Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 08 Agosto |
São Domingos de Gusmão
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

A dismorfia e a geração escrava de filtros e selfies

SELFIE

Baranq - Shutterstock

Ricardo Sanches - publicado em 14/03/22

Entenda o que é o transtorno que leva milhares de pessoas a procurar cirurgias plásticas para ficar com os rostos do jeito que os filtros mostram nas redes sociais

Você já deve ter passado por isso: navegando pelos stories do Instagram, só é possível reconhecer determinada pessoa pela voz. Isso porque o rosto dela parece estar completamente transformado: lábios maiores, bochechas afinadas, sobrancelhas milimetricamente pintadas e ressaltadas, olhos delineadamente exagerados. São os resultados dos filtros, essas ferramentas que transformaram as redes sociais na terra dos corpos e rostos “perfeitos”.

E tem filtro para todos os gostos! Aliás, desenvolver filtros virou até profissão – e das mais rentáveis no universo digital. A clientela é a mais variada: começa pelas blogueiras, passa pelos influencers com milhões de seguidores e pode encontrar espaço, inclusive, nos pequenos anônimos das redes, que querem aparecer um pouco mais “bonitos” em suas selfies.

shutterstock_281078969-e1647267914466.jpg
Casal fazendo selfie: será que vai ter filtro?

Filtros como espelhos

O problema são os excessos e o fato de a busca pelo padrão ditatorial de beleza ou pelo rosto perfeito extrapolar as telas e virar uma paranóia real.

Não são raros os casos em que as pessoas querem ter o mesmo rosto que o truque do filtro lhe proporcionou. Ou seja: nada de rugas, linhas de expressão, manchas ou sutis assimetrias.

Uma pesquisa realizada pela American Academy of Facial and Reconstructive Surgery apontou que, em 2020, 90% dos médicos associados relataram aumento médio de 10% na procura pelas cirurgias plásticas faciais. Segundo a academia, durante a pandemia as pessoas ficaram mais expostas às próprias imagens e buscaram melhorar a aparência. Há também muitos casos em que os filtros das redes sociais inspiraram mudanças no visual.

Um jornal brasileiro chegou a divulgar que um jovem gastou mais de R$ 200 mil em cirurgias plásticas para ficar parecido com os filtros que ele mais gosta de usar nas redes sociais.

SELFIE

Dismorfia atinge geração escrava dos filtros

Quando a busca incessante da beleza fabricada no mundo digital atinge o real, a coisa fica mais preocupante. Os especialistas têm até um nome para isso: dismorfia ou síndrome da feiúra imaginária.

Trata-se de um “transtorno psicológico em que existe preocupação excessiva pelo corpo, fazendo com que a pessoa sobrevalorize pequenas imperfeições ou imagine essas imperfeições, resultando num impacto muito negativo para a sua autoestima” e interferindo em suas relações reais.

O médico dermatologista Geraldo Magalhães foi entrevistado pela TV UFMG e confirmou que pacientes chegam até ele querendo transformar o rosto para que ele se assemelhe aos filtros da internet. Mas o especialista alerta: na maioria das vezes isso não é possível. “A gente tem que esclarecer ao paciente sobre o que realmente é necessário fazer, o que realmente está incomodando o paciente, verificar com ele o que pode ser alterado ou não…Porque os filtros vão se multiplicar e a gente não tem como limitar isso. A prática [cirúrgica] é outra: existem riscos e complicações”, explicou.

Aceitar o corpo que Deus nos deu

Sim, precisamos cuidar de nossos corpos, manter uma boa alimentação e adotar hábitos que melhorem nossa saúde física e mental. Tudo isso parte da nossa responsabilidade como cristãos. Mas tudo de forma o mais saudável possível.

O fato é que devemos sempre nos lembrar de que Deus, em sua infinita bondade, nos deu um corpo perfeito. E aceitar nosso corpo – da forma como ele realmente é – é um dos passos que nos levarão a cumprir os planos que Ele tem para nós. Nenhum filtro é capaz de imitar a beleza que Deus nos proporcionou, tampouco barrar a Sua misericórdia.

Certamente, nessa era de tantos padrões de beleza ditados pela internet, em que muitas pessoas podem ser tentadas a ser escravas dos filtros, esse trabalho de aceitação, por vezes, é árduo. Mas não tem jeito: é autoaceitação que vai nos curar e liberar espaço em nossas mentes para coisas muito mais importantes, como os aspectos ligados à educação, à família e ao amor ao próximo e a Deus.

A dismorfia e a geração escrava de filtros e selfies
Leia também:
Tags:
BelezacorpoDoençaInternetRedes sociais
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia