Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 03 Dezembro |
São Birino de Dorchester
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Ucrânia: “Mesmo os não-crentes pedem terços”, bispo fala sobre a fé em meio à guerra

posługa bp. Jana Sobiło w czasie wojny na Ukrainie

fot. archiwum bp. Jana Sobiło

Beata Zajączkowska - publicado em 23/10/22 - atualizado em 19/10/22

Um oficial disse-me uma vez que nas trincheiras os não-crentes já não existem... Os capelães contam como os soldados pedem orações. Veja:

O Bispo Jan Soblova trabalha na Ucrânia há mais de 30 anos. É bispo auxiliar da diocese de Kharkiv-Zaporozhye, onde decorrem os combates mais ferozes e onde se encontram os territórios ocupados pela Rússia. Desde o início da guerra em 2014, ele não deixou Zaporizhia, trazendo apoio espiritual e material aos necessitados. Está frequentemente entre os soldados nas trincheiras e, juntamente com o bispo protestante, traz pessoalmente ajuda alimentar para as zonas da linha da frente onde é mais perigoso.

Beata Zajączkowska: Há vários dias que Zaporozhye tem sido duramente atacada, qual é a situação na cidade?

Bispo Jan Soblova: As últimas noites têm sido trágicas. O ruído dos foguetes que explodem na escuridão é aterrador. Os russos estão a atacar enquanto se vingam pela destruição da ponte para a Crimeia. Há também um novo chefe do exército russo encarregado da invasão na Ucrânia e ele é um homem impiedoso.

Penso que agora vai ficar pior. Uma nova onda de partidas está a preparar-se. Muitas pessoas vieram ter comigo depois da missa dominical e quiseram despedir-se porque iam fugir. Os russos estão a atacar deliberadamente blocos de apartamentos, eles pretendem intimidar-nos.

Onde caíram os últimos foguetes, não havia instalações militares ou locais de trabalho nas proximidades. Esta é uma cidade dormitório. Os russos, com medo, querem forçar as pessoas a pressionar as autoridades para que não defendam a cidade. Mas isto não os ajudará, porque os nossos soldados estão fortemente determinados a libertar toda a área.

Infelizmente, temos de pagar um preço muito elevado, sendo o preço mais elevado pago por aqueles que já morreram, mas também por aqueles que perderam braços ou pernas no front. Este é um preço enorme, mas esta guerra tem de ser ganha, caso contrário a Rússia irá chantagear e destruir não só a Ucrânia, mas todo o mundo civilizado.

As pessoas estão a fugir, estará o Bispo a pensar nisso também?

A menos que todos os paroquianos partissem, mas caso contrário, não penso nisso. A menos que não haja mais ninguém, então eu também irei. Assim dizem os outros padres e irmãos religiosos.

No domingo passado o primaz celebrou a Missa no nosso santuário de Deus Pai Misericordioso. Houve também uma ordenação sacerdotal em Zaporozhye. É um sinal de esperança que neste tempo de guerra Deus nos dê um padre. O padre Igor Syciof é natural de Mariupol, aquela cidade simbólica do martírio do povo ucraniano.

Quando a guerra começou em 2014, ele empacotou os seus pertences, deixou o seminário e foi lutar na frente de combate. Esteve lá durante três anos. Depois regressou para completar a sua formação. Os seus pais, que apenas tinham conseguido sair das áreas ocupadas pela Rússia, vieram à ordenação. É terrível, mas temos muito que agradecer a Deus por isso. Acima de tudo, que nos foi dada a oportunidade de despertar.

posługa bp. Jana Sobiło w czasie wojny na Ukrainie

A ajuda humanitária continua a chegar até si?

Ainda estamos a receber apoio. Há também medicamentos a serem entregues. Assim, os hospitais onde os soldados recebem os primeiros-socorros depois de serem transportados da frente de batalha têm tudo o que precisam. Há também algo para comer e algo para partilhar com aqueles que conseguem fugir das áreas ocupadas.

Também levamos as embalagens de alimentos para a linha de frente e, apesar do perigo, continuamos a prestar essa ajuda. Uma vez que os russos estão a visar infra-estruturas civis, querendo privar-nos de água, eletricidade e gás, estamos a preparar-nos para um Inverno difícil. Estamos a instalar nas casas pequenos fogões de carvão e madeira e os tubos de fumaça são trazidos para fora da janela.

Estamos a trazer geradores de eletricidade. Estamos também a cavar um poço profundo entre a nossa igreja e a cúria. Esperamos conseguir fazê-lo a tempo. Cada vez mais pessoas vêm a nós em busca de pão. Assim, tentamos garantir produtos a longo prazo, para que possamos usá-los para cozinhar sopa para o povo e cozer pão. Dividimos para que ninguém fique com fome.

Parte da diocese de Kharkiv-Zaporozhye está sob ocupação desde 2014. Como é que a guerra mudou o ministério pastoral nestas áreas?

Muitos lugares não podem ser alcançados por um padre e as pessoas cuidam elas próprias da sua vida espiritual. Estamos em contato com elas por telefone, tanto quanto possível. Antes de 24 de Fevereiro era pelo menos claro onde se situava a linha de frente, para onde podíamos ir, onde nos permitiriam tirar as pessoas. Agora é difícil prever qualquer coisa. Pode ficar debaixo de fogo em qualquer lugar. Estão a arruinar casas, escolas, hospitais. Há ainda a central nuclear nas proximidades e a ameaça nuclear.

Sinto por mim próprio que a guerra está a tornar-se cada vez mais cruel e que só as pessoas podem fazer pouco, só a misericórdia de Deus pode ajudar. A situação dita o que fazer. Temos duas Missas no cronograma e o resto é feito espontaneamente. Onde há necessidades vamos: para a linha de frente, para a casa de alguém, levamos pessoas, visitamos hospitais, falamos, preparamo-nos para os sacramentos. Estamos disponíveis para uma determinada pessoa.

Muitos regressaram aos sacramentos durante este tempo, muitas vezes pessoas batizadas que nunca praticaram. Temos casais que pensam há muito tempo sobre se vão casar, e agora dizem que querem ter a união sacramental. O mesmo com a confissão.

ukraiński żołnierz z różańcem przymocowanym do broni

Viaja frequentemente para a linha de frente, fala com os soldados?

O mais difícil é ouvir os seus desejos, que gostariam de ver as suas esposas, filhos, mães. Pode-se ver que estes são homens que não têm medo, carregam armas pesadas e, no entanto, quando pensam na família, têm lágrimas nos olhos. Este desejo deles de ver os seus mais próximos e queridos de novo toca-me mais pessoalmente e faz-me rezar por eles, para que Deus os deixe viver este tempo na linha de frente ainda mais fervorosamente.

Ao mesmo tempo, porém, quando se ouve as suas histórias, isso traz esperança. Mais de uma vez ouvi falar de situações em que não tinham qualquer hipótese de serem salvos, e inesperadamente o cenário mudou e eles foram salvos. São eles que me mostram que Deus não está apenas encarregado das galáxias e das grandes coisas, mas está também a pensar no soldado particular que se senta na trincheira e tem a tarefa de não deixar passar os invasores que estão a tentar infiltrar-se no nosso território.

Lembro-me dos soldados que encontraram um pequeno gato no campo e o guardam nas trincheiras a cuidar dele porque, diziam eles, isso lembra-lhes que é assim que Deus cuida das suas vidas.

Há vídeos online de soldados com armadura completa e com um rosário à volta do pescoço ou capelães a fazer o sinal da cruz na testa antes de entrarem em batalha…

Está a ter lugar mais evangelização da Ucrânia nas trincheiras do que no interior. Os soldados que estão na linha de frente não pensam em coisas banais, têm questões fundamentais sobre o sentido da vida. Se não há Deus, então a vida não tem sentido, e se há sentido para lutar e mesmo morrer, é porque há um Deus e eu viverei para sempre, e também será melhor para aqueles que eu defendo.

Um oficial disse-me uma vez que não havia mais não-crentes nas trincheiras. Se assim for, sob o açoite das balas experimentam uma graça especial e Deus dá-lhes de forma milagrosa a compreensão básica de que tudo faz sentido porque Ele existe e nos redimiu. É aqui que coisas milagrosas acontecem realmente. Vi soldados a juntarem-se nas trincheiras para lerem juntos as Escrituras. É espantoso como as palavras do Evangelho ressoam em tal situação, momentos em que as armas são silenciadas para manter o espírito cristão vivo nos nossos defensores.

posługa bp. Jana Sobiło w czasie wojny na Ukrainie

Uma religiosa que viajava para a linha de frente disse-me que as pessoas agora querem mais de Deus do que pão…

Mesmo os não-crentes estão a pedir terços. Os capelães ensinam como devem recitas os Pai-Nossos e as Aves-Marias. Pedem para lhes ser dado um diagrama do que devem rezar em cada mistério, e isso muitas vezes é ensinado pelas freiras que se deslocam para as trincheiras. Eles valorizam muito isto e é uma necessidade do seu coração.

Penso que Deus, mesmo com este gesto de lhes pôr o terço ao pescoço, já os está a abençoar. É interessante notar que nunca põem os seus rosários nos bolsos porque dizem estar sujos, penduram o rosário ao pescoço para manter a cruz perto do coração.

Nas trincheiras não se encontra um quadro sagrado em qualquer lugar, tem de ter um lugar especial. Este respeito pelo sagrado é já uma forma da sua oração. Antes da batalha, realiza-se a chamada unção com óleo consagrado, para que o Espírito Santo suscite o que fazer e como agir, também para que o encorajamento e a esperança estejam no coração, para que o medo não se apodere. O capelão faz o sinal da cruz na testa, como um reforço para o momento da batalha e estando na linha de frente.

O que o senhor gostaria de pedir aos leitores da Aleteia?

Que rezem e se recordem de nós. Porque se eu sofrer e alguém se lembrar de mim, é muito mais fácil para mim. É importante estar presente para aqueles que sofrem onde há guerra. A recordação do mundo da guerra, do que está a acontecer não nos faz desesperar.

Sabemos que alguém nos defenderá, que o mundo não nos permitirá ser varridos da terra, que mesmo que morramos, lembrar-se-ão de que lutámos pela liberdade não só de nós próprios mas também da Europa e do mundo. É por isso que esta solidariedade e recordação são tão importantes para nós, talvez até mais importantes do que o pão, porque faz com que, mesmo que tenhamos de morrer, esta morte não seja desprovida de sentido, porque alguém se lembrará que aqui demos as nossas vidas para nos opormos ao mal.

Tags:
GuerraRússiaUcrânia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia