Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 08 Março |
São João de Deus
home iconHistórias Inspiradoras
line break icon

Síndrome K: uma doença nova, contagiosa, pavorosa e mortal que… nunca existiu

Síndrome K foi um plano de médicos do Hospital Fatebenefratelli

Wknight94 / Wikipedia (CC BY-SA 3.0)

Francisco Vêneto - publicado em 16/10/20

Como e por que um grupo de médicos italianos inventou uma misteriosa doença em plena Segunda Guerra Mundial

Síndrome K era o nome de uma doença misteriosa, mas cujo diagnóstico muitos “desejavam”: afinal, ela aumentava em muito as chances de salvar da morte os seus “infectados”! E essa não era a sua única peculiaridade.

A Segunda Guerra Mundial continuava devastando o mundo. Além disso, os nazistas deportavam um número cada vez maior de judeus para os campos de concentração. Diante daquele cenário de morte, um grupo de médicos italianos tomou a ousada decisão de se arriscar mais ainda.

A Itália tinha trocado de lado na guerra em outubro de 1943, mas uma boa parte do seu território continuava sob ocupação dos antigos parceiros nazistas.

Foi justamente nesse período que a perseguição contra os judeus de Roma se intensificou. Com isso, cada vez mais conventos e instituições católicas passaram a dar refúgio a famílias judias aterrorizadas.

Outro local inusitado que recebeu judeus para evitar a sua deportação foi o Hospital Fatebenefratelli.

E foi lá que um grupo de médicos teve uma ideia surpreendente – e muito arriscada.

A Síndrome K

Os cabeças foram o professor Giovanni Borromeo e o doutor Vittorio Sacerdoti. Eles começaram, de fato, a internar até judeus saudáveis, “diagnosticando-os” com a “Síndrome K” – ou “morbo di K”, em italiano.

Segundo esses médicos, tratava-se de uma nova e pavorosa doença, quase desconhecida. Os médicos, porém, a descreviam como altamente contagiosa. Além disso, as pessoas “infectadas” tossiam profusamente durante as inspeções dos nazistas no hospital. E isto, é claro, provocava neles um medo enorme de contaminação.

O próprio doutor Sacerdoti deu uma entrevista em 2004, recordando:

“Os nazistas pensavam que se tratava de câncer ou tuberculose. Por isso, eles fugiam como coelhos”.

Os efeitos da “doença”

A doença, portanto, era contagiosa, assustadora e mortal. E ela tinha, ademais, uma característica adicional inusitada: o fato de que ela simplesmente não existia!

Na prática, os médicos e demais profissionais do hospital usavam a “Síndrome K” apenas como um código, porque a doença era fictícia e tudo era combinado com os “doentes”. Assim, eles identificavam facilmente os judeus refugiados e os protegiam, afugentando os nazistas.

A letra K, aliás, foi escolhida para zombar de duas figuras relevantes do nazismo. O primeiro era o chefe de polícia Herbert Kappler, um dos responsáveis pela perseguição aos judeus na Itália. E o outro era Albert Kesselring, militar encarregado de defender os territórios ocupados na Itália contra os Aliados. Os dois acabaram condenados por crimes de guerra depois do fim do conflito.

Não se sabe quanta gente “pegou” a “Síndrome K”, mas é consenso que essa falsa doença salvou centenas de judeus. A genial estratégia dos médicos italianos, afinal, os livrou de uma morte praticamente certa.

Giovanni Borromeo e o doutor Vittorio Sacerdoti, portanto, são heróis.

E atualmente, de fato, há uma placa no Hospital Fatebenefratelli que recorda esse episódio de esperta e arriscada resistência impulsionada por eles contra o nazismo e o Holocausto.

_______

Com informações de IFLSciense.com




Leia também:
Pio XII conseguiu salvar 63,04% dos judeus de Roma durante a perseguição nazista

Tags:
GuerraHistóriamedicinaValores
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
Santo Sudário, novo estudo: “Não é imagem de morto, mas de ...
2
MIRACLE
Maria Paola Daud
Mateo se perdeu no mar… e apareceu nos braços do pai
3
SAINT JOSEPH
Philip Kosloski
10 coisas sobre São José que você precisa saber
4
SAINT ROSE OF VITERBO
Meg Hunter-Kilmer
Santa Rosa de Viterbo: uma adolescente destemida que proclamou a ...
5
BABY BORN
Reportagem local
Bebê “renasce” após ser batizado por uma médica
6
PADRE PIO
Philip Kosloski
A oração que Padre Pio fazia todos os dias ao Anjo da Guarda
7
MADONNA
Maria Paola Daud
A curiosa imagem da Virgem Maria protetora contra o coronavírus
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia