Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

3 diretrizes para os pais relacionadas à socialização pós-quarentena

SPAIN
Alvaro Fuente | NurPhoto via AFP
Compartilhar

Nossos filhos devem socializar ou não? Se sim, como? Quando? Onde? Com quem? Com que frequência?

Agora que o isolamento social está começando a diminuir em muitos países do mundo, muitos de nós, pais, somos confrontados com a pergunta: devemos deixar ou não nossos filhos verem seus amigos? Se sim, como? Onde? Quando? Com quem?

Seguem abaixo algumas diretrizes úteis relacionadas à socialização pós-quarentena. Espero que sejam úteis para você, no momento de decidirem os critérios da inserção dos filhos nesta nova normalidade.

1
DEFINA AS EXPECTATIVAS

Eis o fato: seus filhos estão sem dúvida famintos por interação social – especialmente seus filhos mais velhos, pois os relacionamentos com colegas são importantes para os adolescentes.

Mesmo que seus instintos peçam para você manter toda a sua família trancada até que uma vacina seja desenvolvida, você provavelmente terá que começar a se acostumar com a ideia de deixá-los socializar antes disso.

Dito isto, depois de tanto tempo privados de seus amigos, seus filhos podem querer toda a socialização possível. Eles provavelmente o bombardearão com solicitações de vários amigos e, se você não tiver definido e claramente comunicado as diretrizes sobre como sua família lidará com isso, você poderá se deparar com solicitações com as quais não se sente confortável ou recusando toda socialização.

Portanto, gaste algum tempo pensando nas necessidades exclusivas de sua família – você tem membros da família com baixa imunidade?  Algum de vocês corre um risco maior por causa de outra enfermidade?

Em caso afirmativo, explique isso aos seus filhos para que eles entendam por que não podem ver seus amigos – mesmo que todos estejam se vendo por aí.

Se isso a restrição maior não se aplicar a vocês, elabore um plano para implementar gradualmente a interação social.

Informe seus filhos sobre quais são as regras e quais serão suas respostas às solicitações com antecedência.

Reavalie suas diretrizes semanalmente, de acordo com as taxas de infecção e as recomendações da sua comunidade ou prefeitura e gaste algum tempo pedindo a Deus que o guie na tomada de decisões.

2
ESCOLHA SABIAMENTE

Nós, pais e mães, somos na verdade muito inteligentes. Temos noção de como as outras famílias agem – e sobre muitas coisas, de suas regras às preferências alimentares –, e isso pode nos ajudar a ter uma noção em aspectos que elas possam ter em comum com a nossa família.

Famílias como a nossa tendem a ter regras e posturas semelhantes, e eu descobri que isso é verdade mesmo nessa nova situação.

Portanto, se sua filha realmente quer ver a melhor amiga, mas você sabe que os pais dela não se sentirão à vontade com isso, lembre-se disso.

Não deixe que isso se torne um campo de batalha – é uma situação sem vitória. Seus filhos estão tristes por não terem visto os amigos ultimamente e não entenderão quando os pais dos amigos disserem não.

Em vez disso, diga aos seus filhos que você conversará com os outros pais primeiro e depois eles saberão quem eles podem ver. Negocie por eles e em nome deles. Sim, isso é complicado e desagradável. Mas tire esse fardo dos ombros deles e lide com a parte mais difícil.

3
USE A REGRA DE OURO

O que importa é que você permita que outros pais protejam os próprios filhos da maneira que acharem necessário – mesmo que isso signifique ouvir muito “não” ou “ainda não”.

Seja claro e fale a verdade com os outros pais. Se sua tia que é médica de hospital veio visitá-los no fim de semana passado, conte isso. Se vocês precisaram continuar indo para o escritório ou a fábrica, conte também.

Por mais difícil que seja ter que dizer aos seus filhos que seus amigos ainda não podem se socializar com eles, o dano duradouro de perder uma amizade por desonestidade seria muito pior.

Da mesma forma, se você for abordado por um pai que talvez não tenha levado essa quarentena tão a sério quanto você, resista à tentação de julgá-lo. Basta dizer: “ainda não me sinto confortável em deixar os meninos(as) se reunirem” e deixar por isso mesmo. Esta tem sido uma questão nova para todas as famílias, e todo mundo está lidando com isso da melhor maneira possível.

Nossas esferas sociais foram fragmentadas, empregos foram perdidos, relacionamentos fracassaram e isso afetou enormemente todos nós – crianças, jovens e pais.

A última coisa de que precisamos é de julgamento, culpa ou vergonha. Todos nós podemos ter experimentado a mesma pandemia e quarentena, mas todos experimentamos de maneira diferente.

Lembre-se da Regra de Ouro – trate os outros como gostaria de ser tratado.

Boletim
Receba Aleteia todo dia