Aleteia
Segunda-feira 19 Outubro |
Santos Mártires Canadenses
Atualidade

O cristianismo, o politicamente correto e a cultura do cancelamento

INSTAGRAM

Worawee Meepian - Shutterstock

Francisco Borba Ribeiro Neto - publicado em 02/08/20

Ironia do mal, o ressentimento coloca frequentemente os mais fracos e injustiçados uns contra os outros, enquanto preserva os poderosos

Nos Estados Unidos, na esteira dos protestos gerados pelo assassinato de um negro, George Floyd, por um policial branco, reacendeu-se o debate sobre a “cultura do cancelamento”, que seria uma forma de censura, praticada pelos defensores do “politicamente correto”, não permitindo a liberdade de expressão a quem tem uma posição diferente da sua.

O ponto alto dessa retomada da questão é “Uma carta sobre justiça e debate aberto”, documento assinado por cerca de 150 intelectuais que – apesar de condenarem a discriminação racial e as injustiças sociais, atacarem o chamado “iliberalismo” atual e o presidente Trump – consideram que as esquerdas vêm realizando uma censura ideológica a quem pensa diferente, enfraquecendo a democracia e a liberdade.

O mais impactante é o amplo espectro de signatários do documento, com nomes consagrados à esquerda, como Noam Chomsky, e à direita, como Francis Fukuyama, feministas como Gloria Steinem e acusados de “transfobia”, como J.K.Rowling. Muitas vozes se levantaram contra a carta, atacando principalmente os seus signatários tidos como progressistas e de esquerda, que passaram a ser vítimas dessa “cultura do cancelamento” que condenam.

Um mundo onde todos se tornam vítimas do ressentimento

Temos que reconhecer que é difícil encontrar um ponto de equilíbrio entre políticas afirmativas, que ajudam a superar injustiças históricas e construir o bem comum, e uma nova discriminação, que repete erros do passado, apenas invertendo os sinais. Criamos e recriamos um mundo iníquo, onde os mais fracos – na prática – permanecem com direitos pouco reconhecidos e menos oportunidades. Apenas mudamos, um pouco, o perfil de quem são esses mais fracos.

Com isso, a sociedade permanece marcada pelo ressentimento mútuo, que agora atinge tanto aqueles identificados historicamente como “minorias” quanto aqueles que recentemente passaram a se perceber como perseguidos ou tendo seus valores não respeitados. Ironia do mal, o ressentimento coloca frequentemente os mais fracos e injustiçados uns contra os outros, enquanto preserva os poderosos.

Esse ressentimento e essa dificuldade de encontrar uma posição equilibrada frequentemente levam a uma visão deturpada da história do povo cristão. Se retrocedermos no tempo, encontraremos um vínculo inegável entre o cristianismo e o reconhecimento dos direitos humanos e a solidariedade ao mais vulnerável. São decorrências naturais do amor fraterno e da caridade.

Não por acaso, a universalização dos direitos, o reconhecimento da dignidade da pessoa e a democracia se desenvolveram no Ocidente cristão. Mas não podemos negar, igualmente, as chagas da escravidão moderna e dos genocídios de povos indígenas. Assim, os discursos ideológicos = de ambos os lados – tendem a lembrar um aspecto e esquecer o outro.

O perdão, a reconciliação e a justiça social

A justiça, sem amor, pode punir os erros e instaurar uma igualdade formal entre as pessoas. Dificilmente, contudo, será eficiente em reparar as injustiças e promover integralmente a humanidade de cada um. Esse é o grande drama das propostas atuais, frequentemente turbinadas pelo ressentimento e pela raiva diante de injustiças que de fato acontecem, mas que carecem do amor pelo outro que pode gerar tanto a reparação dos erros quanto a construção do bem comum.

A superação das injustiças históricas pressupõe uma cultura do perdão e da reconciliação. Frequentemente imaginamos que esse perdão e essa reconciliação seriam uma desculpa dos poderosos e dos opressores para se saírem ilesos num tempo de mudança. Isso seria um cancelamento injusto dos erros cometidos ou uma relativização de valores universais. Trata-se, na verdade, de todos reconhecerem seus erros e seus limites, mas buscarem o entendimento e um abraço que ilumina a humanidade tanto de quem abraça quanto de quem é abraçado.

Para o bem de cada um de nós e de todos na sociedade, temos que ter a humildade de dar e pedir o perdão, como nos ensina a oração do Pai Nosso, pois todos somos – em algum grau – pecadores que precisam ser perdoados tanto por Deus quanto por nossos irmãos.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Doutrina Social da IgrejaPolíticaVirtudes
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Char...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
FATIMA
Philip Kosloski
Fotos raras dos 3 pastorinhos de Fátima
POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE
Reportagem local
As 3 orações que o Papa pediu para rezarmos e...
Pe. Gilmar
Reportagem local
Brasil: padre desaparece e manda mensagem com...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia