Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 16 Agosto |
Bem-aventurado Gabriel Maria de Benifayó
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Família, nosso segundo útero

shutterstock_1414416191.jpg

Shutterstock

Ricardo Sanches - publicado em 09/02/22

Entenda por que nascemos para viver em família e como preservar este nosso "local" de proteção e refúgio

Não é de hoje que filósofos, sociólogos, antropólogos e pensadores de diversas áreas concluíram que o homem é um ser social. Ou seja: o ser humano não consegue viver sozinho; precisa se relacionar com indivíduos da mesma espécie. Sendo a família a primeira instituição social com que temos contato, podemos inferir que o homem, portanto, também é um ser familiar. Isto é: nasceu para viver em família.

No livro “Amigos da Família”, Dom Orlando Brandes vai além. Ele explica que “da comunhão conjugal emana a comunhão familiar. Essa comunhão radica-se nos laços naturais da carne. O homem é um ser familiar pela ordenação da lei natural”.

Talvez para muitos seja um desafio entender a família, as mudanças e o conflito que delas têm origem. Mas a cada vicissitude da vida, é possível voltar a esta instituição que não tem nada de falida, apesar do que tentam pregar. Pelo contrário: a família sempre será local de proteção, refúgio, perdão, salvação… Um laboratório de vida e de amor que só poderia ter origem divina.

Família, nosso segundo útero

As palavras acima, usadas para caracterizar a família (proteção, refúgio, perdão, salvação e laboratório de vida e de amor) remetem também a outro substantivo: o útero. Sim, o órgão fundamental para gerar vida e preparar para ela.

Não é à toa que, no já referido livro, Dom Orlando Brandes afirma que a família é um “segundo útero”. Um termo muito apropriado, se levarmos em conta que é na família que nos preparamos para enfrentar a vida social com dignidade. “O parto biológico entrega o ser humano à vida e o ‘parto sociológico’ entrega à sociedade um ser humano maduro”, diz o livro.

A família, portanto, deve ser um “local” de aprendizado, convívio, comunicação, diálogo e compreensão. E precisamos lutar para que esse ambiente seja, de fato, assim. Como? O primeiro passo é deixar de lado aquela concepção de que a família feliz e ideal só existe em comercial de margarina.

Como preservar a família como local de proteção e refúgio

Sim, eu sei: a tarefa de viver em harmonia com a família pode ser um grande desafio. Mas não é algo impossível. O primeiro passo para isso é arregaçar as mangas e colocar em prática virtudes e valores cristãos. Abaixo, algumas conselhos para preservar este ambiente social de proteção e refúgio!

1. Preparar-se bem para o matrimônio. Os casais de namorados devem estar cientes da responsabilidade que terão quando formarem uma família. Por isso, antes do casamento, é necessária uma fase intensa de preparação. A pastoral familiar da Igreja pode ajudar nesta empreitada;

2. Dedicar-se ao berço da vida. A família é o “berço da vida humana”. Por isso, é necessária a preparação para as vidas que serão geradas no seio familiar. É preciso que o casal se torne, de fato, pai e mãe e que estejam preparados para se colocarem “a serviço do Criador”;

3. Investir no diálogo. A comunicação no seio da família é um dos itens que podem levá-la ao sucesso. É na conversa que se resolvem os problemas. É através do diálogo que entendemos o outro, que passamos a respeitá-lo, a compreendê-lo, a perdoá-lo, a pedir ajuda, pois, certamente, também iremos precisar de compreensão, afeto e perdão. A comunicação ajuda os membros da família a enfrentar as mazelas que aprouver a Deus enviar-lhes;

4. Cuidar da espiritualidade familiar. Os pais devem educar os filhos para a religião e a fé em Deus. Rezar juntos, participar da Santa Missa, receber os sacramentos são os primeiros passos para garantir uma boa formação religiosa. Essas atitudes contribuirão para gerar cidadãos nutridos pela fé e pela esperança;

5. Lutar pela paz e pela harmonia na família. Isso só será possível através das demonstrações de amor, afeto, carinho e compreensão. Dom Orlando também apresenta outros caminhos que levam à paz na família. Resumidamente, são eles: manter a união familiar, fazer programas de lazer juntos, educar pela conversa, participar da vida em comunidade, manter a chama da fé acesa, resolver problemas com calma, partilhar pensamentos, respeitar diferenças, dar exemplos inspiradores e pedir desculpas.

Tags:
AmorEducação dos FilhosFamíliaFilhospais
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia