Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 01 Outubro |
Santa Teresinha do Menino Jesus
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: O conselho do Papa Francisco aos trapistas

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
VII-Congress-of-Leaders-of-World-and-Traditional-Religions-AFP

FILIPPO MONTEFORTE | AFP

I.Media para Aleteia - publicado em 20/09/22

Boletim Direto do Vaticano de 20 de setembro de 2022

  1. Papa convida os trapistas a evangelizarem através de um estilo próprio
  2. “A nossa tarefa não é gerir a santidade, mas reconhecê-la”, diz o prefeito do dicastério para as Causas dos Santos
  3. Cardeal Parolin chama os médicos católicos a “enraizarem-se numa sólida espiritualidade”

1Papa convida os trapistas a evangelizarem através de um estilo próprio

Por Cyprien Viet: Dirigindo-se aos “homens chamados à contemplação na escola de São Bento e São Bernardo”, o Papa Francisco recebeu no dia 16 de Setembro os participantes na segunda parte do Capítulo Geral da Ordem Cisterciense da Observação Estrita, atualmente a decorrer em Assis, Itália central. Estes monges, conhecidos como “Trapistas”, realizaram a primeira parte do seu capítulo em Fevereiro passado, o que levou à eleição de um monge holandês, Dom Bernardus Peeters, como abade geral da Ordem.

No seu discurso, que ressoou com a espiritualidade inaciana e a tradição monástica, o Papa insistiu na imagem dos “sonhos de Jesus” em quatro aspectos inspirados pelo caminho sinodal: “comunhão, participação, missão e formação”. Esta “busca espiritual gratificante” deveria ajudar os monges trapistas a viverem juntos um caminho de santidade, numa lógica de “comunhão fraterna”, insistiu Francisco.

“Jesus não tinha medo da diversidade que existia entre os Doze”

A comunhão, como seguidores de Jesus, “não consiste na nossa uniformidade, homogeneidade, compatibilidade mais ou menos espontânea ou forçada. Não, consiste na nossa relação comum com Cristo, e n’Ele com o Pai no Espírito”, insistiu o Papa. Ele apelou aos Trapistas para não terem medo da “diversidade”, porque “Jesus não tinha medo da diversidade que existia entre os Doze”. Advertiu, contudo, contra o perigo de “particularismos” e “exclusivismos” que “causam divisões”.

Sublinhando o caráter concreto da “comunhão fraterna”, o Papa destacou também o “sonho de Jesus” de ver “uma Igreja que é toda missionária”. A evangelização do mundo pode ser feita de diferentes maneiras, de acordo com o sonho de Deus, mesmo para os religiosos contemplativos, explicou o Papa Francisco.

Trapistas, atores de uma “Igreja em movimento”

“Um monge que reza no seu mosteiro está a fazer a sua parte para trazer o Evangelho a esta terra, ensinando às pessoas que lá vivem que temos um Pai que nos ama, e neste mundo estamos a caminho do Céu”. Os trapistas são portanto também atores numa “Igreja em movimento”, assumindo um estilo de vida marcado pela “humildade e serviço”, fazendo assim o seu batismo dar frutos num “caminho de santidade”, explicou o Papa Francisco.

De acordo com as estatísticas de 31 de Dezembro de 2021, a Ordem Cisterciense da Observação Estrita tem atualmente cerca de 1.600 monges trapistas e 1.500 freiras trapistas, distribuídos respectivamente em 102 comunidades masculinas e 77 comunidades femininas em todo o mundo. Entre os seus locais mais conhecidos encontram-se as abadias de Cîteaux, Timadeuc e Tamié na França. Os sete monges de Tibhirine na Argélia, mortos em 1996 e beatificados em 2018, eram membros desta Ordem.


2“A nossa tarefa não é gerir a santidade, mas reconhecê-la”, diz o prefeito do dicastério para as Causas dos Santos

Por Isabella H. de Carvalho – “O apelo à santidade não é algo elitista, mas algo que se dirige a todos”, disse o Cardeal Marcello Semeraro, Prefeito do Dicastério para as Causas dos Santos, a 19 de Setembro, numa conferência de imprensa para apresentar um seminário de estudo intitulado “Santidade Hoje”. O evento terá lugar de 3 a 6 de Outubro e incidirá sobre “o apelo à santidade” no contexto atual.

“A nossa conferência sobre santidade deriva precisamente deste desejo de entrar em diálogo com o mundo de hoje”, explicou o Cardeal Semeraro, acrescentando que “a santidade é percorrer um caminho, o caminho que conduz ao encontro com Cristo”. A conferência centra-se em dois temas principais que são essenciais na avaliação das causas de beatificação e canonização: “a reputação de santidade” e o significado das “virtudes heróicas” cristãs.

“A tarefa do nosso dicastério não é de gerir a santidade, mas de a reconhecer”.

A conferência já conta com 200 inscritos e contará com a intervenção de padres, bispos e cardeais, mas também de jornalistas e académicos. O Cardeal Semeraro explicou que espera organizar mais frequentemente conferências de estudo desta magnitude. O seu objetivo é reunir com mais frequência todos os envolvidos no processo de avaliação das causas de santidade.

“O nosso dicastério não é a fábrica de santos […], a tarefa do nosso dicastério não é gerir a santidade, mas reconhecê-la”, explicou o cardeal italiano. “O cristianismo não é uma religião fácil, não é uma religião que se limita à realização de fatos externos, mas requer um compromisso interior, também para ultrapassar dificuldades”, continuou o prefeito do dicastério.

Uma clara necessidade de santos

Em resposta à pergunta de um jornalista sobre o Cardeal Joseph Zen, Bispo Emérito de Hong Kong, a quem algumas pessoas atribuem uma “reputação de santidade”, o Cardeal Semeraro disse que de fato “o Cardeal Zen mostra-nos que não é fácil ser cristão”. O cardeal chinês deveria comparecer no tribunal a 19 de Setembro. Foi detido em Maio pelas autoridades chinesas que o acusaram de “conluio com forças estrangeiras”.

“A necessidade de santos nunca foi tão evidente como neste momento da história”, acrescentou Cecilia Costa, professora de sociologia na Universidade de Roma III e oradora no congresso. Ela explicou que o mundo está a atravessar uma “crise cultural, antropológica, espiritual e ambiental”. Ela observou uma “reversibilidade de significado e sem sentido” e considerou que “os únicos que podem trazer equilíbrio, renovação, regeneração cultural, são os santos”.


3Cardeal Parolin chama os médicos católicos a “enraizarem-se numa sólida espiritualidade”

Por Hugues Lefèvre : O Cardeal Pietro Parolin falou no sábado passado aos médicos da Federação Internacional das Associações Médicas Católicas (FIAMC) reunidos em Roma para um congresso sobre o tema “Medicina: Restaurativa ou Transformativa? A missão do médico cristão”. Ele esperava que a oração estivesse no centro das suas vidas como médicos.

“A vossa vida profissional deve estar enraizada numa sólida espiritualidade, como base da vossa identidade e do vosso compromisso responsável”, insistiu o Secretário de Estado da Santa Sé perante cerca de 300 médicos ou estudantes de medicina membros da FIAMC, uma federação que reúne 120.000 médicos de todo o mundo através de 80 associações.

Cuidado com a “cultura da insensibilidade”

O cardeal italiano salientou que “sem um encontro diário em oração com o ‘médico divino’ […], a vossa fé corre o risco de permanecer um ponto de referência um pouco extrínseco, com todas as consequências morais e espirituais que isso implica”.

Neste mundo onde prevalece a “cultura da insensibilidade”, apelou à memória dos Santos Cosme e Damião, “médicos que tratavam pessoas gratuitamente”. Juntamente com outros, mostraram “que a medicina, quando estreitamente ligada a uma sólida espiritualidade baseada no encontro direto com Deus, será sempre um caminho privilegiado de evangelização e de renovada santidade para a Igreja, e portanto um caminho de transformação para a Igreja e para toda a humanidade”.

O Cardeal Parolin também defendeu que os médicos pudessem voltar a ser “interlocutores responsáveis”, enquanto o mundo médico atual condiciona por vezes os agentes da saúde a alcançar objetivos “parcial ou totalmente estranhos à cultura da saúde e por vezes em conflito com a própria deontologia profissional”.

Avenidas abertas para ajudar os médicos católicos

O congresso da FIAMC, que se realiza de quatro em quatro anos, teve lugar em Roma, de 15 a 17 de Setembro. Esta federação, presidida pelo cirurgião belga Bernard Ars, está ligada tanto ao Dicastério para o Serviço de Desenvolvimento Humano Integral como ao Dicastério para os Leigos, Família e Vida.

Nas suas observações finais, Dominique Lambert, Doutora em Ciência e Filosofia na Universidade de Namur, observou que o congresso tinha salientado a “necessidade de reunir jovens e velhos médicos […] para apoiar a sua vida espiritual” num mundo altamente secularizado. Segundo ele, é também importante propor “uma formação contínua especificamente dedicada aos médicos católicos, em articulação com a formação técnica”.

Esta formação seria dividida em quatro partes. Em primeiro lugar, uma formação “filosófica” que permitiria “o fundamento de uma ética das práticas médicas”, disse, referindo-se aos desafios representados pelas “práticas de eutanásia ou projetos transhumanistas”. A segunda parte seria teológica, a fim de redescobrir “as riquezas da antropologia bíblica” ou a “teologia do corpo” de João Paulo II.

A terceira parte preocupar-se-ia em pensar em “ação técnica e fé, tecnociência e fé”. Finalmente, uma última dimensão possível da formação poderia, segundo Dominique Lambert, ser a de uma formação jurídica e política.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Direto do VaticanoPapa FranciscoSaúde
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia