Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 17 Abril |
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

A princesa católica com uma fé imortal e uma força incrível

A woman looks at portraits of English King Henry VIII and his first wife Catherine of Aragon

LEON NEAL | AFP

Cerith Gardiner - publicado em 28/10/22

Eis uma princesa cujas virtudes e fé podem trazer inspiração a todos nós

Com a recente morte da Rainha Elizabeth II, houve uma pequena remodelação na família real britânica. Nomeadamente, Catherine (Catarina), a Duquesa de Cambridge, recebeu o título de Princesa de Gales, ou Tywysoges Cymru entre os galeses.

A detentora anterior do título era, claro, a falecida Princesa Diana, que era amada por milhões de pessoas. Enquanto muitos sentem que Catherine ainda tenha um caminho a trilhar, a realidade é que houve uma Catherine anterior, Princesa de Gales, cuja vida foi verdadeiramente exemplar e é uma figura ainda mais impressionante a imitar.

Ao longo da história houve algumas dignas detentoras do título de Princesa de Gales; no entanto, se recuarmos até 1485, há uma Princesa de Gales que teve de enfrentar os caprichos do seu marido que acabaram por levar à “anulação” do seu casamento.

Catarina de Aragão, uma esposa virtuosa

Catarina de Aragão foi a primeira esposa de Henrique VIII, o rei britânico famoso por cortar a cabeça das suas esposas se elas se metessem no caminho da sua vida amorosa. No entanto, antes da devota Catarina ser casada com o rei da Casa de Tudor – que causou a separação da Igreja em Inglaterra da autoridade papal – ela foi casada com o irmão mais velho de Henrique: Arthur, o Príncipe de Gales.

Como esposa de Arthur, Catarina foi feita Princesa de Gales em 1501. Infelizmente, ela não manteve esse título durante muito tempo, uma vez que Arthur morreu no espaço de um ano após o seu casamento. Após a sua morte, Catarina tornou-se a primeira mulher embaixadora, representando a coroa aragonesa na Inglaterra.

A princesa nascida na Espanha passou a ser a Rainha da Inglaterra quando acabou por se casar com Henrique VIII em 1509. E como sua esposa, ela atuou como regente da Inglaterra durante seis meses enquanto o seu marido esteve na França. Durante este tempo, ela supervisionou uma importante vitória inglesa numa batalha contra a Escócia.

Uma mãe dedicada

Enquanto casada com Henrique, Catarina sofreu múltiplas perdas de filhos. Ela teve de sofrer a dor do parto de pelo menos três natimortos, bem como a perda de um filho na primeira infância. Para grande irritação do seu marido, o casal teve apenas uma filha sobrevivente – Mary. (Mary tornou-se rainha da Inglaterra, ou “Bloody Mary”, uma católica devota que fez o seu melhor para desfazer a Reforma do seu pai).

Uma mulher de princípios

Quando o descontente Henrique decidiu que queria deixar Catarina para casar com Ana Bolena – esperando ser pai de um desejado herdeiro masculino – a devota católica resistiu. O Papa Clemente VII recusou uma anulação, e embora o obstinado Henrique tenha declarado o seu casamento anulado ao separar-se da Igreja, Catarina recusou-se a reconhecer a anulação.

Ela escreveu ao seu sobrinho, o Santo Imperador, Carlos V:

As minhas tribulações são tão grandes, a minha vida tão perturbada pelos planos diariamente inventados para promover a intenção perversa do Rei, as surpresas que o Rei me dá, com certas pessoas do seu conselho, são tão mortais, e o meu tratamento é o que Deus sabe.

Felizmente para Catarina, ela tinha muitos simpatizantes. Nesta fase, Henrique não estava sedento de sangue; reconheceu a sua ex-mulher como a Princesa de Gales, e enviou-a para o Castelo de Kimbolton, onde permaneceria no seu quarto, deixando-o apenas para assistir à missa. Ela foi mantida afastada da sua filha Mary, mas o rei disse que lhes permitiria verem-se se Catarina reconhecesse Ana Bolena como sua legítima esposa. Tanto Catarina como Mary recusaram isto, e não se puderam ver uma à outra.

A sua fé inabalável

Como membro da Terceira Ordem de São Francisco, Catarina cumpriu todas as suas obrigações. Ela era devota na sua oração, penitência e confissão, e na sua participação na Missa. Ela acreditava que os seus votos matrimoniais eram feitos perante Deus, por isso nunca desistiu do seu marido. Ela era firme na sua fé, e até morrer aos 50 anos de idade de câncer, acreditava ser a legítima esposa de Henrique. Curiosamente, Ana Bolena foi executada pouco tempo depois da morte de Catarina.

Tags:
Elizabeth IIHistóriaHistória da Igreja
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia