Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 19 Setembro |
Santos Mártires coreanos (AndréKim Taegon, Paulo Chong Hasang e 101 companheiros)
home iconReligião
line break icon

A natureza do homem e sua busca pelo melhor

A3pfamily | Shutterstock

Vitor Roberto Pugliesi Marques - publicado em 15/08/21

Caso o homem siga na direção de Deus, que é a direção correta, encontrará a plena resposta à sua sede de perfeição e eternidade

Está na natureza do ser racional, ou seja, do homem, desejar o que lhe parece melhor. Essa premissa é facilmente percebida no nosso cotidiano. 

Vejamos, por exemplo, um homem rico. Não se verifica que, a despeito de habitar no maior dos palácios, ele sempre busca mais riquezas e novos bens? De modo semelhante, não são inúmeros os professores universitários que, apesar dos seus vários títulos acadêmicos, buscam novas honrarias? Não importa o que tenhamos, o desejo de ter mais percorre o nosso coração. O que mais almejamos é aquilo que nos falta!

Coração sempre faminto

Vai nos ensinar, todavia, São Bernardo de Claraval, ilustre monge cisterciense, que “o nosso coração, cedendo aos vários e enganosos encantos mundanos, fadiga-se inutilmente, em sua corrida e nunca chega a se satisfazer; está sempre faminto, e o que já consumiu não vale para nada em comparação com o que ainda resta para comer; é muito mais atormentado pelo desejo daquilo que lhe falta do que pela satisfação do que tem” (cf. São Bernardo de Claraval. Tratado sobre o Amor de Deus. São Paulo: Paulus, 2015, p. 46-47). E acrescenta ainda um adendo estarrecedor como conclusão desse entendimento: “não se pode ter tudo, e o pouco que se tem só se adquire ao preço do trabalho, só se desfruta disso com temor, e existe a dolorosa certeza de perdê-lo um dia, ainda que se ignore quando será esse dia” (idem, p. 47).

O exímio monge não parece concluir nada de diferente do que é encontrado nas Sagradas Escrituras. Refletindo sobre o trabalho, o livro de Eclesiastes vai abrir suas páginas dizendo: “Vaidade das vaidades! Tudo é vaidade. Que proveito tira o homem de todo o trabalho com que se afadiga debaixo do sol? Uma geração passa, outra vem; mas a terra sempre subsiste. O sol se levanta, o sol se põe; apressa-se a voltar a seu lugar; em seguida se levanta de novo” (Ecl 1,2-5). Ou seja, o homem trabalha neste mundo incansavelmente, movido pelo desejo intrínseco de ter sempre o melhor, entretanto, ao final, não alcança a perfeição que tanto almeja, aproveita com temor o pouco que tem, e com a sua morte a órbita do mundo e a existência das coisas não sofre qualquer modificação. Que triste o destino humano! 

Direção de Deus

Ao que tudo indicaria, Deus deixou no homem um “defeito de fábrica”, ou seja, deixou nele um desejo imenso pelo perfeito e pelo perpétuo, sendo que este não é alcançável. Ou, pode-se pensar, por outro lado, que Deus deixou o homem “de mãos abanando”, pois lhe deu o desejo do infinito, mas não lhe disponibilizou os meios para alcançar esse anseio. Entendendo que Deus é perfeito, nenhum nem outro raciocínio é correto, obviamente. E São Bernardo nos explica onde está o erro: está no procurar em várias direções e não na direção correta! Vai nos ensinar que: “consomem-se em esforços vãos e não chegam a uma consumação feliz, porque estão mais apaixonados pelas criaturas do que pelo Criador e, dirigindo-se a todas elas, experimentam-nas uma após outra, antes de pensar em experimentar o Senhor que as criou todas” (idem, p. 48). Caso o homem siga na direção de Deus, que é a direção correta, encontrará a plena resposta à sua sede de perfeição e eternidade.

A sentença final de São Bernardo sobre a questão é ainda mais luminosa. Dirá que “lá tendo chegado [em Deus] apreciariam por fim o repouso, porque não se pode encontrá-lo alhures, não se sente necessidade de ir além” (idem, p. 48). 

Tenhamos, assim, sempre em mente que só em Deus encontra-se a perfeição que almejamos e a resposta para todos os anseios do coração do homem. Deste modo, busquemos viver o que nos ensina São Mateus: “Não ajunteis para vós tesouros na terra, onde a ferrugem e as traças corroem, onde os ladrões furam e roubam. Ajunteis para vós tesouros no céu, onde não os consomem nem as traças nem a ferrugem, e os ladrões não furam nem roubam” (Mt 6,19-21). 

Tags:
Deusvida crista

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
BEATRIZ
Reportagem local
Mistério do sumiço de uma mulher em Aparecida já dura 9 anos
2
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
3
Orfa Astorga
Os erros mais comuns das sogras
4
Berthe and Marcel
Lauriane Vofo Kana
O segredo do casal que tem a união mais longa da França
5
Papa Francisco
Francisco Vêneto
Papa reafirma: casamento sacramental é só entre homem e mulher
6
Aleteia Brasil
O dia em que os cães farejadores detectaram Alguém vivo no Sacrár...
7
Papa Francisco pede homilias mais curtas
Francisco Vêneto
Papa Francisco pede aos padres: façam homilias mais curtas
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia