Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 22 Maio |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Neve, a menina pré-histórica que foi enterrada com devoção e cuidado

shutterstock_490722229.jpg

Shutterstock

Annalisa Teggi - publicado em 24/01/22 - atualizado em 24/01/22

Encontrada em uma caverna da Ligúria, Neve viveu apenas 40 dias, mas foi cuidadosamente enterrada e adornada com conchas. Um testemunho precioso sobre o valor da vida já em tempos primitivos

Eles a chamaram de Neve. Ela viveu 10 mil anos atrás, por apenas 40 dias. Foi descoberta em uma caverna da Ligúria; trata-se do sepultamento mais antigo de um recém-nascido na Europa. E isso não é tudo. A maneira como a bebê foi enterrada deixou os estudiosos maravilhados, pois ela estava adornada por um conjunto de pingentes e conchas. Mais precisamente: mais de 60 contas em conchas furadas e quatro pingentes.

Alguém fez um grande esforço para enterrar essa menininha com todo cuidado.

Os primeiros vestígios desta descoberta datam de 2017, mas só nos dias de hoje os estudiosos documentaram plenamente o acontecimento único que é esta descoberta. Ela nos deixa não apenas um testemunho do cuidado com que o homem mesolítico já tratava os mortos, mas da importância dada aos recém-nascidos.

Stefano Benazzi, professor do Departamento de Patrimônio Cultural da Universidade de Bolonha explica:

Esta descoberta permite-nos investigar um rito funerário excepcional da primeira fase do Mesolítico, uma época em que se conhecem poucos sepultamentos, e testemunha como todos os membros da comunidade, mesmo as meninas recém-nascidas, eram reconhecidos como pessoas de pleno direito e aparentemente gozavam de igualdade de tratamento.

(Via Secolo XIX)
View this post on Instagram

A post shared by Pro Loco Erli (@prolocoerli)

Uma menina sepultada em uma caverna na Ligúria

Estamos localizados na Ligúria, na província de Savona. Arma Veirana é uma caverna há muito conhecida pelos habitantes do vale Neva (daí o nome dado à recém-nascida). Localiza-se longe da costa e é de difícil acesso, razão pela qual nunca foi alvo de investigações arqueológicas programadas. No entanto, uma equipe internacional liderada pela Itália explorou esta gruta com cerca de quarenta metros de profundidade e com um curioso topo de cabana, trazendo à luz esta incrível descoberta.

A crônica desse achado excepcional nos leva um passo além da arqueologia. Nossos ancestrais nos deixaram uma mensagem: mesmo a vida mais recente e frágil deve ser guardada com todo cuidado. O grande valor da menininha é testemunhado pela devoção e cuidado no sepultamento.

A menina – que os estudiosos apelidaram de ‘Neve’ – ​​viveu há cerca de 10.000 anos, durante a primeira fase do Mesolítico, período que provavelmente marcou grandes mudanças sociais nas populações humanas, ligadas às adaptações devido ao fim da última era do gelo.

(Secolo XIX)

Isso aconteceu há 10.000 anos. Após a era do gelo, o desenvolvimento da consciência e da sensibilidade humana deu um salto em profundidade. Os costumes funerários são uma indicação inequívoca daquilo que um povo pensa sobre o significado da vida, o mistério do ser. Ao se ver perante a morte da bebê, o grupo teve o maior cuidado em deixá-la bonita e adornada em seu túmulo em uma caverna.

As análises indicam que, no momento da morte, Neve tinha entre 40 e 50 dias, que sua mãe comia carne e que talvez por algum estresse fisiológico o crescimento dos dentes do feto tinha cessado um ou dois meses antes do parto.

Ela viveu por muito pouco tempo, provavelmente teve problemas já antes de vir à luz. No entanto, depois de 10 mil anos ainda está sob nossos olhos para nos dizer algo. Se nos fizermos pequenos, podemos olhar para a bebê Neve e ver a vida como um dom inestimável. A vida começa como algo pequeno e frágil. Cabe a nós protegê-la e cuidar dela.

Tags:
CriançasHistóriaMorte
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia