Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 01 Agosto |
home iconEm foco
line break icon

A América está se descristianizando?

église chicago.

© Conchi Martinez - Shutterstock

Catedral de Chicago, nos EUA

Jean Duchesne - publicado em 04/05/21

Os Estados Unidos estão divididos e secularizados a ponto de se parecerem com a Europa. É uma prova de fé, mas suas sementes criaram raízes e continuarão a dar frutos

Poor muito tempo, parecia que a América havia adotado, adaptado e desenvolvido a cultura e a civilização nascidas na Europa. Assim, o universalismo concebido e exportado pelo “velho continente” agora tinha seu modelo no “novo mundo”. Esta é, sem dúvida, a grande mudança do século 21.  

A colonização da América ocorreu partir do século 16 por imigrantes europeus. Uma nação-estado se destacou: os Estados Unidos, que atraíram pessoas de todo o mundo, principalmente a partir da mesma Europa , sob o domínio étnico, linguístico e religioso dos primeiros a chegar em número, da Inglaterra. Eles obtêm a sua independência no final do século 18.

Ao longo do século 19, apesar de uma guerra civil e não sem injustiça, esta federação construiu seu poder econômico e militar, mas ainda assim, ao nível cultural, era uma colônia. 

No entanto, a subordinação se inverte no século 19. Os Estados Unidos participaram, não sem relutância, da Primeira Guerra Mundial e saíram triunfantes da Segunda. 

Uma nação que divide

O modo de vida do outro lado do Atlântico, simbolizado pelo automóvel, Hollywood e Coca-Cola ou, mais abstratamente, pelo consumo de massa e pelo avanço tecnológico, já havia seduzido a Europa Ocidental, que dependia dela para resistir às ambições. Os europeus orientais estão agora livres para tentar imitar esta terra de fartura que faz o mundo inteiro sonhar. Mas esta liderança é motivo de contestação. Não só de fora, pela China, pelo impulso do Islã, pela Rússia que não se resigna a ser nada mais do que uma potência de segunda categoria, etc. Mas também e sobretudo de dentro: reconhece-se que o consumismo é responsável pelos desastres ecológicos, além de se considerarem as desigualdades como estruturais. Enfim, é uma nação dividida.

É como uma “re-europeização”. Os Estados Unidos eram um pouco como a Europa: sem guerras e com apenas uma língua, onde todos, mantendo sua identidade original, se integram compartilhando valores comuns. Hoje, as tensões são muitas: o racismo é suspeito de ser institucional; o aborto, a normalização das pessoas LGBT e a posse gratuita de armas de fogo são objeto de controvérsia. Os brancos em breve não serão mais a maioria; o inglês está competindo com o espanhol; os dois principais partidos se opõem doutrinariamente de uma forma muito mais frontal e radical do que no passado. Além disso, alguns querem reescrever páginas inteiras da história ou fazer do homem branco seu bode expiatório, despertando reações partidárias não menos obtusas…

Secularização como na Europa

Assim, a divisão europeia agora acontece nos Estados Unidos. É claro que os democratas não são mais “esquerdistas” ou os republicanos são “direitistas”: nenhuma questão de socialismo por um lado, e por outro lado nenhum tradicionalismo retrógrado que justifique o autoritarismo. Mas a secularização é talvez o sinal de uma evolução cultural no sentido seguido pelo “cristianismo tardio”. Até então, o país havia resistido em grande parte, e essa era, sem dúvida, sua força. Agora, pelo que as estatísticas podem ser confiáveis, se quatro em cada cinco americanos acreditavam em Deus há vinte anos, agora existem apenas dois em cada três. E os especialistas prevêem, por meio de pesquisas com jovens, que a erosão continuará.

Todas as grandes igrejas cristãs perderam significativamente o número de membros, incluindo os evangélicos que estão em expansão. Assuntos atuais (pedofilia, racismo) causaram recentemente divisões entre os batistas (a denominação protestante mais importante). Os católicos lançaram uma campanha para os fiéis revoltados com os escândalos de abuso sexual. Este esforço não foi em vão, mas revela a consciência de um problema real. O que é mais sério é provavelmente a proporção de observadores que consideram o Papa muito “liberal” em questões de costumes e muito “Terceiro Mundo”. Os teólogos também se dividem entre neotomistas blindados em suas certezas e “modernos” que juram pelas ciências humanas.

Crise religiosa e espiritual

Tudo isso sugere que a crise não é apenas sociológica, nem técnico-econômica, nem geopolítica, nem mesmo moral, mas religiosa e espiritual. Compreendamos assim que se enfraquece a fé que inspirou – ainda que reduzida em alguns casos ao deísmo – os “Padres” da nação. É por um lado explorado e confundido nas polêmicas públicas: o Sr. Trump, que sem dúvida não é um modelo de piedade, posado como um defensor dos crentes, e o catolicismo exibido pelo Sr. Biden, que aprova o aborto e o casamento gay, é muito mais suspeito dentro da Igreja do que fora. Por outro lado, a referência a uma transcendência que assegurava pelo menos implicitamente a unidade nacional é apagada por fixações em “causas” particulares, tanto defensivas quanto acusatórias: feminismo, direitos das minorias de todos os tipos, proteção das liberdades. Individual …

Os movimentos “progressistas” (antifa, woke, cancel) promovem uma intolerância não religiosa ao moralismo feroz, o que dá origem a tramas simétricas ( QAnon , alt-right ). Na intelligentsia e em muitos campi – em uma espécie de “traição aos clérigos” – religiosidades remendadas estão se desenvolvendo: “meditação da atenção plena” (um budismo ocidentalizado) ou o culto de Gaia (a deusa da Terra) que apimenta o ecologismo de um misticismo de cientista. 

Em suma, temos mal-entendidos mútuos e campos entrincheirados nos quais nos preparamos para conflitos impiedosos que se assemelham àqueles que levaram tantos europeus a buscar uma vida melhor na América.

Tags:
CristianismoReligião
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
SIMONE BILES
Cerith Gardiner
Simone Biles deixa as Olimpíadas com uma lição importante para to...
2
Batizado de Davi Henrique, 6 anos
Reportagem local
Davi, de 6 anos, reclama do padre no batizado: “Tá sabendo ...
3
Ítalo Ferreira
Reportagem local
Ouro no surfe em Tóquio, Ítalo Ferreira rezou todos os dias às 3h...
4
HIDILYN DIAZ
Cerith Gardiner
Olimpíadas: depois de ganhar o ouro, atleta exibe outra medalha e...
5
David Arias
Reportagem local
Ex-satanista mexicano retorna à Igreja e testemunha: “O ter...
6
Claudio de Castro
Como salvar nossas almas nos últimos minutos antes da morte
7
Pessoa idosa rezando o terço
Reportagem local
Brasil: carta de despedida de bisavó de 96 anos comove as redes s...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia