Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 29 Novembro |
Santa Iluminada  Virgem († séc. IV)  
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Tolkien e a morte: uma reflexão a propósito do dia de Finados

WEB3-2-JRR-Tolkien-AFP-000_SAPA970203189970.jpg

HO | AFP

Francisco Borba Ribeiro Neto - publicado em 06/11/22

A resposta de Tolkien para o drama da morte é, sem dúvida, fascinante e totalmente cristã. Entenda:

Hoje em dia, é fato relativamente bem reconhecido que a literatura de fantasia do século XX deve muito ao imaginário cristão – particularmente pela contribuição que J.R.R. Tolkien deu ao gênero. Católico fervoroso, suas obras não têm intenção catequética, mas estão impregnadas por uma mentalidade cristã. Seu maior herói, Frodo, o pequeno hobbit, nascido numa terra perdida e depreciada, como a Nazaré bíblica, aparentemente fraco e impotente, irá carregar o mal do mundo (o Anel) e ser, com seu sofrimento, o instrumento para a salvação. A associação a Cristo é inescapável. Sam Gamgee, o fiel companheiro trapalhão de Frodo, por sua vez, representa claramente a figura do santo pecador.

Em seus textos, Tolkien projetou, igualmente, suas inquietações existenciais e reflexões “teológicas” (mesmo que sem nenhuma pretensão de fazer teologia, bom frisar). Viveu um tempo particularmente angustiante, lutou na Primeira Grande Guerra e viu seus filhos lutarem na Segunda, atravessando um entreguerras no qual a experiência de um confronto não deu à humanidade a sabedoria de evitar um outro. O conjunto de sua obra (na qual O hobbit e O Senhor dos Anéis são os textos mais conhecidos) narra a dramática história desse mundo imaginário onde os mais belos e mais poderosos irão sendo continuamente vencidos pelo mal, vítimas de sua própria arrogância e cobiça. Só a pureza do pequeno hobbit e a sabedoria do mago Galdalf, que reconhece na fragilidade a força de um Outro, trarão a vitória definitiva sobre o Mal.

O Dia de Finados e o lançamento mundial de uma nova série de streaming, Os anéis do poder, a mais cara já filmada, baseada na obra de Tolkien, sugerem uma reflexão sobre um dos pontos mais interessantes da “teologia” desse autor: o grande dom de Ilúvatar.

O mundo criado por Tolkien

No imaginário tolkieniano, mitos de outros povos, em particular os nórdicos, são revistos e reinterpretados numa chave de leitura católica. Os textos nos quais essa mitologia é constituída são apresentados em obras não publicadas em vida pelo autor, como O Silmarillion e Contos inacabados. Nessas obras, Ilúvatar é o deus criador, onipotente e aparentemente (mas só aparentemente) distante de tudo que acontece no mundo. Os Valar, deuses menores que frequentemente se confundem com a imagem dos anjos cristãos, são seus representantes para a guarda da Criação. O mal entrou no mundo por obra de um Valar decaído, Melkor ou Morgoth – imagem evidente de Lúcifer, que será substituído por Sauron, o grande antagonista de O Senhor dos Anéis. Duas raças, ambas criadas por Ilúvatar, disputam entre si a hegemonia no mundo (a chamada Terra Média): os elfos, os primogênitos, belos, poderosos e imortais, e os homens, os filhos “mais novos”, fracos, contraditórios e destinados a morrer.

Ao longo das eras dessa Terra Média, vamos conhecendo o destino cruel dos elfos. Por mais belos e sábios que sejam, acabam sempre sendo vencidos por se tornarem arrogantes e cobiçosos. Os homens, por sua vez, seres ignóbeis que raras vezes demonstram honra e dignidade, em sua fraqueza e contradição são frequentemente arrastados para o mal. Contudo, e aqui está o centro desse artigo, Ilúvatar lhes concedeu um presente paradoxal, que desperta simultaneamente desprezo e inveja de seus irmãos elfos. Aos homens foi concedido o dom maravilhoso da morte.

Como a morte pode ser um dom maravilhoso? Não seriam os seres mortais que deveriam invejar a imortalidade dos elfos? De fato, a morte na mitologia de Tolkien ocupa esse lugar contraditório e escandaloso. Os mortais invejam a vida eterna dos imortais, mas também os imortais invejam o dom da morte dado aos mortais. Vivendo num tempo marcado pela morte aparentemente injusta e sem sentido nos campos da guerra, compreende-se que Tolkien tenha tido que dar uma resposta à grande pergunta: pode existir um Deus bom que permita a morte indevida de tantos seres humanos?

O dom do qual se tem medo

A resposta de Tolkien para o drama da morte é, sem dúvida, fascinante e totalmente cristã: a morte é um dom, pois por meio dela os seres humanos poderão encontrar ao Criador, que os ama tanto e pelo qual eles tanto anseiam. Nesta perspectiva, os homens têm medo de morrer porque, para os vivos, a convivência com Ilúvatar, após a morte, é inevitavelmente um mistério. Nem mesmo os Valar sabem exatamente como se dará… O Tentador, sabendo disso, insinuou-se na mente dos seres humanos, aproveitando-se de seu medo diante do desconhecido, para fazer com que temessem a morte – e assim se afastassem de Deus e de seu grande dom de amor.

A maior função das religiões – e isso vale para todas – é nos ajudar a superar o medo da morte. A grande maioria delas apresenta, de uma forma ou de outra, essa grande intuição que a morte é a possibilidade de encontrarmo-nos com a divindade. Nem todas, contudo, pensam essa divindade como um Deus de amor. Muitas, mesmo reconhecendo o amor de Deus, consideram a possibilidade de encontrá-lo muito difícil, exigindo uma série de esforços e sacrifícios nessa vida. No próprio cristianismo muitas vezes o medo do inferno parece maior do que a esperança na salvação.

Um sacerdote italiano, que foi missionário no Brasil por muito tempo, padre Luigi Valentini, já idoso, falando sobre a própria morte, dizia que agora se aproximava o momento em que finalmente iria encontrar o grande amor ao qual havia dedicado toda sua vida. Essa deveria ser a maneira, cheia de esperança, pela qual todos nós deveríamos nos aproximar do momento da própria morte. Também deveria ser o sentimento com o qual pensamos em nossos falecidos.

Oxalá o dom maravilhoso do encontro com o Pai ilumine a nossa vida e nos ajude a viver com alegria e comprometidos com o bem.

Tags:
CinemaHistóriaHistória da Igreja
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia