Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 08 Agosto |
São Domingos de Gusmão
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: confirmada a viagem do Papa ao Canadá

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
VATICAN APOSTOLIC ARCHIVE

Antoine Mekary | ALETEIA

I.Media para Aleteia - publicado em 24/06/22

Boletim Direto do Vaticano, 24 de junho

  • Viagem do Papa Francisco ao Canadá oficialmente confirmada para 24-30 de Julho
  • Os arquivos de Pio XII sobre os judeus, agora abertos ao público
  • Papa exorta à resistência ao “colonialismo cultural mafioso”

Viagem do Papa Francisco ao Canadá oficialmente confirmada para 24-30 de Julho

Por Anna Kurian – Duas semanas após o anúncio do adiamento da viagem do Papa Francisco à África devido ao seu problema de joelho, a Assessoria de Imprensa da Santa Sé confirma sua viagem apostólica ao Canadá, de 24 a 30 de julho, publicando o programa oficial em 23 de junho. O papa visitará as cidades de Edmonton, Quebec City e Iqaluit durante a viagem de seis dias, que foi projetada para poupar a saúde do pontífice de 85 anos.

Em 10 de junho, o papa teve que desistir de sua viagem à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul, marcada para 2 a 7 de julho, por causa da terapia que está fazendo para se recuperar da gonalgia que o obriga a se locomover em uma cadeira de rodas. Para evitar um novo cancelamento, os preparativos para a viagem anunciada ao Canadá levam em conta a saúde do pontífice: os bispos locais também garantem que os eventos públicos em que ele participará serão limitados a uma hora.

Uma jornada centrada nos povos indígenas

A viagem do chefe da Igreja Católica faz parte do processo de arrependimento e reconciliação iniciado pela Igreja Canadense em relação aos povos indígenas desde o início dos anos 1980, fortemente revivido após a descoberta de valas comuns em terrenos escolares residenciais administrados pela Igreja nos séculos XIX e XX.

No final de março passado, o pontífice recebeu três delegações de povos indígenas lideradas pelos bispos do Canadá no Vaticano. Durante esta sequência, ele ouviu seu testemunho, pediu oficialmente o perdão aos seus anfitriões pelos erros do passado e manifestou seu desejo de ir às suas terras.

De fato, o programa do Papa Francisco inclui muitos encontros e visitas que estão diretamente relacionados à questão das escolas residenciais, ao trabalho de memória, cura e perdão e à promoção da cultura dos povos indígenas.

O programa oficial

De acordo com o programa oficial publicado pelo Vaticano, o bispo de Roma desembarcará em 24 de julho no final da manhã no aeroporto de Edmonton, Alberta. Nada mais está planejado para o dia, para permitir que o Papa descanse depois de mais de 10 horas de voo.

No dia seguinte, 25 de julho, o papa deve ir a Maskwacis, a cidade do antigo internato de Ermineskine, um dos maiores do país, a cem quilômetros de Edmonton. Ele se reunirá com as Primeiras Nações, Métis e Povos Indígenas Inuítes; então ele terminará o dia na Igreja Nacional das Primeiras Nações em Edmonton. O prédio foi restaurado recentemente após um incêndio devastador em 2020.

No dia 26 de julho, na festa litúrgica de Santa Ana, o pontífice tem programado celebrar a missa no estádio de Edmonton – que tem capacidade para 65 mil pessoas – e depois viajar para o Lago St. Anne, a 75 km da capital de Alberta. Um encontro católico tem sido realizada lá todos os anos desde 1886 em homenagem ao santo padroeiro dos canadenses. Dezenas de milhares de Cree, Dene, Blackfoot e Métis, que dedicam uma devoção especial à avó de Jesus simbolizando a importância da figura do idoso em suas comunidades, tradicionalmente participam desta peregrinação.

Paradas na cidade de Quebec e Iqaluit

Em 27 de julho, o Papa deixará Edmonton rumo a Quebec, 3.000 quilômetros a leste. Ele será recebido na Residência da Governadora Geral do Canadá, Mary Simon. Ele se reunirá com o primeiro-ministro Justin Trudeau, autoridades civis do país e representantes indígenas.

Em 28 de julho, ele celebrará a missa no Santuário Nacional de Sainte-Anne-de-Beaupré. São esperadas entre 10.000 e 15.000 pessoas neste lugar de peregrinação que atrai mais de um milhão de pessoas a cada ano. No final do dia, ele se encontrará com os sacerdotes e religiosos da província.

Na programação do último dia, 29 de julho: a cidade de Iqaluit, 2.000 quilômetros mais ao norte. Antes de partir, o pontífice se reunirá com os jesuítas de Quebec e uma delegação de povos indígenas. Ele então voa de volta para Nunavut, onde se encontra com ex-alunos da Escola Residencial Católica Iqaluit. Lá, ele também verá jovens e idosos, o último compromisso da viagem.

No total, quatro discursos, quatro homilias e uma saudação são planejados durante esses seis dias de viagem, cujo lema é “Caminhar juntos”. O logotipo representa um anel azul e branco unindo símbolos da vida nativa.


Os arquivos de Pio XII sobre os judeus, agora abertos ao público

Por Camille Dalmas – O Papa Francisco solicitou a publicação em versão digitalizada dos arquivos históricos do pontificado de Pio XII sobre os judeus, anunciou a assessoria de imprensa da Santa Sé em 23 de junho de 2022. Esses 179 volumes, ou quase 40.000 arquivos únicos, preservam os pedidos de ajuda endereçados ao papa por judeus de toda a Europa após o início da perseguição nazista e fascista.

Apenas 70% do material – as imagens digitais de cada documento – está disponível inicialmente, aguardando a digitalização gradual dos 30% restantes. O site está disponível em inglês e italiano.

A decisão de abrir esses arquivos vem um dia depois que o Papa Francisco recebeu cerca de trinta membros do Centro Simon Wiesenthal no Vaticano. Esta organização é famosa por sua promoção da memória do Holocausto e por rastrear os responsáveis pelo genocídio dos judeus durante a Segunda Guerra Mundial.

2.700 pedidos de ajuda

Nas colunas de L’Osservatore Romano, o bispo Paul Richard Gallagher, da diplomacia do Vaticano, comenta várias cartas da coleção “judeus” que ele foi capaz de consultar. Todas foram enviadas a Pio XII por judeus que lhe pediram ajuda diante da perseguição.

Esta coleção de documentos foi criada porque o Papa Pacelli havia instruído um minutante – um funcionário – da Secretaria de Estado, bispo Angelo Dell’Acqua, a processar os pedidos enviados a ele “com o objetivo de oferecer toda ajuda possível”. Ao todo, 2.700 pedidos – quase sistematicamente relativos a famílias ou grupos de pessoas – foram endereçados ao papa.

“Para a maioria dos pedidos de ajuda […], o resultado do pedido não foi relatado” nos arquivos, reconhece o prelado britânico. Ele também ressalta que, em muitos casos, podem ter sido feitos pedidos de vistos ou passaportes para ajudar na expatriação, oferecer asilo, reunir famílias, obter liberação ou transferência de um campo para outro, obter informações ou entregar comida ou dinheiro.

Controvérsia entre historiadores

Os arquivos do pontificado de Pio XII estavam abertos aos pesquisadores desde março de 2020. O conteúdo do arquivo “Judeus” havia sido amplamente revelado pelo historiador e diretor dos Arquivos Históricos da seção de Relações com os Estados Johan Ickx em um livro publicado em francês em setembro de 2020, Le Bureau, les Juifs de Pie XII (Michel Lafon).

Contando com este arquivo, o historiador belga afirma que o pontífice interveio em nome dos judeus em várias ocasiões. Em uma conferência organizada perto do Vaticano em 22 de junho de 2022 sobre o tema “Papas e Paz”, que a I.MEDIA participou, ele ficou irritado com o eco recebido por certas publicações que questionam a ação do papa italiano e que faria as pessoas terem “mentes nebulosas” assim que Pio XII é mencionado.

Ele apontou em particular para o último livro do historiador americano David Kertzer, publicado em junho de 2022 – The Pope at War: The Secret History of Pio XII, Mussolini, and Hitler (Random House) – que se baseia principalmente na consulta do mesmo arquivo. 

Este livro, que desafia a ideia de um Pio XII ‘amigo dos judeus’ e destaca uma leitura mais sombria de seus “silêncios” durante a guerra, foi criticado em 21 de junho nas colunas de L’Osservatore Romano.

Johan Ickx considera que o livro contém várias informações falsas e que não leva em conta todas as ações de Pio XII – citando, por exemplo, uma amizade secreta que ele teria mantido com o presidente dos EUA Franklin D. Roosevelt. De forma mais ampla, ele lamenta que, neste tipo de trabalho, “o fracasso do Papa [em resgatar os judeus que lhe pediram ajuda, N. do E.] é lido como uma culpa do papa”.

Durante seu discurso, Johan Ickx também criticou o tratamento midiática dado ao pontífice italiano. “Para eles, dizer que Pio XII defendeu os judeus é ser um apologista”, disse ele, tendo como alvo a imprensa alemã em particular. Em particular, ele desafiou a falsa teoria, muitas vezes transmitida pela imprensa, de que Pio XII salvou apenas judeus convertidos ao catolicismo: “Ele salvou ambos, convertidos e não convertidos”.


Papa exorta à resistência ao “colonialismo cultural mafioso”

Por Anna Kurian – “As máfias ganham quando o medo toma conta da vida”, disse o Papa Francisco aos participantes num encontro promovido pela Academia Mariana Internacional para o 30º aniversário do Departamento Italiano de Investigação Anti-Máfia (D.I.A.) a 23 de Junho. Exortou a lutar contra o “colonialismo cultural mafioso” através do estudo e da educação.

No seu discurso, o chefe da Igreja Católica denunciou “a presença no tecido social – e também eclesial – de algumas áreas sombrias onde é difícil perceber um distanciamento claro das velhas, erradas e até imorais formas de agir”. Apelou a “tomar resolutamente o caminho da justiça e da honestidade”, procurando as causas da conivência mafiosa e deixando “o seu devido lugar a uma vergonha salutar”.

Mais amplamente, o pontífice de 85 anos pronunciou-se contra o “colonialismo cultural mafioso” prevalecente na Itália, o que inculca que “tornar-se mafioso é parte da cultura”. Recomendou a resistência com “investigação, estudos e atividades educativas destinadas a provar que o progresso civil, social e ambiental não provém da corrupção e do privilégio, mas sim da justiça, liberdade, honestidade e solidariedade”.

O Papa Francisco também encorajou os membros do Departamento de Investigação Anti-Máfia a serem “uma testemunha de liberdade” e a apoiarem os mais fracos, que são os primeiros a pagar “quando falta segurança e legalidade”. É de fato sobre os “escravos modernos” que se constroem economias mafiosas, advertiu o Papa, que viu na ganância e na violência “o DNA das organizações mafiosas e criminosas”.

A Pontifícia Academia Mariana Internacional (PAMI) está fortemente envolvida na luta anti-máfia. Em 2020 lançou um novo departamento para a análise, estudo e edição de fenómenos criminais e mafiosos, apoiado pelo governo italiano. O Departamento de Investigação Anti-Máfia foi criado em 1991 no âmbito do Ministério dos Negócios Estrangeiros italiano.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Direto do VaticanoGuerrajudeusnazismoViagem
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia