Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 04 Dezembro |
São Bernardo, bispo de Parma
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

O desafio de aceitar os familiares como eles são

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
pelea familiar

fizkes - Shutterstock

Guillermo Dellamary - publicado em 14/06/22

Aceitar as pessoas como elas são é um ato de caridade, é praticar o amor incondicional. Mas por onde começa o caminho da aceitação?

Querer mudar os outros ou esperar que um dia eles mudem é muito estressante e, muitas vezes, causa frustração.

Você ainda está esperando que um membro da família mude? Pior ainda: seu afeto está condicionado à mudança deles? E se eles não mudarem?

O fato é que o grande valor do princípio de aceitação é um dos avanços mais significativos em crescimento e maturidade.

Aceitar as pessoas como elas são é um ato de caridade, é praticar o amor incondicional. Amo você como você é; é claro que haverá algo que não gosto em você, mas posso ignorá-lo, porque meu amor por você é maior do que minha intolerância.

Aceitar não é querer corrigir ou procurar as falhas de alguém, mas reconhecer que elas são aceitáveis do jeito que, de fato, são.

O drama das relações familiares

Um dos principais dramas das relações familiares é o fato de estarmos supervisionando e monitorando o comportamento de nossos entes queridos, a fim de corrigi-los e apontar os erros que eles estão cometendo. É uma forma inadequada de mostrar aceitação ao outro, porque está se tornando evidente que estamos observando-os com um olhar crítico e julgador sobre o que eles fazem.

Fica pior quando, além de assistir, ficamos irritados e chateados com o que nosso ente querido faz que não nos agrada. E, além disso, damos a nós mesmos a permissão para nos preocuparmos e darmos lições. Isto leva à deterioração das relações.

Amar é aceitar

Por outro lado, você pode chegar à feliz conclusão de aceitar seus familiares como eles são, apesar das falhas deles. Quando isso acontece, você recebe os benefícios próprios de quem ama incondicionalmente e aceita que as coisas são certas da maneira como são, mesmo que não pareçam certas para você.

Por fim, o constante incômodo e repreensão de seu parceiro ou filhos acaba sendo um exemplo muito claro de que você não os aceita. Que a maneira de eles serem incomoda você e que você gostaria que eles mudassem as coisas que te incomodam.

Dessa forma, você está pensando apenas em si próprio(a). Você quer que o outro lhe dê o que você espera e não tolera que ele não atenda às suas expectativas. E tal atitude é tingida de egoísmo, da necessidade de controlar os outros e de não respeitar a maneira como eles são. Isso sugere que você, realmente, não os aceita como eles são.

O verdadeiro amor

O verdadeiro amor está no fato de aceitar plenamente a vontade de Deus, que a vontade de Deus seja feita, não a nossa. Pois, aconteça o que acontecer, Seus planos são muito melhores do que os nossos. Se realmente queremos estar em Suas mãos, então o que quer que aconteça é da vontade Dele. E aceitar isso, de uma boa maneira, é reconhecer que Sua misericórdia e graça são infinitamente superiores a qualquer coisa que possamos pensar.

Se eu aceitar minha realidade e a mim mesmo, também devo aceitar a vida dos outros, e esse é o significado do respeito. Desta forma, cumprimos também a regra de ouro de “fazer aos outros o que gostaríamos que outros nos fizessem”. Se eu quiser ser amado e aceito como sou, sem ser corrigido, então eu terei que fazer o mesmo com os outros.

O caminho da aceitação

O caminho da aceitação nos aproxima da harmonia com a vida, para viver com mais equilíbrio e descobrir a realidade de que, ao invés de querer mudar os outros, eu só tenho o poder de mudar a mim mesmo(a) e tentar ser uma pessoa melhor.

Desta forma, não caímos na tentação de sermos conformistas e de parar de nos esforçarmos para melhorar. Isto implica que aceitar é também reconhecer que cometemos erros e que podemos corrigi-los – mas em nós mesmos e não na vida dos outros.

Portanto, façamos um esforço especial para aceitar nossos familiares e amigos do jeito como eles são. Isso é um bom começo para praticarmos nossa caridade de forma mais consciente.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
AmorCaridadeFamília
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia