Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 19 Setembro |
Santos Mártires coreanos (AndréKim Taegon, Paulo Chong Hasang e 101 companheiros)
home iconAtualidade
line break icon

A suposta “tolerância” do Talibã durou menos de 24 horas

Afeganistão

Hoshang Hashimi / AFP

Francisco Vêneto - publicado em 18/08/21

Pelo menos 3 pessoas foram mortas e 12 ficaram feridas porque apenas protestaram contra a retirada da bandeira nacional

A suposta “tolerância” do Talibã durou menos de 24 horas.

Em inesperada entrevista coletiva concedida nesta terça-feira, 17, um porta-voz do grupo fundamentalista islâmico, Zabihullah Mujahid, havia afirmado que o novo regime respeitaria os direitos humanos, inclusive o das mulheres de estudar e trabalhar, e que não haveria violência nem vingança contra opositores, buscando-se garantir a reconciliação nacional. “Não queremos que o Afeganistão seja um campo de batalha”, chegou a dizer o porta-voz.

O palavreado, porém, não resistiu à primeira manifestação crítica aos talibãs.

Na cidade de Jalalabad, um grupo de manifestantes protestou porque o Talibã retirou a bandeira nacional do Afeganistão de um monumento local e a trocou pela sua própria. Boa parte dos moradores não gostou da mudança e foi às ruas para pedir que a bandeira do país fosse respeitada.

No lugar do discurso de “moderação” que os talibãs haviam encenado na véspera, os membros do grupo extremista presentes em Jalalabad espancaram manifestantes e deram tiros contra a multidão. Pelo menos 3 pessoas foram mortas e 12 ficaram feridas – números que, em meio ao caos que se vive no país, são muito pouco confiáveis.

O jornal The New York Times informou que o protesto havia reunido centenas de manifestantes na principal rua comercial da cidade, munidos da bandeira do Afeganistão.

Os talibãs começaram atirando para o alto na tentativa de dispersar a multidão, mas os manifestantes se mostraram firmes em continuar o protesto. Foi quando a repressão se tornou violenta, colocando em xeque a narrativa dos líderes extremistas de que, desta vez, o regime respeitaria o próprio povo.

Foram registrados protestos também na cidade de Khost, no sul do Afeganistão.

Tags:
IdeologiaMuçulmanosPolíticaReligiãoTerrorismo

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
BEATRIZ
Reportagem local
Mistério do sumiço de uma mulher em Aparecida já dura 9 anos
2
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
3
Orfa Astorga
Os erros mais comuns das sogras
4
Berthe and Marcel
Lauriane Vofo Kana
O segredo do casal que tem a união mais longa da França
5
Papa Francisco
Francisco Vêneto
Papa reafirma: casamento sacramental é só entre homem e mulher
6
Aleteia Brasil
O dia em que os cães farejadores detectaram Alguém vivo no Sacrár...
7
Papa Francisco pede homilias mais curtas
Francisco Vêneto
Papa Francisco pede aos padres: façam homilias mais curtas
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia