Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 03 Dezembro |
São Birino de Dorchester
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Resenha de Imprensa: Febre da Copa do Mundo? Uma perspectiva religiosa

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Qatar está na lista de países que promovem perseguição a cristãos

AFP

I.Media para Aleteia - publicado em 21/11/22

O seu resumo das principais notícias do dia. Uma seleção de artigos escritos pela imprensa internacional sobre a Igreja e as principais questões que preocupam os católicos em todo o mundo. As opiniões e pontos de vista expressos nestes artigos não são dos editores da Aleteia

Segunda-feira, 21 de novembro de 2022

  1. Febre da Copa do Mundo? Uma perspectiva religiosa
  2. Matteo Zuppi: “A Igreja tomou consciência das alegações de abuso, mas deve fazer ainda mais”
  3. A Igreja Colombiana não mediará com o ELN
  4. Abusos: mudanças que a Igreja Católica poderia fazer
  5. Um encontro entre os católicos e os assírios

1Febre da Copa do Mundo? Uma perspectiva religiosa

No Qatar, o Vigário Apostólico Paul Hinder não detectou nenhum “entusiasmo particular” pela Copa do Mundo entre os cristãos locais, quando o evento foi aberto ontem. A falta de entusiasmo se deve em parte ao fato de que “muitos cristãos vêm de países como Índia, Bangladesh, Sri Lanka, Nepal e Paquistão, que preferem o críquete”, disse o bispo ao The Pillar. Em contraste, a construção da enorme infra-estrutura que será utilizada para os jogos contou com o trabalho árduo de centenas de milhares de jovens de países como Índia, Bangladesh, Nepal, Paquistão, Filipinas e Egito. Com muitas tragédias nas obras, muitas ONGs estão pedindo um boicote ao que dizem ser violações dos direitos humanos. De acordo com uma reportagem do jornal britânico Guardian, 6.500 trabalhadores morreram no Qatar desde que o país foi escolhido para sediar a Copa do Mundo de 2022 há mais de uma década – 37 deles trabalhando nos estádios.

“Posso respeitar se alguém boicotar a Copa do Mundo, mas eu diria que eles não devem julgar os outros que ainda estão gostando de assistir aos jogos”, disse o bispo Hinder. “No final do dia, as pessoas querem ver futebol e nem sempre são muito coerentes em suas decisões morais básicas”. Outra questão que tem causado protestos são os direitos LGBT, já que muitas associações nacionais de futebol têm protestado contra a proibição do comportamento homossexual no Qatar, com penalidades que podem incluir a execução.

No entanto, esta é a primeira edição a ser realizada em um país muçulmano. O website The Pillar vê tons religiosos nos torneios. O Irã, por exemplo, é uma equipe a ser observada à medida que os movimentos de apoio às mulheres têm crescido. E a Arábia Saudita muçulmana está em um grupo muito “católico” – Argentina, México e Polônia. Mas “não será preciso nada menos que um milagre” para que os sauditas cheguem à próxima etapa, concluiu ele.

The Pillar, inglês


2Matteo Zuppi: “A Igreja tomou consciência das alegações de abuso, mas deve fazer ainda mais”

O Cardeal italiano Matteo Zuppi, arcebispo de Bolonha e presidente da Conferência Episcopal Italiana (CEI), muito amigo da mídia, deu uma entrevista ao diário argentino Clarin. Este pilar da Comunidade de Sant’Egidio, que viveu em Buenos Aires em 1987, lembra que “Bergoglio é um papa não europeu na Igreja moderna”. O cardeal italiano, que foi apontado como um futuro papa potencial que poderia assegurar a continuidade das reformas do Papa Francisco, diz que “a Europa deve se reposicionar”. “A Europa pensou o mundo a partir da Europa e talvez deva entender quem é, aprendendo a olhar para si mesma de fora. A visão do Papa Francisco, que é global e não eurocêntrica, dá à Europa seu verdadeiro significado, ajuda-a a entender o que ela pode ser”, disse ele. O Cardeal Zuppi reconhece que a Igreja Católica é atualmente marcada por muitos conflitos, mas acredita que estes debates fazem parte da história da Igreja “desde o primeiro sínodo aberto entre os apóstolos, entre Pedro, Paulo e Tiago”. O fato de que existem diferentes sensibilidades ou diferentes abordagens, o Papa Francisco trouxe à tona uma grande riqueza. Ele tornou a discussão um elemento importante na jornada da Igreja.

O Cardeal Zuppi também elogia os esforços do Papa para ser transparente sobre sua saúde, a fim de “evitar especulações e conspirações, que têm sido uma especialidade eclesiástica romana bem desenvolvida por alguns séculos”, ele ironiza. Ele explica que em maio passado, durante sua reunião de porta fechada com os bispos italianos, ele falou sobre o assunto. “Foi talvez um momento difícil para ele, ele usou expressões coloridas e irônicas sobre manobras em cadeiras de rodas. Mas ele está considerando a possibilidade de um adeus para si mesmo. “Sim, se eu não puder mais”, disse ele. Acho que é uma grande lição de consciência e de serviço”, diz o Cardeal Zuppi. “Acho que não é fácil para ninguém enfrentar sua própria fraqueza. É uma grande lição no sentido humano saber dizer adeus, e também no sentido eclesial, no amor à Igreja”, disse o cardeal italiano.

Além disso, o presidente da CEI, que tem sido criticado pelo compromisso ainda tímido da Igreja italiana de identificar o abuso sexual de menores e lutar contra este fenômeno, explica que “a Igreja, como todos os demais, tem tido dificuldade em estar ciente”. Há cinquenta anos, não havia a jurisprudência que existe hoje. A Igreja se tornou consciente das alegações de abuso, mas precisa se tornar ainda mais consciente”, reconhece ele.

Clarin, espanhol


3E também na imprensa internacional…

A Igreja Colombiana não mediará com o ELN

O ELN (Exército de Libertação Nacional), o último grupo guerrilheiro ativo na Colômbia, concordou em voltar à mesa de negociações como parte do vasto plano “Paz Total” promovido pelo presidente Gustavo Petro, ele próprio um ex-guerrilheiro. A Igreja não fará parte deste processo bilateral entre o Estado e a guerrilha, mas assegura que apoiará a implementação de um eventual acordo no terreno, fornecendo apoio pastoral para promover a paz e a reconciliação.

Infobae, espagnol

Abusos: mudanças que a Igreja Católica poderia fazer

O The Washington Post oferece sugestões para resolver a crise de abuso e a crise de confiança na Igreja: limitar o mandato dos bispos a 10 anos para “uma revisão natural das operações diocesanas e da administração sacerdotal”; e evitar confiar a um bispo uma diocese onde ele serviu como padre, para que ele não seja influenciado por “amizades passadas”.

The Washington Post, inglês

Um encontro entre os católicos e os assírios

O Papa Francisco reuniu-se na manhã de sábado com Mar Awa III, chefe da Igreja Assíria do Oriente, exortando os membros de ambas as igrejas a “orar e trabalhar diligentemente para o dia tão esperado”, quando a unidade plena será alcançada.

Vatican News, inglês

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
DiálogoPapa FranciscoResenha de Imprensa
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia