Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

É correto mentir para os filhos (mesmo quando você achar isso necessário e inofensivo)?

PARENTING
Shutterstock | LightField Studios
Compartilhar

Sabe aquela mentirinha que você julga ingênua? Ela também pode trazer consequências desastrosas para as crianças

Ao longo dos anos, meus filhos me apresentaram um museu inteiro de imagens desenhadas à mão. Muitos desenhos são pouco mais que rabiscos, alguns são representações mais reconhecíveis de nossa família. Unicórnios e por do sol também são temas comuns.

Eu levo essas imagens a sério – eu levo a maioria das coisas que as crianças fazem muito a sério – tanto porque esses desenhos estão ligados a um tempo precioso na vida dos meus filhos que eu quero lembrar, quanto porque o amor com o qual eles são feitos é muito real. Eles têm valor real. Isso significa que as imagens são boas? Elas são de qualidade museológica? São sinais de que minha filha vai crescer e se tornar uma artista famosa? Provavelmente não.

Aqui está o enigma que os pais enfrentam: como incentivar nossos filhos e expressar apreço, mas não mentir para fazê-lo. A última coisa que quero fazer é falar sobre o quão “boa” é a arte e dar-lhes ideias falsas. Por isso me limito a observar minha apreciação pelo trabalho árduo, agradecer pelo presente e dizer que os amo. Tudo verdade. Mas nunca os enganei.

Agora, sei que alguns pais discordam e não veem como uma pequena mentira branca sobre algo tão trivial quanto a arte pode ser tão importante. Alguns estão dispostos a mentir para os filhos porque têm boas intenções. As mentiras podem proteger ou abrigar nossos pequenos do caos e do mal do mundo. Queremos que eles mantenham sua inocência o máximo possível antes de enfrentar a realidade da doença, morte, violência e divórcio.

Nesse sentido, alguns pais querem promover um mundo mais mágico para seus filhos e, por isso, insistem que o Papai Noel, a Fada dos Dentes e o Coelhinho da Páscoa são reais. Há também o momento inevitável em que seus filhos estão deixando você louco e é mais fácil contar uma mentira para eles. Por exemplo, “Seus dentes cairão se você não os escovar”. “A televisão está quebrada e é por isso que você não pode vê-la agora” ou “O parque está fechado hoje e não podemos ir”.

Não estou tentando parecer superior e não quero que isso pareça julgador. Tenho muitas falhas como pai, mas uma decisão que tomei é que não mentirei para os meus filhos, por qualquer motivo, nunca. Aqui está o porquê:

1. Eles vão começar a mentir para você

Estudos mostram efeitos negativos duradouros sobre as crianças quando seus pais mentem para elas. As mentiras usadas para controlar o comportamento das crianças não funcionam para sempre. Eventualmente, as crianças descobrem e percebem que você as está manipulando. Até mentiras aparentemente inofensivas, como insistir que o Papai Noel existe, causam tumulto emocional e as crianças se sentem traídas ou envergonhadas quando descobrem a verdade. Se mostrarmos a elas, por exemplo, que mentiras podem ser usadas em certas circunstâncias para facilitar a vida, elas levarão essa lição a sério e começarão a empregá-las. Elas começarão facilmente a mentir para os pais, professores e qualquer outra pessoa, e o farão com a melhor das intenções.

2. Perda de confiança

Quero que meus filhos confiem em cada palavra que digo. Aprendi muito cedo que nunca os ameaçaria com consequências terríveis se não pretendesse seguir adiante. Não posso mentir para forçar a conformidade. Não posso ameaçar deixar uma criança para trás se ela não calçar os sapatos agora. Eu nunca faria isso e eles acabariam descobrindo isso. Eles também descobririam que seus desenhos não são muito bons. Também entendi que, se eu me comprometer a dizer a verdade em todas e quaisquer circunstâncias, meus filhos confiam no que digo da primeira vez, para que não precise mais recorrer a ameaças drásticas.

3. O caminho mais fácil não é o caminho para a maturidade

É fácil mentir para nossos filhos para protegê-los dos males da vida, aumentar sua confiança ou impedi-los de fazer muitas perguntas difíceis, mas essas inverdades atrasam seu amadurecimento. O caminho mais fácil nunca é o caminho produtivo. A honestidade é sempre uma política melhor e oferece a oportunidade para o crescimento pessoal de seu filho, mesmo que uma resposta honesta resulte em uma conversa longa e difícil.

4. Ações são mais poderosas que intenções

Não é incomum justificar ações ruins, alegando que tínhamos boas intenções. O pensamento seria: é errado mentir a maior parte do tempo, mas você pode fazê-lo com boas intenções. As crianças percebem isso e acabam acreditando que as intenções são mais importantes que as ações. Essa é uma inclinação escorregadia para uma vida inteira de desculpas e para evitar a responsabilização. No final, as intenções não valem muito. O que realmente importa é o que fazemos, como seguimos e se as pessoas podem confiar em nós.

Enfim, a chave de tudo isso é bastante simples: se mentirmos para nossos filhos sobre pequenas coisas, podemos amenizar as dificuldades de curto prazo, mas criaremos um conjunto de problemas a longo prazo muito maiores e mais sérios de confiança e responsabilidade.

 

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia