, na pequena cidade de Vallecorsa, a cerca de 80 quilômetros ao sul de Roma. O pai dela, Giovanni de Mattias, era de uma família importante da região e era bem-sucedido.

Maria foi a segunda de quatro filhos. Sua irmã Vincenza era 11 anos mais velha que ela, então elas não tinham muito em comum socialmente. Seus dois irmãos, Antonio e Michele, eram muitos anos mais novos.

Durante esse período, a turbulência política era constante em Vallecorsa. Muitos dos jovens locais eram membros de gangues e estavam continuamente invadindo e intimidando os moradores. Líderes de gangues planejavam sequestros porque crianças de famílias com dinheiro geralmente rendiam valiosos resgates. Maria, sendo de uma família com dinheiro, era alvo dos sequestradoras. Ela não saia de casa, a menos que fosse acompanhada pelo pai.

Maria era bastante vaidosa e gostava de apreciar sua imagem no espelho enquanto escovava seus longos cabelos loiros. No entanto, tudo mudou quando ela se aproximava dos 16 anos. Um dia, enquanto se arrumava, viu uma senhora olhando para ela de “dentro” do espelho. Maria ficou bastante assustada, e então a senhora disse: “Venha comigo”.

Maria começou a conversar com a senhora e pediu sua ajuda. Ela queria aprender a ler. Seu pai achava que as meninas não precisavam saber ler ou escrever. A senhora disse-lhe para não se preocupar e que ela a ajudaria. Logo, Maria conseguiu pegar cartas e colocá-las em palavras e, em pouco tempo, a jovem estava lendo. Com a ajuda celestial de uma senhora extraordinária, ela havia aprendido a ler.

Ela continuou, e logo estava lendo livros espirituais que a família tinha em casa. A senhora revelou-se como a Mãe Santíssima e, durante várias outras conversas, Maria percebeu que deveria dedicar sua vida a Deus. A única coisa que faltava para ela era descobrir como.

Durante a estação quaresmal de 1822, Gaspar del Bufalo (o fundador dos Missionários do Sangue Precioso) chegou à cidade com sua equipe missionária para pregar. A missão continuou por três semanas, e os missionários pregaram sobre morte, julgamento, punição, inferno, amor,  misericórdia e perdão de Deus.

Maria ouviu Gaspar pedir a seus ouvintes que imitassem Jesus, dando a vida pelos irmãos e irmãs que precisavam.

Quando a missão terminou, Maria de Mattias estava cheia de amor pelo próximo e  determinada a trazer conversão e salvação àqueles que Cristo amava.

Gaspar del Bufalo tinha um braço direito chamado John Merlini. Dois anos depois, Merlini foi a Vallecorsa para pregar a missão. Merlini e seus seguidores estavam ocupados, reunindo associações para meninas, mulheres, meninos, homens e padres. Maria sentiu-se atraída por esse homem, mas teve medo de se aproximar dele.

Finalmente, ela o fez, e eles se tornaram bons amigos. Merlini a colocou no comando das Filhas de Maria, a associação das meninas. Maria assumiu o comando, e mais e mais meninas começaram a vir à sua casa para conversar, estudar e rezar. Em pouco tempo, mulheres mais velhas estavam chegando à casa. A casa de Mattias havia se transformado em uma escola para jovens e idosos.

Em 4 de março de 1834, aos 29 anos, sob a orientação e ajuda de John Merlini, Maria fundou as Irmãs Adoradoras do Sangue de Cristo. A ordem foi estabelecida principalmente para ser uma ordem de ensino. Maria fez um voto público de castidade e John Merlini deu a ela um pequeno coração de ouro impresso com três gotas de sangue. Isso se tornou o símbolo da ordem, e até hoje um coração de prata com três pontos vermelhos é usado pelas irmãs em todo o mundo. O papa Pio IX deu a aprovação papal à Ordem em 1855, e John Merlini se tornou o diretor espiritual de Maria.

Hoje, mais de 2.000 irmãs continuam o trabalho de sua fundadora em países de todo o mundo, incluindo Brasil, Vietnã, Coréia do Sul, Estados Unidos, Bolívia, Guatemala e até Libéria, onde cinco das irmãs foram martirizadas em 1992.

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.