Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Um jeito simples de eliminar as distrações durante a oração

pHONE
Compartilhar

Um dos erros mais comuns que cometemos é pensar que a oração é semelhante a uma ligação telefônica

Muitas vezes, esperamos passar algum tempo de qualidade em oração. Mas nossa mente é invadida com vários assuntos que não têm nada a ver com Deus. Isso pode ser frustrante, já que queremos rezar, mas estamos simplesmente muito distraídos.

Um dos erros mais comuns que cometemos é pensar que a oração é semelhante a uma ligação telefônica, em que pegamos o aparelho, discamos um número e esperamos que Deus atenda do outro lado. Segundo esta concepção, somos nós quem iniciamos a oração e Deus é quem precisa responder.

Se não ouvimos Deus atender o telefone, nossa mente começa imediatamente a procurar entretenimento e fica entediada, na constante expectativa que Deus responda à nossa oração.

No entanto, essa mentalidade precisa ser corrigida, pois nunca somos os iniciadores da oração. O Catecismo da Igreja Católica explica:

Mas é Deus que primeiro chama o homem. Muito embora o homem se esqueça do seu Criador ou se esconda da sua face, corra atrás dos ídolos ou acuse a divindade de o ter abandonado, o Deus vivo e verdadeiro chama incansavelmente cada pessoa ao misterioso encontro da oração. Na oração, é sempre o amor do Deus fiel a dar o primeiro passo; o passo do homem é sempre uma resposta. A medida que Deus Se revela e revela o homem a si mesmo, a oração surge como um apelo recíproco, um drama de aliança. Através das palavras e dos actos, este drama compromete o coração e manifesta-se ao longo de toda a história da salvação” (Catecismo da Igreja Católica, 2567).

Nós nos esquecemos que, frequentemente, Deus está sempre batendo à nossa porta. Ele quer que rezemos e já está lá nos esperando. Ele revelou essa mesma verdade no Evangelho de João, quando Jesus disse: “Não fostes vós que me escolhestes, mas eu vos escolhi” (João 15,16).

Na realidade, a analogia do telefone é diferente. Quando vamos orar, é como pegar um telefone que tocou o dia inteiro. Deus está nos chamando para a oração e já está lá do outro lado.

É muito fácil pensar na oração como uma iniciativa nossa e esperar que Deus responda às nossas necessidades. Não percebemos que nossa oração é realmente uma resposta ao amor de Deus, e que qualquer pedido que temos é algo que Deus estava esperando para ouvir.

Portanto, mudar nossos pensamentos sobre a oração pode eliminar a maioria das distrações já que, mesmo antes de entrarmos em oração, reconhecemos que Deus está esperando por nós. Quando entramos em oração com essa mentalidade, deixamos Deus estar no controle e passamos a imaginá-lo lá na sala conosco, esperando pacientemente.

Em vez de nos apegarmos à presença de Deus, recebemos a presença dele e sabemos que Ele está lá e quer nos dizer algo que, dia após dia, mudará para sempre nossas vidas.

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.