Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 26 Setembro |
São Cosme e São Damião
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano – Papa: aprendamos a amar, não a odiar

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
POPE-FRANCIS-meeting-with-bishops-priests-in-Our-Lady-of-Perpetual-Help-Cathedral-in-Nur-Sultan-AFP-

Photo by Handout / VATICAN MEDIA / AFP

I.Media para Aleteia - publicado em 15/09/22

Boletim Direto do Vaticano de 15 de setembro de 2022

  1. O Papa Francisco reza pelo Cáucaso e a amada Ucrânia
  2. Cristãos no Cazaquistão celebram a chegada de Francisco
  3. “A paz nunca está conquistada duma vez por todas”, insiste o Papa durante uma missa perante os fiéis cazaques

1O Papa Francisco reza pelo Cáucaso e a amada Ucrânia

Por Hugues Lefèvre – O Papa Francisco renovou o seu apelo à paz na Ucrânia no final da missa celebrada em Nur-Sultan perante a comunidade católica do Cazaquistão a 14 de Setembro. Disse que tinha “aprendido com preocupação” sobre a situação no Cáucaso, mas não mencionou a Arménia. Reiterou o seu desejo de limitar a corrida aos armamentos, orientando as “enormes despesas de guerra” para o apoio à população.

“Que mais é necessário, quantas mortes temos de esperar antes que os confrontos dêem lugar ao diálogo para o bem do povo” lamentou o Papa Francisco, pensando em “tantos lugares marcados pela guerra, especialmente a querida Ucrânia”. Diante de cerca de 3.000 fiéis reunidos para uma missa na praça da Expo da capital do Cazaquistão, o pontífice fez este apelo: “Não nos habituemos à guerra, não nos resignemos à sua inevitabilidade”.

Apelos crescentes à paz

O Bispo de Roma, que tem feito repetidos apelos à paz desde o início da invasão russa da Ucrânia, convidou uma vez mais todos a rezarem para que “o mundo aprenda a construir a paz”, “limitando a corrida aos armamentos e convertendo as enormes despesas da guerra em apoio concreto ao povo”.

O Papa Francisco disse também ter aprendido “com preocupação” que “surgiram nas últimas horas novos focos de tensão na região do Cáucaso”. Pediu-nos que rezássemos para que “as relações pacíficas e a harmonia prevaleçam também nestes territórios”.

A 13 de Setembro, eclodiram confrontos em grande escala na fronteira entre a Arménia e o Azerbaijão, resultando na morte de cerca de 100 soldados de ambos os exércitos. O governo arménio denunciou isto como uma agressão. Em 2020, o exército do Azerbaijão tomou o controle da região montanhosa de Nagorno-Karabakh à custa de uma guerra que deixou mais de 6.500 mortos.


2Cristãos no Cazaquistão celebram a chegada de Francisco

Por Camille Dalmas, no Cazaquistão: Sob um sol brilhante iluminando a área futurista da Expo, vários milhares de fiéis da pequena comunidade católica do Cazaquistão reuniram-se para participar da Missa com o Papa Francisco. Freiras missionárias, nativos, cerca de 40 sacerdotes, mas também membros da maioria muçulmana do país, saudaram o pontífice. A agência I.MEDIA, presente no local, recolheu o testemunho de vários deles, muito comovidos com a chegada do pontífice ao seu país.

“É um presente para nós”, disse a Irmã Bojena Zelewska, uma freira polaca que vive no Cazaquistão há 13 anos. Membro da comunidade das Bem-aventuranças, ela fala francês perfeito, uma memória dos seus anos de formação na França, onde passou vários anos.

“Muitas pessoas têm sofrido neste país”

Ela veio participar da Missa com o Papa com uma centena de membros da sua paróquia em Kokchetau, 300 km a norte de Nur-Sultan. A sua cidade foi fundada por deportados polacos numa altura em que a URSS deportava em massa populações não russas para esta região, nomeadamente para os gulags. “Muitas pessoas sofreram neste país, por isso compreendem a importância de viverem juntas e solidárias”, explica.

Enquanto pequenas raparigas de língua russa agitam a bandeira branca e dourada do Vaticano, três religiosas das Missionárias da Caridade dão um passo em frente para tomarem o seu lugar. Entre elas, duas mulheres indianas, todas sorridentes. “Não damos entrevistas mas rezaremos por você”, diz aquela que parece ser a superiora.

Muitas delas estão a viver a sua missão no Cazaquistão. A Irmã Bojena está feliz por viver num país onde a fé se está a desenvolver “muito rapidamente”. “Este país tem uma mensagem de paz, diálogo e escuta mútua para o mundo”, diz ela.

O legado de João Paulo II

Sublinhando a diversidade dos povos – alemão, polaco, eslovaco, russo – e das diferentes religiões – ortodoxos, muçulmanos, católicos – que vivem juntos no mesmo território, elogiou a capacidade de coexistência destas populações. A missa do Papa atraiu mesmo membros de outros países vizinhos, incluindo Turquemenistão e Uzbequistão, que mostraram a sua alegria por estarem presentes, apesar de não se conseguirem fazer entender na sua própria língua, com grandes sorrisos.

A mulher polaca também vê a visita do Papa Francisco como um legado da primeira visita de um pontífice ao Cazaquistão, feita pelo seu compatriota João Paulo II em 2001. “Ele trouxe esta mensagem de paz e agora é o Papa Francisco que confirma esta mensagem”.

Maxim, um católico cazaque de 31 anos de idade, do movimento Comunhão e Libertação, recorda-se um pouco da visita de João Paulo II, mas considera a visita do papa argentino um evento “para a minha geração”. “Sempre esperei que viesse um papa”, diz ele, declarando que este era um dos dias mais felizes da sua vida.

“Toca o meu coração”

“Toca o meu coração”, disse o fotógrafo, que foi convidado para cobrir o evento, em italiano excelente. Originalmente de Karaganda, uma cidade com uma grande população de língua alemã, vive agora em Nur-Sultan.

Quando o pontífice chegou, a multidão pareceu ser dominada pela emoção durante algum tempo e timidamente saudou-o. Mas, graças ao impulso de algumas religiosas que deram a sua voz e depois ao convite de um padre ao microfone, a assembleia fez a sua alegria de ver o seu Papa ser ouvido.


3“A paz nunca está conquistada duma vez por todas”, insiste o Papa durante uma missa perante os fiéis cazaques

Por Camille Dalmas: Durante a missa celebrada com os fiéis da pequena comunidade católica do Cazaquistão, o Papa Francisco recordou esta terra da Ásia Central que viveu uma “perseguição ateísta” e que deve continuar diariamente o seu trabalho pela paz e coexistência entre grupos étnicos e religiões. Pedindo aos crentes para não poluírem o mundo “com o pecado e a desconfiança que vem do Maligno”, o Bispo de Roma assegurou que só olhando para Jesus crucificado é que o caminho da salvação se abre para o homem.

“Não murmurem, não acusem, não façam mexericos, não espalhem obras más, não poluam o mundo com pecado e desconfiança que vem do Maligno”. No segundo dia da sua viagem ao Cazaquistão, na praça da Expo de Nur-Sultan, onde se reuniram cerca de 3.000 pessoas, o Papa Francisco escolheu concluir a sua homilia dirigindo esta série de recomendações aos cristãos, aqueles homens e mulheres que vivem “sem venenos”.

Aprendamos a amar, não a odiar

Enquanto a Igreja celebra a festa da Cruz Gloriosa a 14 de Setembro, pediu aos católicos que mantivessem “os olhos voltados para Jesus” para que a “mordida do mal” não pudesse mais dominar. “Porque na cruz tomou sobre si o veneno do pecado e da morte e derrotou o seu poder destrutivo”, ensinou o pontífice de 85 anos. Dessa cruz, ele prometeu: “aprendemos o amor, não o ódio; aprendemos a compaixão, não a indiferença; aprendemos o perdão, não a vingança”.

Para o Papa, desviar o olhar da cruz é expor-se às picadas mortais da serpente. Estes ataques ocorrem em “situações de vida pessoal, eclesial e social”, advertiu o Papa. Então a “cobra da desconfiança” injecta-nos “os venenos da desilusão e do desânimo, do pessimismo e da resignação”.

O passado doloroso das terras do Cazaquistão

Outras picadas dolorosas atingiram o Cazaquistão, lamentou Francisco, o segundo papa a pôr os pés no país da Ásia Central após a viagem de João Paulo II em 2001. “penso nas serpentes ardentes da violência, da perseguição ateísta, penso naquele caminho por vezes conturbado durante o qual foi ameaçada a liberdade do povo e ferida a sua dignidade”, enumerou, sem entrar em pormenores do período soviético durante o qual esta região se tornou o local das deportações.

“É bom que guardemos a memória do que sofremos”, insistiu, sublinhando que certas obscuridades não devem ser apagadas da memória, pois “pode-se pensar que sejam água passada e que o caminho do bem esteja delineado para sempre. E não! A paz nunca está conquistada duma vez por todas; há de ser conquistada cada dia, como também a convivência entre etnias e tradições religiosas diversas, o desenvolvimento integral, a justiça social.”

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Direto do VaticanoGuerraPapa Francisco
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia