Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 05 Outubro |
São Benedito
Aleteia logo
Em foco
separateurCreated with Sketch.

Ucrânia, celeiro do mundo: há risco de escassez de alimentos?

Ukraina, pole pszenicy

Dobra Kobra | Shutterstock

Karol Wojteczek - publicado em 17/03/22

Até a invasão russa, a Ucrânia era responsável por cerca de 9-11% da produção mundial de cereais. A situação atual na Ucrânia deve ter um impacto sobre o fornecimento e o preço dos alimentos nos mercados internacionais

No domingo, 6 de Março, o governo ucraniano impôs restrições à exportação de produtos agrícolas essenciais, incluindo trigo, milho, aves, ovos, e óleo de girassol. Em reação a esta decisão, no dia seguinte, o preço do trigo no mercado mundial atingiu a máxima histórica de 1.294 dólares por bushel (em comparação com 824 dólares antes da invasão russa). Do mesmo modo, no final de Fevereiro, o Índice de Preços de Alimentos da FAO atingiu o seu nível mais elevado (140,7 pontos).

Em pouco tempo, a 9 de Março, o embargo ucraniano foi consideravelmente apertado. O governo de Kiev impôs uma proibição rigorosa às exportações de centeio, cevada, trigo mourisco, painço, açúcar, sal, e carne. A 12 de Março, a lista de produtos excluídos da exportação foi alargada para incluir fertilizantes, dos quais a Ucrânia é um dos principais produtores.

A que países é que a Ucrânia fornece alimentos?

As restrições acima mencionadas são especialmente pesadas para os países do Norte de África e do Médio Oriente, que em grande medida dependem das importações de produtos ucranianos. Por exemplo, o Líbano importa até 90% de cereais da Ucrânia (e da Rússia); o valor para o Egito é de cerca de 86% e cerca de 50-60% para a Tunísia. A Síria, Líbia e Somália, devastadas por uma crise humanitária, encontram-se numa situação semelhante.

No entanto, mesmo antes do anúncio de um embargo oficial por parte de Kiev, a marinha russa abriria fogo sobre navios mercantes civis que tentassem zarpar dos portos do Mar Negro. Por exemplo, a 25 de Fevereiro, um foguete atingiu uma grande embarcação. Esse navio com bandeira do Panamá era utilizado para transportar cereais para a Turquia. Por sua vez, muitos países fecharam os seus portos a navios mercantes russos, também cheios de cereais, como parte das sanções.

De acordo com os últimos dados da Bloomberg, o Egito tem estoques de cereais para cerca de quatro meses. Com o tempo, a população deste país de mais de 100 milhões de habitantes irá enfrentar aumentos acentuados nos preços dos alimentos e possivelmente fome. Na Líbia, em conflito, que não tem um abastecimento adequado de cereais, o preço da farinha subiu 30% durante a última semana.

Será que vamos ter outra Primavera árabe?

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) estima que nos próximos meses, cerca de 8-13 milhões de pessoas no Norte da África poderão ser atingidas pela fome. Substituir tais fornecimentos imensos de cereais por fornecimentos de outras fontes é simplesmente inviável num período de tempo tão curto.

Os peritos da Bloomberg salientam que em 2010 uma crise alimentar semelhante causada por uma seca catastrófica levou ao surgimento de protestos sociais conhecidos como a Primavera Árabe. O rescaldo desses acontecimentos é uma crise migratória que tem continuado até hoje e as prolongadas guerras civis na Síria, Iémen e Líbia.

Não surpreendentemente, alguns comentadores começaram a ver os acontecimentos acima mencionados como parte do plano de Vladimir Putin para desestabilizar a Europa através de sempre novas ondas de refugiados desesperados. O constante bombardeamento de edifícios civis na Ucrânia serviria um propósito semelhante.

O que é que está reservado para a Europa?

A situação no mercado alimentar global será agravada pelo aumento do preço do gás, essencial na produção de fertilizantes, e por uma diminuição da oferta de ração animal, da qual a Ucrânia é também um grande exportador. Os custos de transporte em geral aumentarão em várias dezenas de por cento devido à escalada dos preços do petróleo. Como resultado, o custo da produção alimentar aumentará significativamente mesmo em países com um nível relativamente elevado da sua própria produção agrícola.

Além disso, a seca catastrófica na América do Norte e noutras regiões do mundo também afetou a produção global. Os armazéns de cereais do mundo têm um nível de estoques extremamente baixo devido a uma queda significativa no consumo durante a pandemia da COVID-19. A China e a Índia continuam a ser os únicos países com estoques capazes de mitigar os efeitos da crise. A questão, no entanto, é se decidem liberá-los para os mercados mundiais face à queda da produção e das suas próprias enormes populações.

Numa análise divulgada antes do ataque russo, os especialistas do Credit Agricole previram este ano um crescimento do preço dos alimentos de cerca de 6,7%. As estimativas conservadoras dos mesmos autores de 28 de Fevereiro indicam aumentos de mais de 12%. No entanto, na atual situação internacional volátil, mesmo estimativas aproximadas podem revelar-se muito fora do comum.

Zelensky e os russos podem falar em uníssono?

Curiosamente, se encontrarmos um assunto em que Volodymyr Zelensky fale a uma só voz com as autoridades de ocupação russas, é a questão do plantio das culturas. O início de Março é quando os agricultores ucranianos tradicionalmente começam a trabalhar nos campos. Tanto o governo de Kiev como os comandantes temporários das autoridades de ocupação estão a encorajá-los a prosseguir com o cultivo dos campos.

No entanto, as motivações de cada lado são diferentes. Zelensky está empenhado em fornecer alimentos aos habitantes do país invadido. Os russos, por outro lado, assumem que os ucranianos, ocupados a trabalhar na terra, não se darão ao trabalho de resistir (ou de se apropriar do equipamento militar russo). Os invasores chegaram ao ponto de prometer aos agricultores de Kherson a abertura do mercado russo aos seus produtos.

Seria impensável que os agricultores ucranianos voltassem a trabalhar em tempo integral nas regiões afetadas pela guerra. Além disso, em alguns locais, o cultivo dos campos é impossível, uma vez que grandes áreas em redor das cidades foram minadas e os próprios campos foram destruídos pelos combates. De acordo com estimativas da ONU, as terras aráveis na Ucrânia serão cerca de 30% menores do que no ano passado. Há também relatórios cada vez mais frequentes das forças ocupantes que apreendem ou destroem maquinaria e veículos agrícolas.

A situação na Ucrânia mudou completamente em relação às previsões anteriores à guerra de uma colheita abundante. No entanto, no dia-a-dia, o maior problema alimentar continua a ser a impossibilidade de abastecer as cidades sitiadas pelos russos, sobretudo Mariupol.

Tags:
EconomiaGuerraPolíticaUcrânia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia