Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

As “almas gêmeas” existem?

ZAKOCHANIE
Roman Samborskyi | Shutterstock
Compartilhar

Elas estão na boca e no coração dos românticos e dos casais apaixonados… Mas nós não as veremos nem nas Escrituras nem na Tradição nem em documentos magisteriais. Pode então um católico acreditar nas “almas gêmeas”?

Tudo indica que a ideia das “almas gêmeas” remonta ainda à Idade Antiga, estando em O Banquete, de Platão, o seu primeiro registro. Embora o termo possa ser usado para designar uma afinidade qualquer entre duas pessoas, não envolvendo necessariamente o componente erótico, desde o começo esse aspecto está presente: as “almas gêmeas” seriam dois seres humanos de tal modo afins a ponto de encontrarem um no outro a sua plenitude, o seu complemento, a sua realização perfeita, seja espiritual, seja fisicamente.

Nem é preciso dizer o quanto essa ideia soa agradável às mentes românticas e aos casais apaixonados. A literatura sempre esteve repleta de histórias de “almas gêmeas”, as músicas em todo canto melodiam suas aventuras e desventuras, e tudo isso ganha ainda mais vida, hoje, nas telas do cinema.

Sonhos, quem não os tem? Importa, porém, que até aquilo com que sonhamos tenha os pés bem cravados na realidade da nossa natureza, sob o risco de darmos crédito a ilusões, projetando o impossível e passando a vida numa ansiedade sem fundamento e numa decepção que poderiam muito bem ter sido evitadas por um simples exercício de racionalidade e uma sadia religiosidade.

O que as “almas gêmeas” não podem ser

Basta lembrar que, não muito tempo atrás, uma novela da Rede Globo, com o nome Alma Gêmea, contava a história do amor “eterno” de um homem e uma mulher separados de maneira trágica e que, após 20 anos, voltaram a se reencontrar quando ela se “reencarnou” no corpo de outra pessoa. Ou seja, por trás do aparentemente belo caso de duas “almas gêmeas” o que estava sendo propagado eram, na verdade, os erros de uma falsa religião.

De fato, a teoria da “alma gêmea” é muito conveniente a um credo como o espiritismo, para o qual não passamos de um espírito habitando um invólucro físico. Em tempos de hedonismo e materialismo como os nossos, então, a ideia torna-se ainda mais sedutora.

Ora, que a essência do bom amor humano deva ser de fato espiritual, interna, e que a união das inteligências e das vontades seja muito mais importante do que a união dos corpos, é uma coisa; agora, que sejamos apenasespíritos, como se fossem descartáveis os nossos corpos, já é outra coisa bem diferente. Contra esses erros antigos, a Igreja sempre ensinou que o ser humano é corpore et anima unus, “uno de corpo e alma” (Catecismo da Igreja Católica, n. 364); e que, por mais que na morte nossas almas se separem dos nossos corpos, esse estado é provisório, pois no fim dos tempos, assim como se deu com Nosso Senhor Jesus Cristo, nossa carne ressuscitará e viveremos para sempre com nossos corpos glorificados.

Numa sadia teologia cristã, portanto, a “alma gêmea” deveria abranger o todo do ser humano: alma sim, mas também corpo. É por “desencarnar” demais o amor que chegamos em nossa época a loucuras como a ideologia de gênero, para a qual pouco importa a corporeidade, e até mesmo a complementaridade afetivo-sexual entre homem e mulher é posta em questão (podendo a “alma gêmea” de um homem ser outro homem; e a de uma mulher, outra mulher).

Em última instância, o próprio sacramento do Matrimônio, com sua indissolubilidade, seus votos de fidelidade e suas exigentes obrigações, encontra-se gravemente ameaçado por essa confusão. Um homem ou uma mulher insatisfeitos em seu casamento podem muito bem se servir do artifício romântico das “almas gêmeas” para fugir das dificuldades inerentes a qualquer relacionamento humano e se aventurar em casos extraconjugais. As alegações podem ser as mais variadas: “O outro não me faz feliz”, “A paixão acabou”, “Encontrei alguém melhor” etc. As consequências objetivas desse subjetivismo todo são bem conhecidas: divórcios, lares arrasados, casais em situação de pecado, filhos órfãos. Uma tragédia, em suma.

Contra essa armadilha sentimentalista, o autor d’O Senhor dos Anéis escrevia a seu filho que:

Quando o deslumbramento desaparece, ou simplesmente diminui, eles [os casados] acham que cometeram um erro, e que a verdadeira alma gêmea ainda está para ser encontrada. A verdadeira alma gêmea com muita frequência mostra-se como sendo a próxima pessoa sexualmente atrativa que aparecer. Alguém com quem poderiam de fato ter casado de uma maneira muito proveitosa “se ao menos…”. Por isso o divórcio, para fornecer o “se ao menos…”.

E, é claro, via de regra eles estão bastante certos: eles cometeram um erro. Apenas um homem muito sábio no fim de sua vida poderia fazer um julgamento seguro a respeito de com quem, entre todas as oportunidades possíveis, ele deveria ter casado da maneira mais proveitosa! Quase todos os casamentos, mesmo os felizes, são erros: no sentido de que quase certamente (em um mundo mais perfeito, ou mesmo com um pouco mais de cuidado neste mundo muito imperfeito) ambos os parceiros poderiam ter encontrado companheiros mais adequados.

Mas a “verdadeira alma gêmea” é aquela com a qual você realmente está casado. Na verdade, você faz muito pouco ao escolher: a vida e as circunstâncias encarregam-se da maior parte (apesar de que, se há um Deus, esses devem ser seus instrumentos ou suas aparências). […] Neste mundo decaído, temos como nossos únicos guias a prudência, a sabedoria (rara na juventude, tardia com a idade), um coração puro e fidelidade de vontade.

As referências de J.R.R. Tolkien ao nosso “mundo decaído” devem fazer-nos lembrar de outra coisa: não há seres humanos perfeitos e impecáveis neste mundo, capazes de nos satisfazer plenamente em nossas carências, necessidades e tudo o mais. “Alma gêmea”, nesse sentido estrito, não existe nem poderá existir.

E não só por causa da nossa situação após a Queda… Se a compreendêssemos bem, é verdade, já seria meio caminho andado, pois “ignorar que o homem tem uma natureza lesada, inclinada ao mal, dá lugar a graves erros no campo da educação, da política, da ação social e dos costumes” (Catecismo da Igreja Católica, n. 407). Sim, se entrássemos num relacionamento qualquer com a expectativa correta, isto é, não a de que o outro nos fará felizes, mas a de que será uma companhia, um auxílio na jornada deste “vale de lágrimas”, poderíamos evitar muitas decepções e dores de cabeça.

Mas, ainda que não estivéssemos manchados pelo pecado, o fim último para o qual fomos feitos é Deus. Parafraseando Santo Agostinho, inquieto estará o nosso coração enquanto não repousar nele. Por mais que, nesta vida, os homens e as mulheres se casem e se dêem em casamento, nós fomos feitos para outro“casamento”: nossa união eterna com Deus, no Céu.

Por isso, contra a ideia de que haveria alguém neste mundo, escondido em algum buraco, que poderia ser a plenitude, a realização e o complemento perfeito do nosso ser, a doutrina moral cristã sempre nos adverte: o único “felizes para sempre” possível é com Nosso Senhor, na vida eterna. Aqui simplesmente não acontecerá, com ninguém. Até porque… que “para sempre” poderia haver em uma existência destinada a findar-se com a morte?

As “almas gêmeas” numa visão cristã

Pode haver, entretanto, uma via ortodoxa de se compreender a teoria das “almas gêmeas”.

A começar pela ideia de perenidade sugerida pela expressão: no cristianismo, o amor entre um homem e uma mulher os faz unir-se com toda a força (transformando-os em “uma só carne”), sendo algo destinado a durar por toda a vida (“até que a morte os separe”) e a aperfeiçoar-se no Céu. É a antítese perfeita do hábito moderno do sexo casual, do divórcio e do recém-criado “poliamor”. Nesse sentido, muito melhor as “almas gêmeas” do que as “soltas” e “itinerantes”.

Além disso, se por “alma gêmea” se entende, dentro de uma visão de mundo cristã, uma pessoa que Deus predestinou, desde toda a eternidade, para se casar com você, e para que vocês passassem a vida juntos a fim de um ajudar o outro a chegar à verdadeira “terra sem males”, que é o Céu… acreditar nisso não é simplesmente extensão de nossa fé na Providência divina, que cuida de seus filhos com muito mais desvelo que dos pássaros do céu e das ervas do campo?

Como duvidar, por exemplo, olhando para um São Luís e uma Santa Zélia Martin, que Deus realmente predestinou os dois para se encontrarem, formarem a família que formaram e darem à Igreja uma Santa Teresinha do Menino Jesus? Ou que Deus desde toda a eternidade havia preparado Maria Santíssima para São José, e José para Maria, a fim de se santificarem mutuamente, educarem o Verbo de Deus feito carne e cooperarem na obra da Redenção?

À luz dessa visão sadia da realidade, seria perfeitamente cabível não só falar de “almas gêmeas”, mas também rezar para que elas se encontrem, formem santas amizades e, para o bem da Igreja e da humanidade, se unam em santo Matrimônio! Como ensina o sempre oportuno mons. Tihamer Toth:

Os que desejam se unir para sempre devem antes examinar se eles se convêm um ao outro, como duas metades de um coração dividido em dois. Tem o homem o sentimento de suas imensas responsabilidades? A mulher ama o seu lar? E, principalmente, anima-os um fervoroso amor de Deus?

Milhares e milhares de corações palpitam neste velho globo terrestre. Corações ardorosos e frementes de moços e moças. Para cada coração de jovem, Deus criou o coração de uma jovem, e tanto a felicidade de cada um, como o interesse geral, a boa ordem social, a paz da vida humana, a sorte temporal e eterna, dependem do encontro da cada coração com o outro que Deus lhe criou (Casamento e Família, p. 71).

Essas linhas são tão belas quanto verdadeiras. Deus tem um plano para todos os seus filhos. Se Ele, portanto, realmente chamou você para o Matrimônio e se “para cada coração de jovem, Deus criou o coração de uma jovem”, é preciso que você, moça, e você, rapaz, procure seu companheiro e companheira em Deus, pois é no Coração dele que estão, desde sempre, o seu “José” ou a sua “Maria” (ainda que, certamente, você não deva esperar ninguém concebido sem pecado original…).

Diante de tudo isso, o termo “alma gêmea” não passa de licença poética… Não veremos essa expressão nem nas Escrituras nem na Tradição nem em documentos magisteriais. O floreio e o romantismo, a Igreja os deixa aos poetas; a ela, propriamente, o que cabe é alertar-nos, a fim de que, como já dito, nossos projetos e orações estejam bem calcados na realidade das coisas, e não em sonhos quiméricos ou em ideias religiosas falsas, que só o que farão é tornar-nos infelizes, nesta e na outra vida.

Fonte: site do Padre Paulo Ricardo 

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.