Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 08 Agosto |
São Domingos de Gusmão
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Os números reais sobre a infertilidade em um grande país europeu

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
shutterstock_1104503756

Shutterstock

Mathilde de Robien - publicado em 25/04/22 - atualizado em 28/06/22

Enquanto algumas das causas são médicas, outras são sociais e ambientais, tais como a idade e o estilo de vida das mulheres, que dão motivos para reflexão e ação

Nas décadas de 1970 e 1980, não era comum um casal ter dificuldades em conceber. Hoje em dia, a infertilidade afeta um número crescente de homens e mulheres nos países industrializados. Um relatório, publicado em Fevereiro de 2022, confirma esta tendência e adverte que a infertilidade está constantemente a aumentar em França, e isto “de uma forma particularmente preocupante, especialmente ao longo dos últimos vinte anos”.

Revelando dados importantes de vários estudos científicos, os autores tentam identificar as causas e propor um “plano para combater a infertilidade”. Os riscos são elevados: não só dizem respeito a milhões de casais que passam pela provação da infertilidade, mas também, no longo prazo, à preservação da espécie humana.

A infertilidade, definida pela OMS como a ausência de gravidez após 12 meses de tentativas, afeta diretamente 3,3 milhões de pessoas em França. Este número é estimado com base num estudo do INED e do INSERM: dos 24 milhões de adultos com idades compreendidas entre os 20 e os 49 anos em França, 3,3 milhões de mulheres e homens encontraram problemas de infertilidade que requerem assistência médica. Além disso, o Inserm mediu a proporção de casais que não tinham alcançado a gravidez após 12 meses de relações sexuais. O resultado é que um em cada quatro casais (com projeto de ter filhos) seria afetado pela infertilidade.

2. AUMENTO DA REPRODUÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA

Outro fator significativo na medição da extensão do fenómeno são os números relativos à reprodução medicamente assistida (MAP). Ao longo dos últimos 40 anos, o recurso ao MAP desenvolveu-se numa progressão quase linear. A proporção de crianças concebidas por fertilização in vitro na população francesa aumenta em 0,5% a cada 7-8 anos. Atualmente, 2,5% das crianças francesas são concebidas por fertilização in vitro (FIV), ou seja, 1 criança em 40. Mas se considerarmos todas as técnicas MAP (FIV/ICSI, inseminação artificial, indução simples da ovulação), 3,4% das crianças são concebidas por MAP.

3. PRIMEIRO FILHO AOS 29 ANOS

O aumento da infertilidade é principalmente o resultado do declínio da idade da procriação. Em 2020, um quarto das crianças em França nasceu de uma mãe com 35 ou mais anos e de um pai com 38 ou mais. Desde meados da década de 1970, a idade da paternidade tem vindo a aumentar constantemente: hoje em dia, as mulheres dão à luz o seu primeiro filho com quase 29 anos de idade. Isto é cinco anos mais tarde do que há quatro décadas (primeiro filho aos 24 anos em 1974). A fertilidade feminina diminui a partir dos 30 anos de idade, e este declínio acelera significativamente a partir dos 35 anos de idade. A partir da idade de cerca de 38 anos, o esgotamento da reserva ovariana torna-se mais pronunciado.

Segundo os autores do relatório, este aumento na idade de procriação é o resultado de uma série de fatores sociais: demandas profissionais e de trabalho, técnicas contraceptivas, o declínio do desejo de ter filhos entre as gerações mais jovens, a procura de estabilidade profissional e emocional antes de embarcar num projeto de ter filhos, e a ausência de uma política pública que facilite a conciliação da vida familiar com a vida profissional.

Além disso, o excesso de confiança nas técnicas MAP está a resultar numa procura de apoio médico numa fase cada vez mais tardia, limitando assim as taxas de sucesso. Aos olhos de muitos, o MAP parece milagroso e sem limites. Esta visão errónea mantém o mito de que a gravidez é possível em qualquer idade. Contudo, para além dos problemas éticos associados à FIV, para além dos 38 anos de idade, os resultados da FIV são insatisfatórios e são afetados por uma taxa de aborto de até 40%.

4. REDUÇÃO DE 50% NA CONCENTRAÇÃO DE ESPERMA

A idade da mulher não é o único fator envolvido na infertilidade. Uma meta-análise realizada em 2017 revelou um declínio de mais de 50% na concentração de esperma nos homens nos países industrializados entre 1973 e 2011, provavelmente continuando ao mesmo ritmo desde então. Este fenómeno estaria ligado, em particular, à exposição a desreguladores endócrinos.

Esta descoberta foi corroborada por um estudo realizado em 2018 pela Santé publique France, que concluiu que “os resultados reflectem uma deterioração global da saúde reprodutiva masculina em França, consistente com a literatura internacional, provavelmente desde os anos 70 para a qualidade do esperma”. Mais especificamente, o estudo francês observou uma queda de 32% na concentração de esperma nos homens entre 1989 e 2005, ou seja, uma diminuição anual de cerca de 2% por ano.

Onde são encontrados desreguladores endócrinos? Estão presentes em muitos produtos do quotidiano: bifenilos policlorados (PCB), compostos perfluorados e pesticidas organoclorados (DDT e derivados) encontram-se nos alimentos (peixe, aves de capoeira, carne, produtos lácteos). Os pesticidas organofosforados são encontrados em frutas e vegetais. Os ftalatos estão presentes em embalagens de plástico, e os conservantes ou parabenos são encontrados em alimentos altamente processados e produtos de higiene e beleza. Produtos para o lar, produtos de bricolage, insecticidas, cosméticos e fragrâncias para o lar são também susceptíveis de conter desreguladores endócrinos.

5. 20 A 30% DE INFERTILIDADE INEXPLICADA

Embora alguns casos de infertilidade tenham causas médicas conhecidas (patologias tubárias, distúrbios de ovulação ou endometriose nas mulheres, esperma defeituoso ou ausente nos homens), outras situações permanecem por vezes inexplicáveis. Quando não foi identificada nenhuma causa, nem na mulher nem no homem, diz-se que a infertilidade é idiopática. É agora responsável por 20 a 30% da infertilidade.

6. ESTILO DE VIDA E INFERTILIDADE

Peso (excesso de peso e obesidade, mas também magreza), perturbações metabólicas, má nutrição, falta de atividade física, sedentarismo, bem como baixa qualidade de sono, o álcool, o tabaco, canábis e estresse são os principais fatores que têm sido objeto de dados recentes. Todos eles, separadamente e em combinação, poderiam ter impacto nos gâmetas (em termos de quantidade, mas também de qualidade), nas diferentes fases de fertilização e no desenvolvimento embrionário e fetal. Assim, a taxa de concepção acumulada durante um ano para uma mulher cai de 83,3% (quando não há fatores) para 38,8% na presença de pelo menos quatro fatores negativos.

O tabagismo ativo afeta cerca de 25% das mulheres em idade fértil, 12% das mulheres durante a gravidez e 25% dos homens entre os 25 e os 44 anos de idade. Fumar reduz a fertilidade tanto em homens como em mulheres: diz-se que o risco de infertilidade é duplicado para ambos os sexos e que o tempo até à concepção é prolongado por cerca de 4 a 6 meses. De acordo com os autores, as mulheres têm um risco comprovadamente maior de dificuldade em conceber ao fazer uso de mais de seis cigarros por dia.

No que respeita à dieta, a dieta mediterrânica está frequentemente associada em estudos com melhores hipóteses de conceber, tanto nas mulheres como nos homens. Certos nutrientes são necessários para o bom funcionamento do sistema reprodutor masculino e para a produção de espermatozóides de boa qualidade. Assim, um consumo insuficiente de fruta e vegetais, grãos inteiros e alimentos ricos em ómega 3 (peixes, abacates) aumenta o risco de infertilidade. Por outro lado, um elevado consumo de produtos lácteos (queijo), batatas, alimentos à base de soja, carne vermelha, ácidos gordos saturados e açúcares, café e álcool é prejudicial às funções reprodutivas masculinas. Finalmente, pensa-se que o consumo de bebidas açucaradas pelos homens reduz a fertilidade.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
AbortoFamíliaFilhosMulherVida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia