Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 29 Fevereiro |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

“Ele era meu pai, não um número”, diz filha da primeira vítima fatal do coronavírus na Itália

WEB-SAD-WOMAN-GRANDFATHER-Photographee-eu-Shutterstock_292678853

Photographee.eu /Shuttertstock

Paola Belletti - publicado em 10/03/20

Nenhum de nós pode ser definido por nossa doença ou pelas circunstâncias de nossa morte

A filha de um idoso que foi o primeiro paciente a morrer de coronavírus (COVID-19) na Itália desabafou sobre sua dor. A tristeza particular da família está sendo ofuscada aos olhos do público por causa das notícias sobre a disseminação do novo coronavírus.

O testemunho de Vanessa, no entanto, é fundamental. Por que temos tanto medo dessa epidemia? Porque é generalizada e pode tirar aqueles que amamos. Se tivermos medo e, às vezes, agirmos impensadamente, devemos aproveitar essa situação para nos perguntar sobre as três coisas que realmente importam na vida: Por que eu nasci? Para onde vou depois desta vida? E os que eu amo?

Quem foi Adriano Trevisan antes de ser a primeira vítima italiana de coronavírus?

O homem de 78 anos da cidade de Vo ‘Euganeo, no norte da Itália, morreu após 10 dias de hospitalização – “sem tempo suficiente para transferi-lo para instalações mais bem equipadas”, informou o governador local. Quando ele faleceu, o Ministério Público de Pádua abriu uma investigação para determinar os protocolos e medidas de contenção adotados.

Enquanto isso, entretanto, sua história deve retornar ao seu devido lugar: o de tristeza e lágrimas daqueles que o amavam, de lembranças e orações. Ele era pai de três filhos -incluindo Vanessa, agora com 45 anos – e ex-prefeito de Vo ‘- uma cidade com cerca de 3.300 habitantes, que vivem com medo desta doença mortal.

Ele adorava jogar cartas no bar com os amigos. Sua paixão era pescar e falar sobre política. Ele não ia à igreja e as viagens não estavam em sua lista de coisas agradáveis.

Ele e a filha também discutiam acaloradamente, principalmente sobre política. ”Quero que a dor da nossa perda seja devolvida ao centro das atenções, para que ele deixe de ser apenas um número”, disse a filha Vanessa.

Ele era idoso, sim, mas quando alguém morre, essa pessoa ainda é pai, marido, avô, amigo de alguém. Mesmo os mais abandonados entre nós nunca são esquecidos por Deus. Nem mesmo aqueles que se esqueceram de Deus durante a maior parte de seus dias terrestres serão abandonados por Ele.

O que torna a tristeza de Vanessa muito mais pesada é que seu amado pai é encarado como um “caso”, rotulado como “a vítima número um”. A riqueza de cada alma é impossível de demonstrar, mas é evidente para cada um de nós a partir de nossa própria experiência. Não há medida de quão preciosos somos.

O que incomoda Vanessa?

“Que ele se tornou uma estatística. ‘A vítima número um do coronavírus’. Havia o número dois, três, quatro … e as pessoas disseram: ‘mas ele era velho’, como se sua idade aliviasse a dor que sinto, como se seu desaparecimento fosse menos importante … ”

A condição geral de Trevisan, lembra a filha, era precária por condições preexistentes, especialmente as que afetavam seu sistema cardiovascular. Portanto, embora seja verdade que o coronavírus o matou, havia o fator agravante de sua fraqueza física geral.

É bom ficarmos cara a cara com a indignação dessa filha. Não devemos esquecer, nem mesmo em dias de coronavírus, que as pessoas estão no centro, com seu valor inestimável, sua história pessoal, que é comum, mas muito preciosa – para quem os amava e, sobretudo, do ponto de vista visão da eternidade.

Ninguém é apenas um número. Ninguém pode substituir ninguém. Nenhum de nós é definido por nossa doença ou pelas circunstâncias de nossa morte – que é má, mas não definitiva, já que Cristo a venceu!




Leia também:
Incomum: encontramos um excelente remédio contra o medo do coronavírus!

Tags:
CovidMortesentimentos
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia