Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 03 Dezembro |
São Birino de Dorchester
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Bahrein, um refúgio para cristãos na Península Arábica

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Notre-Dame-Darabie-Bahrein-AFP

Anadolu Agency via AFP

Notre-Dame d'Arabie (Bahreïn)

I.Media para Aleteia - publicado em 28/10/22

Seu Boletim Direto do Vaticano de 28 de outubro de 2022

  1. Bahrein, um refúgio histórico para cristãos árabes – Entrevista com Antoine Fleyfel
  2. Embaixador do Bahrein apresenta as suas credenciais ao Papa Francisco
  3. Nomeações do Núncio Apostólico em El Salvador e do Assessor para os Assuntos Gerais da Secretaria de Estado

1Bahrein, um refúgio histórico para cristãos árabes – Entrevista com Antoine Fleyfel

Por Hugues Lefèvre – A viagem do Papa ao Bahrein, de 3 a 6 de Novembro de 2022, é uma oportunidade para mergulhar na história da presença cristã na Península Arábica. Antoine Fleyfel, diretor do Instituto dos Cristãos Orientais, conta a I.MEDIA esta história em que o Bahrein tem um papel singular desde que a ilha foi o bastião da Igreja do Oriente, antes da chegada do Islã.

O franco-libanês, membro do Œuvre d’Orient, explica também porque é que a inauguração da Catedral de Nossa Senhora da Arábia no Bahrein em 2021 tem “um peso semelhante” à Declaração sobre a Irmandade Humana assinada pelo Papa e pelo Grande Imã de al-Azhar em 2019 nos Emirados. Finalmente, para ele, esta segunda viagem de um papa à Península também lhe permite sonhar com uma viagem de um papa a Meca. Entrevista.

Quando começou a presença cristã na Península Arábica?

As tradições na Península Arábica datam a presença cristã de volta aos tempos apostólicos. Alguns dizem que um dos 70 discípulos de Jesus foi para esta região, outros dizem que Mateus foi o evangelizador do Iêmen. Mas só podemos falar de uma presença cristã consistente e objetiva na Arábia a partir do século IV. A Igreja do Oriente – os nestorianos – teve então uma atividade missionária significativa e fez do Bahrein a sua capital. Chegou a esta região porque foi perseguida pelos sassânidas, por um lado, e pelos bizantinos, por outro – tendo Nestor sido condenado e o seu pensamento considerado herético. A Península Arábica tornou-se assim uma terra de refúgio para esta Igreja.

Antes da chegada do Islã, estavam presentes outras “famílias cristãs” nesta terra?

Sim, porque a região era um importante centro comercial, especialmente com Meca. Os bizantinos estavam presentes, bem como as comunidades jacobitas siríacas – os monofísitas – e depois as comunidades judaico-cristãs que tinham sido estabelecidas desde o século II. Podemos mencionar os famosos ebionitas, que, segundo alguns historiadores, se encontravam entre os que se converteram ao Islã. Diz-se que estes cristãos, que ainda praticavam o culto judaico, deram ao Islã uma estrutura dogmática.

Em resumo, sabemos que nos séculos IV, V e VI foram estabelecidas igrejas na região, com bispos, santos, tribos, poetas e reis cristãos… A Arábia não pode, portanto, ser apresentada perante o Islã como uma terra apenas de politeísmo. Mas é verdade que o cristianismo que ali se desenvolveu foi um cristianismo marginal.

Existem alguns vestígios desta presença pré-islâmica?

Em quase todos os países do Golfo, há vestígios desta presença cristã. Em Jubayl, por exemplo, na Arábia Saudita, alguns ulemas extremistas explicam que os restos encontrados devem ser apagados porque não é possível ter vestígios de uma religião não-muçulmana na Arábia. No Bahrein, há também restos da Igreja Nestoriana, que ali floresceu.

Com a chegada do Islã, o que aconteceu a estas comunidades cristãs?

Com Maomé, muitas tribos converteram-se, enquanto outras beneficiaram de um estatuto especial que as protegeu em troca de um imposto. Quando o Profeta morreu, muitas das tribos convertidas optaram por regressar ao cristianismo. O primeiro califa lançou então uma série de expedições militares para os castigar. Foi durante o reinado do segundo califa, Omar, que se considerou que duas religiões não podiam coexistir na Arábia. Este slogan ainda circula hoje em dia.

Com o segundo califa, foi dada às tribos árabes cristãs a escolha entre conversão, tributação ou partida. Assim, os cristãos partiram para Anatólia, na Turquia de hoje, ou para a Síria. Esta lógica não era rigorosa. Permaneceram pequenas tribos árabes cristãs até ao século IX.

Quando é que a presença cristã retornou?

Só no século XIX é que foi. Este retorno foi conseguido através de vários meios. Em primeiro lugar, foi durante este período que missionários protestantes e católicos foram em massa para o Leste, fundando escolas e missões. Em segundo lugar, as grandes potências ocidentais começaram a intervir na região, trazendo consigo o cristianismo católico, anglicano e evangélico.

Em 1892, os missionários americanos fundaram a primeira igreja protestante na Península. Ao mesmo tempo, Leão XIII criou o Vicariato Apostólico da Arábia em 1888, que abrangia os Emirados, Omã e Iémen, mas também o Bahrein, a Arábia Saudita, o Qatar e o Kuwait. Em 1953, Roma estabeleceu um segundo vicariato, agora chamado Vicariato Apostólico da Arábia do Norte, abrangendo as quatro últimas regiões acima mencionadas. A estrutura de 1888 foi então chamada Vicariato Apostólico do Sul da Arábia e agora abrange apenas os Emirados, Omã e Iémen.

Deve salientar-se, contudo, que a atividade missionária na Península foi muito menos importante do que a observada na Síria ou no Iraque.

Quem são hoje os cristãos do Golfo?

São principalmente expatriados que vieram trabalhar na Península. É claro que existem algumas pequenas comunidades locais, Bahrainis e Kuwaitianos, mas são uma minoria minúscula. Como em toda a parte no Oriente, é difícil avaliar o número de cristãos na Península. Os números variam entre 1,6 e 3,5 milhões. Na Arábia Saudita, estima-se que o número de cristãos se situe entre 2 e 4% da população, ou seja, quase 1,5 milhão de cristãos. Nos Emirados Árabes Unidos, estima-se que sejam cerca de 1 milhão, no Kuwait entre 8 e 14% da população, em Omã entre 2,5% e 5% e no Qatar cerca de 5%. Estima-se que o Bahrain tenha entre 150.000 e 250.000 cristãos.

Cerca de 75% destes cristãos são católicos. São principalmente trabalhadores das Filipinas e da Índia. Depois há cristãos do Ocidente e do Oriente – do Líbano, Síria, Palestina, Egito e Iraque. No Líbano, por exemplo, tem havido muito incentivo para partir para o Golfo, porque lá há trabalho, não é longe, e é quase impossível obter a nacionalidade, pelo que um regresso é quase certo, ao contrário dos libaneses que partiram para o Canadá…

Podemos falar sobre eles como parte dos “cristãos orientais”?

Não, porque o termo “cristãos orientais” refere-se aos cristãos do Oriente Médio que são nativos desde os tempos apostólicos. A maioria dos cristãos do Golfo são católicos latinos expatriados. É verdade que entre os cristãos do Golfo existem cristãos do Oriente, mas o cristianismo nestes países é uma realidade diáspora.

Quais são as dificuldades destes cristãos expatriados?

Vejo duas grandes dificuldades. A primeira é geográfica. Para encontrar uma paróquia para assistir à Missa, muitos têm de percorrer centenas de quilómetros. Tomemos o caso da Arábia Saudita onde não há igreja. No melhor dos casos, a missa pode ser celebrada em embaixadas. Caso contrário, é preciso ir ao Bahrein através da chamada “ponte do uísque” – porque o álcool está mais facilmente disponível no Bahrein – para chegar a Nossa Senhora da Arábia, por exemplo.

No Golfo, pode-se ficar feliz por ver dezenas de igrejas, como nos Emirados, mas isto é muito pouco quando se sabe que a Península conta vários milhões de crentes… Na igreja do Sagrado Coração de Manama, no Bahrein, a mais antiga igreja católica construída em 1939, há sextas-feiras com 10 missas e domingos com 8 missas.

A segunda dificuldade, comum a todos os países do Oriente Médio, é a das conversões. Os muçulmanos não estão autorizados a converter-se ao cristianismo, caso em que são considerados apóstatas e estão sujeitos à pena de morte. Esta é uma questão tabu, tanto do lado muçulmano como do lado cristão.

Quais são as condições de vida dos cristãos no Bahrein?

Em primeiro lugar, como em outros países do Golfo, existe uma tradição de tolerância. Em 2014, a visita do Rei Hamad bin Isa Al-Khalifa ao Vaticano foi um sinal do compromisso do Reino com esta tolerância mas também com a coexistência. Três anos mais tarde, o rei emitiu uma declaração oficial defendendo a liberdade de religião para todos e a rejeição do extremismo, logo após a queda do Estado Islâmico.

Em segundo lugar, o Bahrein é historicamente um lugar importante para o cristianismo na região. Vimos que no século V, a Igreja do Oriente refugiou-se ali. Foi também onde os missionários protestantes fundaram a primeira igreja em 1892 e os católicos fizeram o mesmo em 1939.

Mais recentemente, foi o rei do Bahrein que concedeu terras para a construção da catedral do Vicariato da Arábia do Norte, Nossa Senhora da Arábia, o maior edifício cristão da Península, que pode acomodar até 2.300 fiéis. De fato, alguns consideram que esta catedral tem um peso semelhante ao da Declaração sobre os Irmãos Humanos assinada pelo Papa e pelo Grande Imã de al-Azhar em 2019 nos Emirados. É um símbolo de tolerância, diversidade e reforço do diálogo islâmico-cristão.

Finalmente, a constituição do Bahrein preserva os direitos dos não-muçulmanos. Não é perfeito, mas os cristãos podem ocupar altos cargos nos campos económico, cultural ou médico. No entanto, não podem candidatar-se a posições de governo.

O que podemos esperar da viagem do Papa Francisco ao Bahrein?

É uma viagem que faz parte do desenvolvimento do Concílio Vaticano II. A Santa Sé vai cada vez mais longe no seu diálogo com as religiões, com o Islã. Francisco levou esta lógica muito longe, indo ao encontro das mais altas autoridades sunitas – o Rei de Marrocos ou o Grande Imã de al-Azhar – e as autoridades xiitas – encontrando-se com o Ayatollah al-Sistani no Iraque. Ao visitar a Península pela segunda vez, Francisco recorda-nos que o diálogo deve estar vivo. Começa-se agora a sonhar com uma viagem de um papa a Meca…


2Embaixador do Bahrein apresenta as suas credenciais ao Papa Francisco

Por Hugues Lefèvre – O Papa Francisco recebeu em audiência Muhammad Abdul Ghaffar, embaixador do Reino do Bahrein junto da Santa Sé, na quinta-feira 27 de Outubro. O encontro teve lugar na altura em que o pontífice argentino deverá visitar o pequeno Estado do Golfo de 3 a 6 de Novembro.

Muhammad Abdul Ghaffar nasceu em Manama, a capital do Bahrein, em 1949. É muçulmano, casado e tem cinco filhos. Depois de estudar ciências políticas na Índia e nos Estados Unidos, embarcou numa carreira diplomática em 1975.

Serviu o seu país na Jordânia, nas Nações Unidas, como embaixador nos Estados Unidos, Canadá e Argentina de 1995 a 2001, mas também na Bélgica (2008-2009) ou em França e já na Santa Sé – mas não residente – de 2015 a 2021. É novamente embaixador na França desde 2022.

Foi Ministro de Estado no Ministério dos Negócios Estrangeiros do seu país no início dos anos 2000 e conselheiro do Rei do Bahrein para assuntos diplomáticos de 2009 a 2014.

Muhammad Abdul Ghaffar e o Papa terão, sem dúvida, discutido a próxima viagem do pontífice ao Golfo. Pela primeira vez, um Papa pisará o solo deste pequeno estado situado entre a Arábia Saudita e o Qatar. Durante a viagem, o Papa de 85 anos participará no Fórum do Bahrein para o Diálogo e encontrar-se-á com o Grande Imã de Al-Azhar. Encontrar-se-á também com a comunidade católica no Bahrein, com a qual celebrará uma missa no estádio nacional.


3Nomeações do Núncio Apostólico em El Salvador e do Assessor para os Assuntos Gerais da Secretaria de Estado

Por Cyprien Viet – O monsenhor Luigi Roberto Cona, até agora assessor para assuntos gerais na Secretaria de Estado, tornou-se núncio apostólico em El Salvador, disse o gabinete de imprensa da Santa Sé a 26 de Outubro. É substituído como assessor por um jovem prelado nascido em 1978, Mons. Roberto Campisi, também italiano.

Luigi Roberto Cona, nascido em 1965, foi ordenado sacerdote em 1990 para a diocese de Piazza Armerina. Juntou-se ao serviço diplomático da Santa Sé a 1 de Julho de 2003, tendo servido nas Nunciaturas Apostólicas do Panamá, Portugal, Camarões, Marrocos, Jordânia, Turquia e Itália.

Em 2019, tornou-se assessor para os assuntos gerais da Secretaria de Estado, uma posição estratégica, mas que pode ser considerada como um “vice-substituto”: um prelado que assiste o substituto da Secretaria de Estado no trabalho quotidiano do Santo Padre, incluindo as nomeações. O monsenhor Cona é agora um núncio e será ordenado bispo em breve.

A nunciatura em El Salvador estava vaga desde que o Arcebispo Santo Rocco Gangemi foi transferido para a Sérvia a 12 de Setembro. Este país da América Central, com uma população de 6,5 milhões de habitantes, é predominantemente católico, apesar do crescimento significativo dos evangélicos. Quatro mártires da guerra civil de 1980-90, incluindo o Padre Rutilio Grande, foram beatificados em Janeiro passado.

Após a partida de monsenhor Cona, o novo assessor para os assuntos gerais na Secretaria de Estado é outro prelado italiano, o padre Roberto Campisi, um sacerdote da diocese de Siracusa na Sicília. Nascido em 1978 e ordenado em 2002, entrou para o serviço diplomático da Santa Sé a 1 de Julho de 2010. Serviu nas nunciaturas da Costa do Marfim, Venezuela e Itália, e na Secção de Assuntos Gerais da Secretaria de Estado, com a categoria de conselheiro de nunciatura.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
DiálogoDireto do VaticanoMuçulmanosPapa Francisco
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia