Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 21 Outubro |
São Bertoldo de Parma 
Aleteia logo
home iconEspiritualidade
line break icon

Padre Pio: sua vida, seus milagres e seu legado

PADRE PIO

© Adam Jan Figel - shutterstock

Philip Kosloski - publicado em 13/04/21

O humilde frade italiano continua sendo um dos santos mais populares da Igreja Católica

Cristãos do mundo todo são fascinados pelo Padre Pio, um notável frade italiano que viveu no século XX. Embora ele tenha passado a maior parte de sua vida em um mosteiro franciscano, sua influência ainda pode ser sentida hoje.

Aqui está uma breve lista dos artigos mais vistos da Aleteia sobre São Padre Pio, os quais ajudam a explicar sua vida, seus milagres e seu legado.

A vida do Padre Pio

Não muito longe da cidade de Benevento, na região da Campânia, sul da Itália, fica Pietrelcina, uma vila rural com origens no final da Idade Média. Para os católicos, é conhecida em todo o mundo como o local de nascimento do Padre Pio.

Pietrelcina é desprovida de lojas de souvenirs e hotéis, igrejas grandiosas e obras de arte modernas. De fato, a vila conservou em grande parte suas origens agrícolas.

Padre Pio, ao relembrar sua terra natal, disse uma vez: “Em Pietrelcina, ninguém nunca tinha cinco liras no bolso. Mas além do dinheiro, tínhamos tudo.”

Casa e paróquia

Em 25 de maio de 1887, Maria Giuseppa de Nunzio deu à luz um menino em sua casa, na Rua Vico Storto Valle, 27. Eram 5 horas da tarde. Seus pais, Maria e Grazio, confiaram a proteção de seu filho recém-nascido a São Francisco e o batizaram em homenagem ao santo de Assis.

Hoje, a casa onde o Padre Pio nasceu está aberta ao público. Os visitantes costumam se surpreender com sua simplicidade.

De fato, os turistas podem observar a cozinha, com lareira e móveis originais. Além disso, ainda existem os utensílios da época, incluindo alguns recipientes de terracota, potes e uma lamparina a óleo. Atrás da cozinha fica um quarto onde as crianças dormiam, mas que foi transformado em sala de jantar. Há também o quarto dos pais, onde Padre Pio nasceu.

Perto da casa de nascimento do Padre Pio está a Igreja de Santa Maria dos Anjos. Foi ali que Padre Pio celebrou sua primeira missa, em 14 de agosto de 1910, quatro dias após sua ordenação. Por causa de sua doença, o Padre Pio foi dispensado de seu voto de viver em comunidade em um convento capuchinho.

Enquanto o Padre Pio viveu em Pietrelcina, o seu ministério pastoral era nessa igreja. O templo ganhou uma porta de bronze no ano 2000. Há também oito azulejos de bronze que contam a história de Pietrelcina e do Padre Pio.

Infância

Na biografia Padre Pio, The True Story (“Padre Pio, a Verdadeira História”), publicada por Our Sunday Visitor, o autor descreve a infância do santo em termos coloridos.

Conhecidos e pessoas que interagiram com o místico constantemente revelaram que ele teve uma infância como qualquer outra criança. Por exemplo: Padre Pio costumava brincar com os amigos das fazendas vizinhas. Seus companheiros de infância lembraram dele com carinho, e também pensavam nele como um “menino normal”.

Entretanto, Luigi Orlando lembrou: “Quando estava conosco, ele nunca rezava. Não havia nada de particularmente notável nele. Conosco ele era um menino como qualquer outro, bem-educado e reservado.”

Fotos raras

Graças aos dons que Deus lhe deu, o Padre Pio era capaz de ler os pensamentos das pessoas, bilocar e levitar. Além disso, recebeu as santas chagas de Cristo (estigmas) em seu corpo.

Padre Pio não pediu nada disso; apenas era um instrumento que Deus usava para os seus propósitos.

A seguir, separamos algumas fotos pouco vistas deste humilde místico. São imagens raras, que revelam um pouco do dia a dia de um dos santos mais extraordinários do século XX.

Estigmas

Padre Pio é um dos poucos santos que sofreu os estigmas (feridas) da paixão de Cristo em seu corpo. Além das feridas dos espinhos e da lança, São Pio também recebeu a laceração que Nosso Senhor suportou em seu ombro, um ferimento causado por carregar a cruz, do qual sabemos porque Jesus revelou a São Bernardo.

Essa outra ferida que Padre Pio teve foi descoberta por um de seus amigos e filhos espirituais, o Irmão Modestino de Pietralcina.

Esse frade era da terra natal de Pio e o ajudava nos serviços domésticos. O futuro santo disse-lhe um dia que trocar de camisa era uma das coisas mais dolorosas que ele tinha Se suportar.

O Irmão Modestino não entendeu imediatamente o porquê. Ele percebeu a verdade apenas após a morte do Padre Pio, quando preparava as vestes de seu pai espiritual.

Modestino recebeu a tarefa de coletar todos os pertences do Padre Pio e guardá-los. Na camisa do padre, ele encontrou uma grande mancha no ombro direito, perto da omoplata. A mancha tinha cerca de dez centímetros de diâmetro (um pouco semelhante à mancha no Santo Sudário). Ele percebeu que, toda vez que o Padre Pio tirar a camisa, desgrudar o pano dessa ferida aberta teria causado uma dor enorme.

“Informei imediatamente o meu superior sobre que encontrei”, recordou o Irmão Modestino, e o superior pediu que ele fizesse um breve relato. Ele acrescentou: “O padre Pellegrino Funicelli, que também havia ajudado o Padre Pio por muitos anos, disse-me que, muitas vezes, ao ajudar o padre a trocar a camiseta de lã que ele usava por baixo, ele sempre notava – às vezes no ombro direito, às vezes no esquerdo, um hematoma circular”.

Confidente

O Padre Pio não falou sobre essa ferida com ninguém, exceto com o futuro João Paulo II. Se o santo irmão revelou apenas a ele, deve ter havido uma razão.

O historiador Francesco Castello escreve sobre um encontro em San Giovanni Rotondo, em abril de 1948, entre o padre Wojtyla e o padre Pio. Foi então que Pio contou ao futuro papa sobre sua “ferida mais dolorosa”.

O irmão Modestino relatou mais tarde que o padre Pio, após sua morte, deu-lhe um entendimento especial dessa ferida.

“Uma noite, antes de dormir, fiz uma petição a ele em oração. “Querido padre, se você realmente teve essa ferida, me dê um sinal.” E então eu fui dormir. Mas à 1h05 da manhã, uma dor aguda e repentina no meu ombro me despertou de um sono tranquilo. Era como se alguém tivesse pegado uma faca e arrancado a carne do meu ombro. Se a dor tivesse continuado mais alguns minutos, acho que teria morrido. No meio disso, ouvi uma voz que dizia: ‘Foi assim que sofri’. Um perfume intenso me cercou e encheu meu dormitório. Senti meu coração transbordar de amor a Deus. Eu senti uma sensação estranha: ter essa dor insuportável tirada de mim parecia ainda mais difícil do que a suportar. O corpo queria rejeitá-la, mas a alma, inexplicavelmente, desejava-a. Foi algo extremamente doloroso e doce ao mesmo tempo. Finalmente eu entendi!”

Milagre

Em 2002, a mãe do sacerdote ortodoxo Victor Tudor, Lucrecia, foi diagnosticada com um câncer no pulmão já em metástase e sentenciada a poucos meses de vida. O irmão do padre Victor, Mariano, pintor especializado em iconografia, morava em Roma e conseguiu que a mãe fosse atendida por um médico italiano, que, no entanto, também afirmou que só poderia intervir com remédios para aliviar as dores. Lucrecia passou um tempo com Mariano em Roma para fazer mais exames e o acompanhava em seu trabalho na igreja católica em que o filho produzia um mosaico. Enquanto o rapaz trabalhava, Lucrecia contemplava a igreja e as imagens.

Foi quando uma imagem situada num canto da igreja lhe chamou especialmente a atenção. Era a do Padre Pio.

Mariano contou brevemente à mãe a história do santo de Pietrelcina e, nos dias seguintes, percebeu que ela passava boa parte do tempo sentada em frente à sua imagem. Ela conversava com a escultura como se falasse com uma pessoa.

Duas semanas depois, mãe e filho voltaram ao hospital para um novo exame e para uma enorme surpresa: o câncer, que era terminal, tinha simplesmente desaparecido.

A ortodoxa Lucrecia tinha pedido a intercessão do Padre Pio e ele havia respondido.

A cura milagrosa da minha mãe, realizada pelo Padre Pio em favor de uma mulher ortodoxa, me chamou a atenção”, testemunha o padre Victor, que até então não conhecia a vida do Padre Pio e, desse fato em diante, passou a admirá-lo imensamente. Ele contou sobre o milagre aos seus paroquianos. “Todos conheciam a minha mãe, sabiam que ela tinha ido à Itália para tentar uma operação e que voltou para casa curada, sem que nenhum médico a tivesse operado”.

O milagre estava transformando não só a vida da família Tudor, mas a de toda a comunidade ortodoxa da paróquia, que começou a conhecer e a amar o Padre Pio cada vez mais. “Líamos tudo o que encontrávamos sobre ele. A santidade dele nos conquistava”.

Outros enfermos da paróquia também receberam graças extraordinárias por intercessão do Padre Pio. Os quase 350 paroquianos, juntamente com seu pároco ortodoxo, decidiram então se tornar católicos. Hoje eles pertencem ao rito greco-católico da Romênia e, embora suas vidas tenham sido transformadas, ainda precisam enfrentar grandes provas de fé.

Conselhos

Durante o verão de 1918, a Itália foi duramente atingida pela pandemia da gripe espanhola. A situação forçou o fechamento de escolas e do comércio. Era uma época assustadora, pois todos pareciam estar com o vírus mortal.

Diante do desespero, muitos procuravam os conselhos do Padre Pio. De fato, na biografia Padre Pio: The True Story (“Padre Pio: A Verdadeira História”), edição de Our Sunday Visitor, está a resposta do santo místico diante dos questionamentos sobre a pandemia. Este foi o conselho que ele deu a uma de suas filhas espirituais:

“Em setembro, todos em San Giovanni Rotondo pareciam estar doentes, as escolas foram fechadas e o pouco comércio que havia na cidade foi interrompido. Nos dois meses seguintes, duzentas pessoas de uma população de dez mil pereceriam. As filhas espirituais de Padre Pio aproximaram-se dele aterrorizadas, implorando que ele as salvasse. ‘Não tema’, aconselhou ele a Nina Campanile. ‘Coloque-se sob a proteção da Virgem, não peque, e a doença não a vencerá’. Embora algumas das ‘filhas’ tenham adoecido, nenhuma morreu.”

Portanto, independentemente do que aconteça em nossas vidas, Padre Pio nos lembra que devemos confiar no Senhor, não temer e nos colocar sob a proteção da Virgem Maria. Vamos fazer isso nestes dias da pandemia do coronavírus?

Tags:
MilagrePadre PioSantos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
VENEZUELA
Ramón Antonio Pérez
Quando a vida surge do abuso atroz a uma jovem deficiente
2
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
3
COMMUNION
Philip Kosloski
Oração ao seu anjo da guarda antes de receber a comunhão
4
Carlo Acutis
Gelsomino Del Guercio
“Ele fechou os olhos sorrindo”: foi assim que Carlo Acutis morreu
5
Reportagem local
A bela lição que este menino deu a todos ao se aproximar do Papa
6
São José
Francisco Vêneto
Padre irmão de piloto de avião partido em dois: “São José tem mui...
7
Aleteia Brasil
O segredo da cidade bósnia onde jamais houve um divórcio
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia