Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A mulher mais idosa da Espanha, aos 113 anos, supera o coronavírus

MARIA BRANYAS
Twitter | @MariaBranyas112
Compartilhar

Maria Branyas vive em um lar de idosos e se tornou uma “super-avó sobrevivente”

A mulher mais idosa da Espanha é Maria Branyas. Ela mora em Olot, uma cidade de tamanho médio na província de Girona, cuja principal característica é estar no meio da zona vulcânica espanhola.

Se os vulcões são milenares, Maria é centenária: em 4 de março, completou 113 anos. Ela nasceu antes da rede telefônica e da geladeira doméstica existirem.

María está no noticiário porque acabou de superar a Covid-19, tornando-a a pessoa mais velha a vencer o coronavírus no país. No asilo de Santa Maria del Tura, administrado pelo Instituto de Religiosos de São José de Girona, todos não escondem a alegria.

MARIA BRANYAS
Twitter | @MariaBranyas112

Em março, a terrível notícia

Esta senhora é um exemplo de vitalidade: aos 113 anos, e apesar de ver e ouvir pouco, ela tem uma cabeça lúcida e está ciente de tudo o que acontece ao seu redor.

Em março, ela sentiu um desconforto e foi diagnosticada com infecção urinária. Na Unidade de Saúde loca, eles decidiram fazer um teste de coronavírus. E o resultado foi positivo.

Naquele momento, a equipe de atendimento da residência considerou que Maria deveria permanecer isolada em seu quarto. E essa foi sua grande tristeza. Ela não podia receber visitas, mas não deixou de apreciar o carinho e a atenção que recebia de todos na casa.

“As pessoas aqui são muito gentis, muito atenciosas”, diz sua filha Rosa, 76 anos.

“Uma mulher forte e positiva”

Rosa afirma que sua mãe é “uma mulher forte e positiva”. Nos dias de isolamento, ela a notou “entediada” e com pouca vontade de falar ao telefone. Algumas pessoas da mesma residência morreram da pandemia. Ela considera que o que está acontecendo no mundo é “uma grande vergonha para todos”.

Mas assim que disseram que ela havia vencido o coronavírus, ela voltou ao seu ânimo: “Agora que está bem, ela quer falar, explicar, fazer suas reflexões”, disse Rosa ao jornal El Mundo.

As semanas se passaram e o último teste aplicado foi negativo. Maria explica que sua mãe está “bem, com os pequenos desconfortos que todos podem ter”.

Filha de imigrantes

Maria Branyas nasceu em 4 de março de 1907 em San Francisco (Estados Unidos). Seus pais eram imigrantes espanhóis: ele de Pamplona e ela de Barcelona. Seu pai era jornalista e lá fundou e dirigiu a revista Mercurio.

MARIA BRANYAS
Twitter | @MariaBranyas112

 

A família se estabeleceu em Nova Orleans, mas quando Maria completou 8 anos, todos voltaram para a Espanha. Seu pai contagiara-se na epidemia de seu tempo – tuberculose –, e eles decidiram voltar para a Espanha. No entanto, ele morreu durante a viagem (que durou cerca de 40 dias), e seu corpo foi lançado ao mar.

Maria se casou aos 24 anos com Joan Moret, um jovem médico, e eles tiveram três filhos. Ela já viu muitas mortes de entes queridos (incluindo um de seus filhos, August), mas também testemunha que sua família está crescendo: seus 11 netos e 13 bisnetos esperam ver a “super-avó” em breve.

Seu segredo: estar com os amigos

Existe um segredo para Maria desfrutar de boa saúde aos 113 anos? Rosa dá algumas dicas: sua mãe nunca fumou, nunca quebrou nenhum osso e “seu esporte consistia em caminhar com seus amigos pela rua central de Girona”.

Boletim
Receba Aleteia todo dia