Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 26 Setembro |
São Cosme e São Damião
Aleteia logo
Cultura & Viagem
separateurCreated with Sketch.

Por que o Brasil é chamado de “filial de Lisieux”?

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
therese-lisieux.jpg

Montage Aleteia /Shutterstock pockygallery

Mathilde de Robien - publicado em 11/09/22

De 8 de Setembro a 15 de Dezembro de 2022, as relíquias de Santa Teresinha viajarão pela terceira vez pelo Brasil, alimentando assim a forte devoção dos brasileiros para com a Santa de Lisieux. Uma devoção que começou no ano da sua morte, em 1897, graças ao Jesuíta Padre Henri Rubillon, missionário no Brasil

As igrejas de “Santa Teresinha” são-lhe dedicadas, milhares de brasileiros visitam Lisieux todos os anos, as suas relíquias viajam para o Brasil pela terceira vez em 25 anos… Como podemos explicar a forte ligação dos brasileiros com Santa Teresinha, que nunca deixou o convento carmelita de Lisieux durante a sua curta vida religiosa? Ela que desejava “viajar pela terra” e “proclamar o Evangelho nas cinco partes do mundo e mesmo nas ilhas mais remotas” pode regozijar-se pelo fato da sua mensagem universal de vida, paz e amor ter irradiado através dos oceanos.

No Brasil, Santa Teresa deve a sua influência a um padre em particular, o Padre Henri Rubillon. Este missionário jesuíta, que era sete anos mais velho que ela e veio da Normandia como ela, tinha uma profunda admiração por Thérèse (Teresa) e pelas suas intuições espirituais. No ano em que ela entrou na Ordem dos Carmelitas, ele entrou no noviciado. Ambos fizeram a sua profissão em 1890. Alguns meses mais tarde, partiu para o Brasil, onde ensinou nos colégios da Companhia de Jesus.

Henri Rubillon, “incansável apóstolo de Teresinha no Brasil”

Professor no Colégio Anchieta na cidade de Nova Friburgo, o Padre Rubillon pregou numerosas missões e retiros em todo o Brasil. Ele introduziu as pessoas à espiritualidade de Teresa lendo a sua autobiografia Histoire d’une Âme. Por todo o lado, estabeleceu grupos de amigos de Teresinha, aos quais deu o título de “Legionários de Irmã Teresa” encarregados de difundir a mensagem de amor e abandono da Carmelita francesa. A partir de 1913, começou a difundir exemplos da vida e do pensamento de Santa Teresa em Nova Friburgo.

Pere-Henri-Rubillon.jpg
Père Henri Rubillon.

Ele fez-se “o humilde arauto no Brasil” da gloriosa santa do nosso tempo, segundo as suas próprias palavras, ou “o incansável apóstolo da Irmã Teresa no Brasil”, como a Irmã Marie-Emmanuel do Carmelo de Lisieux o descreveu. As suas cartas ao Padre Rubillon a partir de 1918 confirmam isto: “Que alegria para nós ver a devoção da Irmã Teresa desenvolver-se no Brasil, e muito obrigado a ti” (10 de Março de 1918). “Tu és, meu bom padre, o grande depositário da nossa pequeno santa no Brasil, a “filial” de Lisieux” (1 de Setembro de 1919).

Brasil, “a filial” de Lisieux

Seguindo o exemplo de outros países, foi o Padre Rubillon que angariou fundos no seu país de adoção para financiar a compra de uma bandeira brasileira para a capela carmelita em 1919. A bandeira foi enviada para Lisieux numa esplêndida caixa de madeira, na qual foi esculpido o brasão de Teresa.

No ano seguinte, o Carmelo propôs ao Padre Rubillon que oferecesse o santuário para receber os ossos de Teresa. Seria “o contato mais íntimo que o Brasil poderia desejar com as relíquias da pequena Teresa”, escreveu Madre Agnès de Jésus, Pauline Martin, irmã de Santa Teresinha.

O missionário aceitou, e a generosidade dos brasileiros foi tal que ofereceram uma bela arca de madeira feita de jacarandá para albergar as relíquias de Teresa de Lisieux. Foi este relicário, chamado “santuário brasileiro”, que foi utilizado durante as primeiras peregrinações das relíquias de Santa Teresa através da França entre 1945 e 1947, e novamente em 1995 e 1996. Esteve também presente em Roma para a proclamação do Doutoramento de Santa Teresa em 1997. É agora uma cópia que percorre o mundo, sendo o original guardado em Lisieux.

Doctorat.jpg
Doctorat de sainte Thérèse

Teresa foi canonizada em 1925. A partir de 1930, surgiram pedidos de muitos países de todo o mundo para a proclamação de Santa Teresa como Doutora da Igreja, e o Brasil não foi deixado de fora. A 30 de Setembro de 1930, o Bispo de Taubaté, D. Epaminondas Nunes de Ávila e Silva, enviou uma petição ao Papa solicitando o título de Doutora da Igreja para Teresa. Mas foi só a 19 de Outubro de 1997 que João Paulo II a declarou oficialmente Doutora da Igreja.

Uma devoção ainda hoje fervorosa

Ainda hoje, a ligação entre o Brasil e Santa Teresa continua a ser forte. Considerado o país católico mais importante do mundo em termos de número de fiéis (130 milhões de pessoas), o Brasil não esquece a pequena santa da Normandia.

Muitas igrejas são-lhe dedicadas, tais como a “Paróquia Santa Teresinha” em São Paulo, onde as relíquias serão expostas quando chegarem a 8 de Setembro de 2022. Taubaté, no estado de São Paulo, é o lar da primeira igreja do Brasil dedicada a Santa Teresa. Foi construída a partir de 1923 por iniciativa do Bispo Epaminondas Nunes de Ávila e Silva. Inicialmente, apenas uma capela deveria ser construída, mas o influxo de donativos tornou possível a construção de um enorme santuário, inspirado diretamente na igreja de São Tiago de Lisieux.

shutterstock_1960733419.jpg
Sanctuaire sainte Thérèse, Taubaté, Brésil.
shutterstock_1802684854.jpg
Eglise saint Jacques, Lisieux, France.

Atualmente, juntamente com os Estados Unidos e a Itália, o Brasil é um dos três países estrangeiros cujos cidadãos mais visitam o Santuário de Lisieux. Todos os anos, cerca de 3.000 brasileiros visitam o local de nascimento da Pequena Teresa. “Os brasileiros têm um coração aberto, estão plenamente confiantes na promessa feita por Teresinha: “Quero fazer-vos bem”, e é por isso que muitos deles amam Teresa, diz o Padre Olivier Ruffray, reitor do santuário.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Brasilsanta teresinhaSantos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia