Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 26 Novembro |
São Silvestre Guzzolini
home iconReligião
line break icon

“Jesus, a humanização de Deus”

Jesus' ascension

Gebhard Fugel | Public Domain

Vanderlei de Lima - publicado em 22/11/20

Cristo é o Filho unigênito de Deus e, por conseguinte, tinha plena consciência da sua missão neste mundo

O livro de título acima – que tem por subtítulo A humanização de Deusum ensaio de Cristologia (Vozes, 2015, 604 p.) – foi escrito por José M. Castillo, mas é falho e tendencioso em vários pontos, dentre os quais dois são aqui comentados.

Na página 357, o autor garante que “Jesus foi um leigo”. Em resposta, afirmamos que Cristo não é leigo, mas sacerdote, o Sacerdote por excelência, o verdadeiro Sacerdote eterno de quem os sacerdotes humanos são ministros (cf. S. Tomás de Aquino, Hebr 7,4; Catecismo da Igreja Católica n. 1544-145). 

Dito isso, recorramos ao Pe. Albert Vanhoye, renomado estudioso jesuíta do Instituto Bíblico de Roma, que, após trabalhar, num livro inteiro, a mensagem da Carta aos Hebreus, formula a seguinte conclusão: “O autor respondeu com extraordinária agudeza à questão que os cristãos se colocavam: a questão do sacerdócio. Sua resposta é plenamente positiva: Cristo é o nosso sacerdote. Mas não é resposta simplista. Longe de aplicar ao ministério de Cristo a ideia que se tinha do sacerdócio, tal como existia antes, ele aprofundou o seu sentido a ponto de renová-lo completamente. Desse modo, ele pôde mostrar que Cristo não apenas possui o sacerdócio, mas também é o único sacerdote no sentido mais pleno da palavra, pois foi ele o único que abriu aos homens o caminho que leva a Deus e os une entre si. Cristo nos faz passar de um culto necessariamente exterior e ineficaz, marginal em relação à vida, para oferenda que toma toda a realidade de nossa existência e a transforma profundamente, na adesão filial a Deus e no devotamento fraternal” (A mensagem da Epístola aos Hebreus. S. Paulo, 1983, p. 84). Vê-se, pois, o quanto o livro de J. M. Castillo é falso na afirmação que faz.

Na página 212, o autor afirma que o Senhor Jesus parece não ter consciência alguma da sua identidade divina com o Pai. Ignorava ser Deus. Ora, respondemos que Jesus sabia, sim, que era Deus e, por isso, exercia seu ministério com incomparável poder que só cabe a Deus; superava, assim, a autoridade dos antigos Profetas. Basta dizer que Deus Pai é para o Senhor Jesus alguém muito íntimo (cf. Mc 14,36; Jo 20,17); só Ele conhece e revela plenamente o Pai(cf. Mt 11,27) e sabe até o que Deus pensa (cf. Mt 16,16-17), embora nem tudo deva ser revelado: a data do fim do mundo, por exemplo (cf. Mc 13,32). Mais: o uso da expressão “Eu sou” por parte de Jesus faz eco ao “Eu sou” (Javé) com a qual Deus se revelou a Moisés (cf. Ex 3,14). Há, portanto, pleno conhecimento da identidade do Filho com o Pai (cf.  Jo 8,24.28.57;13,19). O Senhor Jesus atribui a si – e comprova pelos milagres – a autoridade própria de Deus(cf. Mc 13,31). Quem se decide por Cristo, se salva (cf. Lc 12,8-9; Mc 8,38; Mt 10,32); é preciso amá-lo acima de tudo (cf. Mt 10,37.39), pois não existe Mestre além d’Ele (cf. Mt 23,8). 

Isso tudo a Igreja sabia desde suas primeiras comunidades: Cristo é igual ao Pai em perfeição (cf. Fl 2,6-8) e foi por Ele enviado a nós com a missão de nos salvar (Rm 8,3; Gl 4,4). Uma vez mais, Castillo tenta escamotear uma verdade que até o demônio tinha quase certeza de ser real (cf. Mt 4,3.6; Lc 8,28; Mc 1,24; 3,11): Cristo é o Filho unigênito de Deus e, por conseguinte, tinha plena consciência da sua missão neste mundo (cf. Comissão Teológica Internacional. A consciência que Jesus tinha de si mesmo e da sua missão, 1985, eF. Dreyfus. Jesus sabia que era Deus? S. Paulo: Loyola, 1987).

Lamentamos que a densa obra de J. M. Castilho, portadora de aspectos úteis e de ricos índices – bíblico (p. 541-575), onomástico (p. 577-591) e analítico (p. 593-600) – não seja referencial seguro no correto estudo da pessoa e da obra de Cristo, Nosso Senhor. O autor é, sem dúvida, um estudioso, mas parece ter se deixado levar mais por ideologias heterodoxas do que pelos ensinamentos cristalinos da Mãe Igreja.


CHRIST THE KING

Leia também:
Jesus Cristo, Rei do Universo e Sacerdote Eterno

Tags:
DoutrinaJesus
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
MARYJA
Philip Kosloski
A melhor oração mariana para quando você prec...
Papa Francisco com máscara contra covid
Reportagem local
As 3 “covids” do Papa Francisco
WEB2-COMMUNION-EUCHARISTIE-HOSTIE-GODONG-DE354465C-e1605635059906.jpg
Reportagem local
Internado na UTI, Pe. Márlon Múcio continua c...
pildorasdefe.net
Por que você não vai para frente? Talvez este...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Confissão não é para contar problemas, mas para contar pecados
Pe. Gabriel Vila Verde
Confissão não é para contar problemas, mas pa...
RED WEDNESDAY
Reportagem local
Perseguição aos cristãos no mundo é denunciad...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia