Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 21 Abril |
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

Lições sobre alegria de um santo que tinha tudo para não ser feliz

HERMANN,REICHENAU

Th. Fink Veringen | CC BY-SA 4.0

Philip Kosloski - publicado em 25/09/20

Hermano de Reichenau tinha fenda palatina, paralisia cerebral e espinha bífida, mas era o monge mais alegre do mosteiro

A saúde física é algo tão valorizado na sociedade moderna que quando ficamos doentes ou gravemente incapacitados, é tentador desistir da vida. Podemos ser tentados a crescer em desespero e lamentar a perda de nossas habilidades físicas.

Por um motivo semelhante, muitas crianças diagnosticadas com deficiências são tristemente ignoradas e vistas por muitos como um erro.

No entanto, um santo nos mostra que nossa saúde física não deve ditar nossa saúde espiritual e que ainda podemos manter a alegria em meio ao nosso sofrimento.

Hermano de Reichenau “o aleijado”, viveu no século 11 e parecia destinado ao fracasso. O periódico periódico The Month, do início do século 20, abordou o início da vida dele:

“Seu filho Herman era terrivelmente aleijado e, na verdade, deformado, diz seu amigo e biógrafo, Berthold … Pois os membros do menino eram tão horrivelmente contorcidos que ele não conseguia se mover de um lugar para outro; mal conseguia sentar-se, até mesmo na cadeira que eles fizeram para ele; até seus dedos eram fracos e cheios de nós para escrever; até mesmo sua boca, ao que parece, era deformada, e seus lábios e sua língua formavam palavras que mal podiam ser entendidas.

Naquela época, era comum que crianças deficientes fossem abandonadas na montanha até a morte. No entanto, os pais de Hermano não desistiram dele e o confiaram a um mosteiro próximo. É notável que os monges o aceitaram e foram extremamente pacientes com ele, ensinando-lhe as profundezas da religião, ciência e matemática.

Contra todas as probabilidades, Herman tornou-se um estudioso. Além disso, ele era o monge mais feliz do mosteiro!

“Este homem, incapaz de andar, sentar-se, mentir corretamente; que nunca em sua vida pode ter se sentido confortável; ansioso para escrever, e com dedos que mal o serviam; cheio de ideias e tendo que gaguejá-las por meio de sons quase invisíveis, Hermano junta em torno de si todos os adjetivos que você menos espera.”

O exemplo de Hermano nos mostra claramente que a alegria nunca deve ser baseada no bem-estar físico. Podemos (e devemos) ser alegres tanto nos momentos bons quanto nos maus, na doença e na saúde.

A alegria de Hermano baseava-se exclusivamente em Jesus Cristo, e ele era feliz por estar vivo! A vida, para Hermano, era uma dádiva, e ele viveu feliz seus anos na terra.

Essa alegria foi expressa até em alguns dos hinos mais populares da Igreja Católica. Diz-se que Hermano compôs os hinos: “Salve Regina”, “Veni Sancte Spiritus” e “Alma Redemptoris Mater”.

A vida de Hermano é verdadeiramente notável, e sua história precisa ser ouvida em nosso mundo moderno, em que precisamos de uma alegria verdadeira e duradoura.


HERMANN,REICHENAU

Leia também:
O monge cego e paralítico que compôs uma das orações mais conhecidas da Igreja

Tags:
FelicidadeSantos
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia