Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 21 Outubro |
São Bertoldo de Parma 
Aleteia logo
home iconReligião
line break icon

ESPECIAL – Relatório da Liberdade Religiosa 2021: desde 2018, violações só aumentaram

Hans Lucas via AFP

Francisco Vêneto - publicado em 20/04/21

Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre divulga Relatório da Liberdade Religiosa no Mundo 2021: o panorama é preocupante

Relatório da Liberdade Religiosa 2021: desde 2018, as violações só aumentaram, conforme se constata no documento apresentado neste dia 20 de abril pela Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre (AIS ou ACN, pela sigla em inglês adotada internacionalmente).

A fundação, vale recordar, apoia mais de 5 mil projetos pastorais por ano em mais de 145 países, com destaque para a defesa da liberdade religiosa, de culto e de consciência.

A vasta pesquisa sobre a situação desse direito fundamental em todo o planeta documenta e comprova o preocupante aumento das violações que já vinham sendo notadas desde 2018, quando a edição anterior da pesquisa havia sido publicada.

Relatório da Liberdade Religiosa 2021

O relatório está em sua 15ª edição e analisa 196 países, dos quais 62 apresentam “violações muito graves à liberdade religiosa”. O texto enfatiza que essas nações representam quase um terço dos países do mundo, mas são o lar de dois terços da população mundial. De fato, mais de 5 bilhões de pessoas vivem nestes países, que incluem nada menos que 5 dos 8 países mais populosos do planeta: China, Índia, Paquistão, Bangladesh e Nigéria.

O documento não se furta a declarar que a perseguição religiosa se configura não só nos covardes atentados perpetrados por bandos fanáticos como o Estado Islâmico e o Boko Haram, mas também nos “ataques sistemáticos e flagrantes” de governos, como se verifica no caso da China e da Coreia do Norte.

Aliás, o corajoso relatório da fundação pontifícia denuncia o “fenômeno global crescente” da perseguição com base nas crenças religiosas e cita explícitos exemplos:

“Entre os conflitos violentos, na Síria, Iêmen, Nigéria, República Centro-Africana, Moçambique, para mencionar apenas alguns, estão aqueles que, manipulando as mais profundas convicções da humanidade, instrumentalizaram a religião na busca do poder”.

África e Ásia, os dois continentes que mais sofrem

Situação na África

Um dos focos de maior preocupação é o aumento do jihadismo na África, com negativo destaque para Moçambique. Nesse país de língua portuguesa, o grupo terrorista Ansar al-Sunnah Wa Jama, aliado do igualmente fanático Estado Islâmico, invadiu a província de Cabo Delgado e tomou o controle do porto de Mocímboa da Praia, altamente estratégico no processamento das imensas reservas de gás natural da costa norte do país.

Além de Moçambique, bandos jihadistas vêm expandindo e consolidando de tal forma a sua presença na África Subsariana que a região é descrita como “um paraíso para mais de duas dezenas de grupos ativos e cada vez mais cooperantes em 14 países, incluindo filiados do Estado Islâmico e da Al-Qaeda”.

Um dos cenários mais dramáticos é verificado na Nigéria, que, há anos, sofre os ataques do bando Boko Haram, já descrito como mais sanguinário que o próprio Estado Islâmico. Além dos assassinatos massivos, o país enfrenta uma onda aparentemente sem fim de sequestros que miram preferencialmente alvos católicos, incluindo de freiras a bispos, passando por seminaristas e padres.

Situação na Ásia

Por outro lado, o cenário na Ásia é de perseguição promovida principalmente pelas ditaduras de matriz marxista. O relatório da AIS é contundente:

“Na China e na Coreia do Norte, que são os piores infratores na categoria vermelha, a liberdade religiosa é inexistente, tal como a maioria dos direitos humanos”.

O nacionalismo étnico-religioso também é apontado como um dos promotores de perseguição religiosa na Ásia. Investigações ainda em curso chegam a denunciar um provável genocídio na China e em Mianmar, a antiga Birmânia. Nesses dois países, 30,4 milhões de muçulmanos das etnias uigur e rohingya sofrem “perseguição severa”, enquanto a comunidade internacional se mostra extremamente lenta em aplicar o direito internacional para impedir a continuidade do massacre.

O mapa da perseguição

Mapa da Liberdade Religiosa 2021 Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre (ACN Portugal)

Os países em vermelho

A AIS apresenta um “mapa da liberdade religiosa no mundo” em que 26 países aparecem em vermelho. Eles estão no pior nível de perseguição religiosa e abrangem uma população total de 3,9 bilhões de pessoas. São eles:

  • Na Ásia: Afeganistão, Bangladesh, China, Índia, Irã, Coreia do Norte, Malásia, Maldivas, Mianmar, Paquistão, Arábia Saudita, Sri Lanka, Turcomenistão e Iêmen.
  • Na África: Burkina Faso, Camarões, Chade, Comores, República Democrática do Congo, Eritreia, Líbia, Mali, Moçambique, Níger, Nigéria e Somália.

Os países em laranja

Neste grupo estão os 36 países nos quais ocorre “discriminação”, um nível grave de violação à liberdade religiosa, mas não tanto quanto o nível da “perseguição” sistemática. Nos países em laranja vive 1,24 bilhão de pessoas. São eles:

  • Na Ásia: Azerbaijão, Bahrein, Brunei, Indonésia, Iraque, Jordânia, Cazaquistão, Kuwait, Quirguistão, Laos, Nepal, Omã, Palestina, Qatar, Singapura, Síria, Tajiquistão, Tailândia, Turquia, Emirados Árabes Unidos, Uzbequistão e Vietnã.
  • Na África: Argélia, Djibuti, Egito, Etiópia, Madagascar, Mauritânia, Maurício, Marrocos, Sudão, Tanzânia e Tunísia.
  • Na América: Cuba, Nicarágua e Venezuela.

Os países em observação

Esta classificação se aplica aos países em que foram observados fatores emergentes de preocupação, com potencial de deterioração na liberdade religiosa. São eles:

  • Na Ásia: Butão, Camboja, Filipinas, Israel e Líbano.
  • Na África: África do Sul, Costa do Marfim, Gâmbia, Guiné Conacri, Libéria, Quênia, República Centro-Africana, Ruanda, Sudão do Sul, Togo e Uganda.
  • Na América: Chile, Guatemala, Haiti, Honduras e México.
  • Na Europa: Bielorrússia, Rússia e Ucrânia.

Pontos de atenção destacados no relatório

O documento da AIS enfatiza ainda os seguintes pontos de atenção:

  • Cresce o risco de “califados” transcontinentais e aumenta a expansão global do “cibercalifado”, ativismo fundamentalista em ambientes digitais a fim de recrutar e radicalizar principalmente jovens do Ocidente;
  • Minorias religiosas têm sido acusadas de “causar a pandemia” em países como China, Níger, Turquia, Egito e Paquistão, o que acarreta aumento da discriminação contra elas;
  • Governos autoritários e grupos fundamentalistas têm intensificado a perseguição religiosa em número crescente de países, com particular recrudescimento de crimes contra mulheres: elas são raptadas, estupradas e submetidas a casamentos e conversões religiosas forçadas, majoritariamente em países islâmicos, mas também há casos de forte pressão religiosa e violação da liberdade em casamentos forçados relatados em regiões predominantemente hinduístas;
  • Dissemina-se o emprego de tecnologias de “vigilância repressiva” contra grupos religiosos, notadamente na China;
  • O mundo ocidental tem “menosprezado as ferramentas que reduzem a radicalização”, inclusive mediante a eliminação da educação religiosa, que poderia melhorar a “compreensão inter-religiosa entre os jovens”;
  • Há também uma “perseguição educada”, que, baseando-se em narrativas ideológicas laicistas, relega sistematicamente a religião à “obscuridade silenciosa da consciência do indivíduo”, limitando e até punindo as livres manifestações públicas de fé;
  • A pandemia de covid-19 tem exercido “profundas implicações nos direitos humanos, incluindo a liberdade religiosa”, porque muitos países “têm utilizado a insegurança para aumentar o controle sobre seus cidadãos”. Em paralelo, grupos não estatais “têm aproveitado a confusão para recrutar, expandir e provocar crises humanitárias mais vastas”.

Como acessar o Relatório da Liberdade Religiosa 2021

Você pode consultar o documento completo AQUI. O link será aberto no site da ACN International, na versão em português.

Tags:
Ideologialiberdade religiosaPerseguiçãoReligião
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
VENEZUELA
Ramón Antonio Pérez
Quando a vida surge do abuso atroz a uma jovem deficiente
2
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
3
COMMUNION
Philip Kosloski
Oração ao seu anjo da guarda antes de receber a comunhão
4
Carlo Acutis
Gelsomino Del Guercio
“Ele fechou os olhos sorrindo”: foi assim que Carlo Acutis morreu
5
Reportagem local
A bela lição que este menino deu a todos ao se aproximar do Papa
6
São José
Francisco Vêneto
Padre irmão de piloto de avião partido em dois: “São José tem mui...
7
Aleteia Brasil
O segredo da cidade bósnia onde jamais houve um divórcio
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia