Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Sim, Santa Corona existe!

ŚWIĘTA KORONA
Compartilhar

Ironicamente seus restos mortais estão na Itália, uma das regiões mais atingidas pelo Coronavirus

A cidade de Anzu, na Itália, está bem no centro da pandemia de Coronavírus. E lá existe uma basílica que guarda as relíquias de São Vitor e Santa Corona desde o século IX. Ironicamente, Santa Corona é considerada uma santa de intercessão contra as pandemias.

Mas o que significa a palavra “corona”?

A palavra “corona” vem do latim e significa “coroa”.
O jornal The Economist explica por que o Coronavírus recebeu esse nome:

“Pouco percebida pelos médicos, muito menos pelo público, até o surto de SARS (síndrome respiratória aguda grave) que começou em Guangdong em 2002, a família dos coronavírus foi reconhecida pela ciência pela primeira vez na década de 1960. Seus membros receberam esse nome porque, sob os primeiros microscópios eletrônicos da época, sua forma parecia remanescente da coroa de um monarca. (Na verdade, os métodos modernos os mostram mais como o de uma mina naval à moda antiga.) Atualmente, existem mais de 40 membros reconhecidos dessa família, que infectam algumas espécies de mamíferos e pássaros, incluindo morcegos e gatos. Os virologistas veterinários os conhecem bem por causa das doenças que causam em porcos, gado e aves.”

A história de Santa Corona

Pouco se sabe sobre Santa Corona, mas ela e o homem pelo qual rezava, São Vitor, estão listados no martirologia romana e na Hagiografia da Igreja. Há ambiguidade em torno das datas e locais do martírio de São Vitor e Santa Corona. A maioria das fontes diz que foi na Síria, que estava sob o domínio romano. Alguns dizem Damasco; outros, Antioquia. A maioria concorda que eles foram mortos no ano de 170 d.C. Grande parte dos historiadores também concorda que eles morreram durante o reinado de Marco Aurélio e que eles foram mortos por ordem de um juiz romano chamado Sebastian.

Conta-se que os romanos descobriram que Vitor era um cristão. Os soldados levaram-no a um juiz, chamado Sebastian, que desprezava os cristãos. Ele decidiu dar um castigo a Vitor, que foi amarrado a um pilar e chicoteado sumariamente até que sua pele estava pendurada em seu corpo, e então Sebastian arrancou seus olhos. Isso tudo porque Vitor não queria negar a Cristo.

Perto dele havia uma garota de 16 anos chamada Corona. Ela era a esposa de um dos soldados e também era cristã. (O marido de Corona não sabia que sua esposa era cristã). Como Vitor estava sendo brutalizado, Corona decidiu que precisava ajudar o homem. Ela escolheu anunciar seu cristianismo a todos os presentes e correu para onde estavam torturando Vitor. Ajoelhou-se e começou a orar por ele, deixando-o saber que ela estava lá. Os soldados não demoraram muito para trazê-la também diante de Sebastian, que, imediatamente, a colocou na prisão e mandou torturarem-na. Ela fosse amarrada no topo de duas palmeiras. A seu sinal, as cordas que seguravam as árvores dobradas foram cortadas. As árvores se afastaram uma da outra para uma posição vertical. A força era tão grande que o corpo de Corona foi destruído. Então Sebastian ordenou que Vitor fosse decapitado.

São Vitor e Santa Corona são santos pré-congregação, o que significa que foram reconhecidos como santos antes da padronização dos processos de canonização da Igreja. As festas de Santa Corona e de São Vitor acontecem em 14 de maio. Pedimos a ambos que rezem por todos nós para que essa pandemia acabe.

Boletim
Receba Aleteia todo dia