Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 17 Maio |
São Pasquale Baylon
home iconReligião
line break icon

“Contemplação e sacerdócio”: a obra apreciada por Paulo VI

NETHERLAND

Jorge Franganillo-(CC BY 2.0)

Vanderlei de Lima - publicado em 25/05/20

Entrando no âmago do livro, podemos dizer que a Missa é o ato de amor do Verbo Encarnado, Jesus Cristo

A Editora Molokai, de São Paulo, acaba de lançar o precioso livro Contemplação e sacerdócio, de Dom Jean-Paul Galichet, monge cartuxo francês, atualmente na Cartuxa Notre Dame de Coreia, na Coreia do Sul.

A primeira edição dessa oportuna publicação apareceu, em Roma, em 1965, na Angelicum (XLII, p. 463-488),com o título, em francês, Contemplation et sacerdoce, assinada por “Um contemplativo”. Mais tarde, um padre dominicano acrescentou algumas notas de erudição às originais do autor. Em sua publicação pela Grande Cartuxa, em 2008, revelou-se seu autor: “Dom Jean-Paul Galichet, Professo de Chartreuse”. Em 2016 e, depois, em 2019, na Cartuxa de Maria Medianeira (Ivorá/RS) – com a aprovação de seu autor, seguindo a edição original –, foi preparada uma aprimorada edição em espanhol com o acréscimo de novas notas que ilustram a obra com textos recentes do Magistério da Igreja e dos Estatutos Cartusianos (aprovados pela Santa Sé em 1991), nos quais se faz referência também ao sacerdócio batismal e ao ministerial (cf. p. 18). 

Eis que, agora, surge, em um livro bem estilizado, a tradução portuguesa dessa obra que segue, via de regra, a publicação espanhola – realizada por um monge trapista da Abadia de Nossa Senhora de la Oliva (Navarra) e dada à luz na conceituada revista Cistercium (XXVII, pp. 201-223, 1976) –, mas em cotejamento contínuo com o texto original (cf. p. 19). Como brinde aos leitores de língua portuguesa, o livro traz cinco apêndices: 1) o Discurso de São Paulo VI sobre a harmonia entre a consagração sacerdotal e a da vida religiosa, de 18/11/1966; 2) a Carta Optimam partem, do mesmo Paulo VI, a Dom André Poisson, então Prior de Chartreuse e Ministro Geral da Ordem Cartusiana, de 18/04/1971; 3) a Homilia do Cardeal Robert Sarah, Prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, na cerimônia de ordenação de 31 sacerdotes do Opus Dei, de 05/05/2018; 4) um breve vocabulário filosófico-teológico elaborado pelo tradutor brasileiro a fim de ajudar os leitores menos familiarizados a conceitos como analogia, pericorese, êxtase, processão, açãoteândrica etc. e 5) uma lista das obras dos monges cartuxos em português (cf. p. 77-103).

Entrando no âmago do livro, podemos dizer que a Missa é o ato de amor do Verbo Encarnado, Jesus Cristo. Sim, “o princípio central da Missa é um objeto de inesgotável contemplação. Este princípio é a alma de Cristo ‘ungida’ (investida) pelo Verbo. É claramente a unidade vital da divindade e da humanidade no ato de amor que é o sacrifício. O querer sacrificial do Verbo, eficaz por si mesmo, dá ao querer sacrificial humano sua própria realidade, sua profundidade de amor e sua eficácia; em virtude do qual, Jesus pode dispor de si mesmo, entregar-se a Deus no nível de seu próprio ser. E simultaneamente, este querer do Verbo assume, faz seu, integra em si mesmo este querer humano, como outra expressão de si mesmo. E por uma espécie de movimento de reciprocidade, o querer humano se perde no do Verbo em um grau que desafia a união transformante dos maiores santos. Tal é a vida ‘teândrica’ de Cristo, na qual o sacerdote participa como se verá. Tudo isso acontece na Missa” (p. 31-32).

Daí decorre a grandeza-serviço do sacerdócio ministerial mesmo quando o padre celebra sem a presença de fiéis (cf. Mediator Dei, 117-118 e Presbyterorum Ordinis, 13), como vemos na fala de Dom Galichet: “O sacerdote deve dar a Cristo, de certa forma, ‘um querer sacrifical humano também’. Do ponto de vista eclesial, o sacerdócio é uma função. Contudo, essa função é de uma característica muito particular: implica, pois, em sua própria natureza uma união pessoal, isto é, de pessoa a Pessoa, com o Verbo Encarnado: união de uma característica única e sem analogia” (p. 32). Ainda: “o sacerdócio chama o monge a viver a sua vida contemplativa mais em Cristo do que em si mesmo. E é, portanto, a forma suprema de pertencer a Deus: reviver a de Cristo” (p. 70). Afinal, “a consagração religiosa permite ser uma vítima perfeita sob o domínio de Deus: e esta vítima imita, prolonga o estado do Homem-Deus que veio ele próprio para ser vítima” (p. 72). 

Eis – com o prefácio de Dom Luiz Gonzaga Fechio, Bispo de Amparo (SP) – um livro imprescindível aos clérigos, mas também útil a religiosos e leigos.  

Mais informações em: https://www.livrosmolokai.com.br/produto/jean-paul-galichet-monge-cartuxo-contemplacao-e-sacerdocio/

Tags:
Livros
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Lucía Chamat
A curiosa foto de “Jesus” que está comovendo a Colômb...
2
Soutane de Jean Paul II/attentat
Marzena Wilkanowicz-Devoud
Onde está a batina manchada de sangue de João Paulo II?
3
Nossa Senhora de Fátima pede rezar o terço
Padre Reginaldo Manzotti
As 3 principais atitudes que Nossa Senhora de Fátima nos pediu
4
Irmã Lúcia, de Fátima, e o Papa São João Paulo II
Francisco Vêneto
O terço “funciona”, garante a Irmã Lúcia, de Fátima: ...
5
Philip Kosloski
5 revelações surpreendentes do “terceiro segredo” de ...
6
POPE AUDIENCE JUNE 26; 2019
Philip Kosloski
Quanto é o salário de um papa?
7
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Charbel disse?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia