Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 16 Agosto |
Bem-aventurado Gabriel Maria de Benifayó
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Resenha de Imprensa: O testemunho desolador das Irmãs de Madre Teresa expulsas da Nicarágua

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Missionárias da Caridade são expulsas pela ditadura da Nicarágua

Diócesis de Tilarán - Liberia

I.Media para Aleteia - publicado em 12/07/22 - atualizado em 12/07/22

O seu resumo das principais notícias do dia: uma seleção de artigos escritos pela imprensa internacional sobre a Igreja e as principais questões que preocupam os católicos em todo o mundo. As opiniões e pontos de vista expressos nestes artigos não são dos editores da Aleteia

Terça-feira 12 de Julho de 2022

1 – O testemunho desolador das Irmãs de Madre Teresa expulsas da Nicarágua
2 – Será que o Papa Francisco tem uma estratégia de comunicação?
3 – Quem será o próximo Arcebispo de Westminster?
4 – Grupo católico opõe-se ao nome de energia verde para gás e nuclear
5 – Acadêmicos ucranianos criticam a ingenuidade da comitiva do Papa em relação à Rússia


1 – O testemunho desolador das Irmãs de Madre Teresa expulsas da Nicarágua

“Partimos com grande tristeza nos nossos corações, deixando lá o nosso pobre povo”, disse a Irmã Agnesita, uma das 18 Missionárias da Caridade, a congregação fundada por Madre Teresa, que foi expulsa da Nicarágua após uma decisão do governo do presidente Daniel Ortega. “Uma escolha que escandalizou o mundo inteiro, e dada a medida da brutalidade e endurecimento do atual governo nicaraguense, que mês após mês encerra todas as vozes livres e persegue, em particular, a Igreja Católica”, explica a agência noticiosa católica SIR. “Nunca fizemos qualquer tipo de atividade política, e recordamos que o Presidente Ortega conheceu a Madre Teresa. O nosso pensamento tem sido sempre o de servir os pobres. O país está a sofrer, especialmente a Igreja, que é perseguida. Não há liberdade, mas a situação económica também é difícil, e há uma crescente falta de emprego”, analisou a Irmã Agnesita. Os Missionários da Caridade tinham três centros na Nicarágua, servindo os pobres, os idosos e as adolescentes em situação de risco. As freiras mudaram-se agora para a Costa Rica e esperam “ter um cuidado especial” com todos os nicaraguenses que foram forçados a fugir para o país vizinho.

SIR, italien

O vaticanista Andrea Gagliarducci nota a onipresença do Papa Francisco nos meios de comunicação no início do Verão europeu, entre o podcast gravado com o seu antigo porta-voz em Buenos Aires, Guillermo Marco, e as suas duas longas entrevistas com Telam e Reuters. Quando se trata de dar a sua opinião, Francisco nunca desiste”, observa o vaticanista, que salienta que o Papa “faz um uso astuto e populista dos meios de comunicação social”. Contudo, a nível da Santa Sé, “o Papa Francisco não tende a unir-se, mas a criar fraturas”. Estas conversações são frequentemente iniciativas pessoais do Papa e são feitas sem filtro e por vezes sem o conhecimento do Dicastério da Comunicação. O fato de “ninguém gerir a comunicação do Papa”, e de a Secretaria de Estado não poder exercer qualquer filtro, cria um Vaticano “a duas velocidades”, entre o Papa e os seus serviços. A questão não é lidar com questões substantivas, sobre as quais o Papa geralmente permanece “pouco claro”, mas mostrar que o seu pontificado não está terminado. Segundo esse crítico, agir “como um homem sozinho no comando, separado de qualquer órgão diretivo, envia a mensagem de que ele “existe, está presente e continua a tomar decisões”.

Monday Vatican, inglês


3 – Quem será o próximo Arcebispo de Westminster?

O Cardeal Vincent Nichols, Arcebispo de Westminster desde 2009, apresentou a sua renúncia ao Papa Francisco no seu 75º aniversário a 8 de Novembro de 2020, como requerido pela lei canónica. Ao aceitar formalmente a sua renúncia, o Papa pediu-lhe que permanecesse no cargo até ser encontrado um sucessor. Muitas outras grandes dioceses do mundo encontram-se na mesma situação, tais como Boston, Viena e Bombaim. Mas para Westminster, o Núncio Apostólico parece estar a procurar ativamente. O Arcebispo John Wilson, de Southwark, é um dos nomes mencionados. Este anglicano que se tornou católico aos 16 anos é descrito por um padre local como um homem “sólido” e “bom” com o “zelo de um convertido”. Outros nomes mencionados incluem o Bispo Hugh Gilbert, atualmente Presidente da Conferência Episcopal da Escócia. O Bispo de Aberdeen, de 70 anos, nasceu no sul de Inglaterra e é um beneditino, como o Cardeal Basil Hume, Arcebispo de Westminster de 1976 a 1999. A diocese de Londres é única na medida em que todos os anteriores titulares morreram no cargo, excepto o Cardeal Cormac Murphy O’Connor (1932-2017), que foi o primeiro a reformar-se em 2009.

The Pillar, inglês


4 – Grupo católico opõe-se ao nome de energia verde para gás e nuclear

Numa votação a 6 de Julho, o Parlamento Europeu da União Europeia aprovou a designação para nuclear e gás como opções de investimento “verdes” sustentáveis, como parte do esforço dos 27 países para combater as alterações climáticas. Isto significa que certas atividades de gás fóssil e energia nuclear serão incluídas numa lista de atividades económicas ambientalmente sustentáveis, conhecida como a taxonomia europeia. O CIDSE, uma rede de organizações católicas de justiça social e ambientais sediada principalmente na Europa, esteve entre os grupos que criticaram o resultado da votação. Fazem eco dos comentários da Climate Action Network Europe, que afirmou numa declaração que “classificar o gás fóssil e a energia nuclear como ‘verde’ é um desastre climático que alimenta abusos dos direitos humanos, uma vez que aumentará a procura de gás e urânio”. A aliança europeia “Laudato Si” também criticou a decisão num tweet, dizendo que era uma “oportunidade perdida […] de preservar a integridade da taxonomia da UE e a credibilidade do Acordo Verde da UE”.

National Catholic Reporter, inglês


5 – Acadêmicos ucranianos criticam a ingenuidade da comitiva do Papa em relação à Rússia

Dois professores da Universidade Católica da Ucrânia oferecem uma longa reflexão crítica sobre um artigo publicado pelo Padre Antonio Spadaro em La Civiltà Cattolica. O jornal jesuíta italiano, considerado uma retransmissão da visão geopolítica do Papa Francisco e da Santa Sé, é criticado por estes intelectuais ucranianos pela sua abordagem excessivamente matizada do imperialismo russo, que dizem demonstrar “sensibilidade insuficiente ou falta de informação por parte daqueles que, nas colinas do Vaticano, tomam decisões sobre a questão ucraniana”. Consideram que a reflexão “subjetiva” de Padre Spadaro leva a “conclusões erradas”, e advertem em particular sobre a posição do Metropolita Hilarion, que Padre Spadaro apresenta como um interlocutor matizado, enquanto que ele seria na verdade um propagandista do “mundo russo” e algumas das suas intervenções abriram o caminho para uma legitimação espiritual da invasão russa da Ucrânia. Recordando que o próprio Papa reconheceu que “não oferecer resistência seria equivalente a suicídio político”, os dois académicos ucranianos esperam que a posição do Vaticano evolua no sentido do apoio à Ucrânia, e que a procrastinação inicial, tal como a invasão da Polónia pela Alemanha em 1939, evolua no sentido de uma melhor identificação do agredido e do agressor.

RISU, inglês

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
GuerraPerseguiçãoResenha de Imprensa
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia