Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 16 Outubro |
Santa Margarida Maria Alacoque
Aleteia logo
home iconAtualidade
line break icon

A arte de dialogar

TALKING

Shutterstock | fizkes

Arquidiocese de São Paulo - publicado em 26/09/21 - atualizado em 28/09/21

Qual é a solução que nos propõe nossa racionalidade e nossa fé católica? 

Não é preciso ser um observador muito perspicaz para perceber que as interações sociais de nossos contemporâneos estão ficando cada vez mais tensas: as pessoas assumem para si certos pertencimentos culturais, políticos ou ideológicos como sua própria identidade – e passam a ver a mera expressão de uma opinião divergente sobre esses assuntos como uma odiosa agressão. Quando estamos entre pessoas que pensam diferente, recaímos frequentemente no dilema de arriscar a irrupção de um conflito, ou preferir a falsa “paz” de votar certos assuntos ao interdito.

O que pouca gente enxerga, no entanto, são as premissas mais profundas, que deram origem a este cenário. De fato, esta perda da capacidade de discussão racional é consequência do chamado voluntarismo filosófico, segundo o qual “as coisas são verdadeiras porque eu quero que elas sejam verdadeiras”. Esta “dominação do intelecto pela vontade” acaba por tornar praticamente impossível um verdadeiro debate sobre qualquer assunto importante: “Se a realidade muda e oscila conforme a vontade dos indivíduos, então nunca conseguiremos controlá-la juntos; nunca poderemos habitar num mesmo espaço intelectual por tempo suficiente para ter uma conversa. (…) Quando a vontade de cada pessoa é absoluta, a possibilidade de uma conversa construtiva a partir de um fundamento comum desaparece, e tudo o que resta é um choque de liberdades” (Robert Barron, Discutindo Religião – Um Bispo se Apresenta no Facebook e no Google).

No mesmo sentido já se havia pronunciado o Papa São João Paulo II, ao falar de uma “crise da verdade” em nossos tempos. É que, se por um lado a cultura moderna havia logrado a grande conquista de valorizar mais a dignidade de cada pessoa, este movimento veio acompanhado, por outro lado, de ideologias que “se afastam da verdade do homem”, ao “exaltar a liberdade até ao ponto de se tornar um absoluto, que seria a fonte dos valores” e a “instância suprema do juízo moral”. Em outras palavras, os homens de nosso tempo perderam “a ideia de uma verdade universal sobre o bem, cognoscível pela razão humana”, e passaram a definir a verdade com “um critério de sinceridade, de autenticidade”, desembocando numa “ética individualista, na qual cada um se vê confrontado com a sua verdade, diferente da verdade dos outros”. E se não já não há nenhuma verdade que valha para todos os seres humanos, tampouco há uma natureza humana que lhe sirva de fundamento (Veritatis splendor, 31).

Mas, mesmo que admitamos a existência de uma verdade das coisas, à qual nossa busca intelectual deve almejar, continua verdadeiro que as pessoas discordam em muitos pontos sobre qual seja esta verdade. Qual é, então, a solução que nos propõe nossa racionalidade e nossa fé católica? 

O caminho é retomarmos a arte do verdadeiro diálogo – não aquela aceitação indiscriminada de toda e qualquer ideia (o “diálogo-mito, de fundo hegeliano, que exclui a verdade absoluta”, e que busca a mera “sintetização de ideias contrapostas”). Antes, aquele “diálogo profundo (…), [que] faz-se no tête-à-tête sério e sereno, honesto e discreto”, e em clima de amizade (José Pedro Galvão de Sousa et. al., Dicionário de Política). Esta atitude dialogante é magistralmente exemplificada pelo Sócrates de Platão: em seus diálogos, busca sempre ouvir com atenção e humildade seus interlocutores. Como ele próprio diz no Górgias: “Sou daqueles homens que têm prazer em ser refutados, no caso de afirmarem alguma inverdade, e prazer também em refutar a um outro, se esse disser algo que seja inexato (…). Pessoalmente, considero preferível ser refutado, por ser mais vantajoso ver-se alguém livre do maior dos males do que livrar dele a um outro”. Busquemos, então, sempre a Verdade, e Ela nos libertará (cf. Jo 8,32).

(Editorial do Jornal O São Paulo)

Tags:
DiálogoDoutrina Social da IgrejaSociedade
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Milagre do Sol em Fátima
Reportagem local
13 de outubro: o dia em que o mundo presenciou o Milagre do Sol e...
2
MARRIAGE
Matrimonio cristiano
Beijar a aliança todos os dias: uma indulgência especial aos casa...
3
Restauração da imagem de Aparecida por Maria Helena Chartuni
A12
Arrebentada em 200 pedaços: a impactante experiência da restaurad...
4
Reportagem local
O grande crucifixo submerso que só pode ser visto quando o lago c...
5
Claudio de Castro
Uma alma do Purgatório te agradecerá por isto
6
PRIEST-EUCHARIST-ELEVATION-HOST
Philip Kosloski
O que devemos rezar quando o padre eleva a hóstia e o cálice?
7
MULHER REZANDO
O São Paulo
Rezar deitado: é certo ou errado?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia