Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 07 Março |
Perpétua e Felicidade
home iconReligião
line break icon

Usar batina e colarinho romano: sim ou não?

MĘŻCZYZNA PODCZAS MODLITWY

Patricia Navas González - publicado em 13/12/20

Os padres têm mesmo a obrigação de usar o traje sacerdotal no dia a dia? Entenda melhor esta questão

A realidade é esta: muitos sacerdotes usam batina e colarinho romano (ou o clergyman), enquanto outros se vestem como pessoas comuns. A norma é esta: o hábito eclesiástico é obrigatório em circunstâncias normais.

Será que esta norma – reafirmada nos últimos anos – está distante da realidade e se tornou, para alguns, uma lei sem sentido? O contexto no qual vivem os padres que se vestem como uma pessoa qualquer pode ser considerado uma situação excepcional que relativiza a obrigação do seu cumprimento?

Não há dúvida de que esta é uma questão controversa, mas será que se trata de uma mera formalidade ou é uma questão essencial? Até que ponto isso é importante?

Representante de Deus

O colarinho facilita que as pessoas identifiquem aquele que o usa como representante de Deus. Seu sentido é mostrar a consagração e a identidade da pessoa que desempenha um ministério público.

Um pároco de Barcelona, Pe. Jaume González, explica à Aleteia os motivos pelos quais ele usa a batina e o colarinho romano: “Em primeiro lugar, por uma razão disciplinar, porque a disciplina eclesiástica diz que devo usar”, afirma.

“Em segundo lugar – continua – por que é preciso usar o hábito sacerdotal? A Igreja não pede isso por um capricho abusivo, mas porque é um sinal da consagração; quando um padre sai na rua, ele está pregando sem abrir a boca; está dizendo: sou um padre, um discípulo de Jesus Cristo.”

“E também há outro motivo, de cunho pessoal ou psicológico: quando a pessoa se veste de sacerdote, lembra o que ela é; sua vida sempre remete as pessoas a Jesus Cristo”, acrescenta.

Circunstância

“Eu uso o colarinho romano nas celebrações importantes, quando vou a Roma; uso segundo as circunstâncias, mas no dia a dia me sinto artificial com ele, especialmente na minha cidade, onde todo mundo me conhece tão bem”, opina outro sacerdote, o Pe. Xavier Parés.

“Isso depende de cada estilo, e também cada padre vai mudando sua maneira de pensar; a norma geral existe, mas foi-se aceitando outras maneiras e a prática acabou se impondo”, acrescenta.

Vestido com uma simples camisa e um jeans escuro, outro padre que prefere não se identificar reconhece: “O hábito não faz o monge… mas ajuda; vamos diluindo a presença de Deus na sociedade, e talvez eu me inclua nisso – confessa. Será que não deveríamos mostrar esses sinais que ajudam a pensar em Deus?”.

Concílio

Após o Concílio Vaticano II, muitos sacerdotes optaram por afastar distintivos que consideraram antiquados, e começaram a se vestir como qualquer outra pessoa, às vezes por comodidade, outras por ideologia. Hoje, alguns voltaram a usar o colarinho romano.

Segundo o Pe. Xavier, “os padres têm liberdade e os bispos os respeitam, porque não é algo substancial; por outro lado, certamente alguns não cumpririam a norma”.

Ainda que os concílios sempre tenham falado de vestir-se com simplicidade e decência, mais que usar um tipo de vestimenta particular, o Magistério da Igreja oferece razões profundas sobre o significado teológico do especialmente sagrado, e o direito canônico estabelece a obrigação de usar o traje eclesiástico.

“Os clérigos devem vestir um traje eclesiástico digno, segundo as normas dadas pela conferência episcopal e os costumes legítimos do lugar”, indica o artigo 284 do Código de Direito Canônico.

Catecismo

E o Catecismo da Igreja Católica comenta (n. 1563 e 1582) que a roupa específica do sacerdote é o sinal exterior de uma realidade interior: o padre já não pertence a si mesmo, mas é “propriedade” de Deus.

A normativa mais recente a respeito disso, de 2013, é a nova edição do Diretório para o ministério e a vida dos presbíteros, da Congregação para o Clero, que destaca a importância e obrigatoriedade do traje eclesiástico.

Em seu ponto 61, prescreve que “o presbítero deve ser reconhecível sobretudo pelo seu comportamento, mas também pela forma de se vestir”, e explica que o hábito clerical lhe recorda que “é sacerdote sempre e em todo momento”, servindo-lhe como “proteção da pobreza e da castidade”.

Este diretório prevê que os sacerdotes usem batina ou colarinho romano (um traje diferente do dos leigos e conforme a dignidade e sacralidade do seu ministério) e também que cada conferência episcopal estabeleça sua forma e cor.

E adverte que “as práticas contrárias não podem ser consideradas costumes legítimos e devem ser removidas pela autoridade competente”.

Decreto

Neste sentido, em 1995, quando um bispo brasileiro perguntou ao Vaticano se esta norma era de cumprimento obrigatório ou meramente exortativa, o Conselho Pontifício para os Textos Legislativos respondeu que sim, porque é um decreto geral executório.

Ao mesmo tempo, o diretório indica que, para esta norma, é preciso excetuar as situações totalmente excepcionais, entre as quais alguns canonistas enumeram o risco de morte, a perseguição religiosa e a Igreja no exílio ou perseguida.

Para o Pe. Jaume González, a importância de usar o colarinho romano foi uma descoberta: ele foi ordenado de terno e gravata e no início se vestia à paisana. “No seminário, não me mostraram a bondade disciplinar e pastoral do uso do colarinho romano, e eu não tinha consciência de que era uma obrigação. É preciso formar as pessoas e motivá-las para que o usem”, opina.

O sacerdote considera muito positiva a experiência de vestir-se com o traje eclesiástico. “Com ele, você encontra pessoas que pedem para ser ouvidas, para confessar-se em um canto da cidade, e até outras que perguntam coisas práticas ou agradecem pelo sacerdócio”, explica.

Assim, ele recorda uma história de São Francisco de Assis e seu companheiro Frei Leão, ocorrida em um dia em que saíram para pregar nos povoados: passaram de cidade em cidade sem abrir a boa e, ao anoitecer, Frei Leão perguntou a Francisco: “Como é que pregamos hoje?”. E São Francisco respondeu: “Parece-lhe pouco o que pregamos? As pessoas viram nossos hábitos da santa pobreza!”.


VIA CRUCIS

Leia também:
Pe. Gabriel sobre escândalos na Igreja: “Demônios de batina, mas a Igreja continua”




Leia também:
Por que uso batina?

Tags:
Padressacerdotes
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
MIRACLE
Maria Paola Daud
Mateo se perdeu no mar… e apareceu nos braços do pai
2
MADONNA
Maria Paola Daud
A curiosa imagem da Virgem Maria protetora contra o coronavírus
3
Reportagem local
Santo Sudário, novo estudo: “Não é imagem de morto, mas de ...
4
SAINT JOSEPH
Philip Kosloski
10 coisas sobre São José que você precisa saber
5
PADRE PIO
Philip Kosloski
A oração que Padre Pio fazia todos os dias ao Anjo da Guarda
6
Santo Sudário
Aleteia Brasil
Manchas do Santo Sudário são do sangue de alguém que sofreu morte...
7
BABY BORN
Reportagem local
Bebê “renasce” após ser batizado por uma médica
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia