Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 23 Outubro |
São João de Siracusa
Aleteia logo
home iconEstilo de vida
line break icon

Afinal, por que é tão difícil tomar certas decisões?

TRUDNA SYTUACJA

fizkes | Shutterstock

Michael Rennier - publicado em 28/06/21

Você já ouviu falar em "fadiga de decisão"? Isso é real. Mas se mantivermos nossas escolhas gerenciáveis, teremos maior liberdade para agir e viver sem arrependimentos

Todas as manhãs, damos duas opções à nossa filha pequena: você quer usar este vestido de bailarina chique ou aquele vestido de bailarina chique? Ela felizmente faz a escolha dela e, então, descemos as escadas, onde ela recebe outro conjunto de opções – você quer aveia ou iogurte? Novamente, ela felizmente faz sua escolha. Descobrimos que oferecer a ela uma gama limitada de opções a fortalece, mas também define suas opções de uma forma que funciona para todos nós.

Quando me imagino dar a ela infinitas opções de café da manhã, lembro que essa é a mesma garota que encontrei tomando sorvete direto no pote às 5h30. Há um equilíbrio delicado em orientar as crianças a fazer boas escolhas e, ao mesmo tempo, permitir que elas tenham liberdade para fazer essas escolhas.

Quando eu era criança, minha imaginação não conhecia limites. Eu jogava basquete contra personagens de desenhos animados, tendo Michael Jordan como meu companheiro de equipe. Ficava à deriva em um guarda-chuva como Mary Poppins. Eu tinha planos arquitetônicos para construir um ecossistema de ilha artificial independente e mover toda a humanidade para lá. Pintava a grande obra-prima americana. Escrevia o grande romance americano. Uma criança deve sonhar grande. Podemos até argumentar que uma das tarefas vitais da infância é imaginar o futuro em visões grandiosas, pensar em como o mundo pode ser diferente e melhor. O idealismo é a beleza da infância. Nenhum horizonte está muito longe, nenhuma montanha muito alta.

Adultos e suas decisões

Esses sonhos de infância são preciosos – e ai do pai que os esmaga desnecessariamente! Claro que não podemos permanecer crianças para sempre, porém, e em algum momento teremos que parar de sonhar sem parar e pagar as contas. Se tivermos muita sorte, talvez alguns de nossos sonhos se tornem realidade, mas não podemos ter todos eles. Sei que parece muito severo e cínico e muito adulto para dizer, mas se não restringirmos nossas opções, elas nos paralisam . Se eu não oferecesse a minha filha duas opções específicas e concretas sobre o que vestir, ela ficaria horas lutando contra a indecisão.

A fadiga da decisão

Existe um fenômeno chamado “fadiga da decisão” que nos acompanha até a idade adulta. Todos os dias somos apresentados a uma variedade estonteante de escolhas – o que vestir, o que comer, que e-mails responder, quais projetos enfrentar, quais programas de televisão assistir… É opressor. E é por isso que muitos de nós nos sentimos desmotivados e esgotados. Todos os dias, colocamos uma tremenda energia em fazer escolha após escolha, e então podemos nos perguntar se a outra escolha poderia ter sido melhor e não há um fim à vista.

O cansaço da decisão pode ser tão exaustivo que o autor Barry Schwartz diz, em sua palestra no TED, que as pessoas regularmente deixam passar dinheiro de graça . Quando se trata de fundos de aposentadoria, ele diz: “Para cada 10 fundos mútuos que o empregador ofereceu, a taxa de participação caiu 2%. Você oferece 50 fundos – 10% menos funcionários participam do que se você oferecesse apenas cinco. Por quê? Porque com 50 fundos para escolher, é tão difícil decidir qual fundo escolher, que você simplesmente adia para amanhã…”

Como lidar

Os psicólogos oferecem dicas de como lidar com isso – faça uma pausa contemplativa, crie uma rotina previsível e estabeleça prazos para manter o foco. Essas lições são definitivamente úteis, especialmente porque vivemos em um mundo no qual a necessidade de tomar decisões constantes não vai desaparecer tão cedo.

No entanto, quero dar uma olhada um pouco diferente no problema. Me parece que precisamos fazer melhor do que um cenário em que apenas administramos o estresse. Há uma razão mais profunda para estarmos envolvidos em uma luta social em grande escala contra a fadiga da decisão: não conseguimos crescer totalmente.

Ainda achamos que podemos ter tudo e temos medo de tirar qualquer opção da mesa. Quero beber aquele café de 1.000 calorias e ainda parecer um atleta profissional. Quero ficar acordado a noite toda, mas nunca me sentir cansado. Eu quero uma grande família amorosa, mas ainda quero minha liberdade. Desejo uma vida espiritual forte, mas também quero assistir ao jogo de futebol nas manhãs de domingo. Quero um casamento feliz, mas não quero dividir meu espaço. Eu quero ir para o céu, mas não quero morrer. Essencialmente, estamos convencidos de que podemos ter todas as opções, o tempo todo e, como consequência, ficamos paralisados ​​pela fadiga da decisão.

 Em outras palavras, estreitar nossas opções é um processo que parece deixar pedaços de nós mesmos para trás. É por isso que lutamos contra isso. Ao mesmo tempo, se continuarmos lutando contra isso, perderemos algo precioso – a capacidade de fazer uma escolha intencional e se comprometer.

Decisões e fontes de felicidade

Penso em minha vida e nas maiores fontes de felicidade dentro dela – meu casamento, meus filhos e minha vocação sacerdotal. Cada uma exigiu um forte compromisso. O casamento é a promessa de ser fiel a uma pessoa pelo resto da vida. Isso é um estreitamento drástico de opções. As crianças removeram toda uma gama de opções para mim, como longos jantares com amigos, noites de cinema espontâneas e viagens frequentes. Tornar-me sacerdote colocou-me em uma paróquia com a obrigação de celebrar missa todos os dias. Desisti de inúmeras opções e escolhi um caminho específico e estreito, mas como resultado recebi muito mais do que jamais dei.

Quando se trata de fazer escolhas, não se trata do que estamos dando, a que estamos nos limitando ou em que existência paralela podemos estar vivendo. A meu ver, é um privilégio e uma bênção poder assumir um compromisso. É a chance de experimentar a morte do “velho eu”, deixando para trás a imaturidade da juventude para que possamos ser livres para experimentar um aprofundamento de nossa identidade por meio da fidelidade.

Você pode usar este vestido de balé ou aquele vestido de balé. De qualquer maneira, você pode dançar.

Thumbnail for read also
Leia também:As duas escolhas
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
VENEZUELA
Ramón Antonio Pérez
Quando a vida surge do abuso atroz a uma jovem deficiente
2
Casal brasileiro com 8 filhos espera gêmeos
Francisco Vêneto
Jovem casal brasileiro com 8 filhos espera gêmeos: “cada um vale ...
3
Reportagem local
A bela lição que este menino deu a todos ao se aproximar do Papa
4
Carlo Acutis
Gelsomino Del Guercio
“Ele fechou os olhos sorrindo”: foi assim que Carlo Acutis morreu
5
São José
Francisco Vêneto
Padre irmão de piloto de avião partido em dois: “São José tem mui...
6
Papa Emérito Bento XVI
Francisco Vêneto
Bento XVI: “Espero me unir logo” aos amigos que já estão na etern...
7
JESUS
O São Paulo
Que os mortos enterrem seus mortos: o que Jesus quis dizer com is...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia