Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 08 Fevereiro |
São Paulo de Verdun
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Irmã Cristina deixa de ser freira: seria muito fácil julgá-la

Suor-Cristina-Scuccia-Verissimo-AFP

Verissimo - MARCO BERTORELLO / AFP

Silvia Lucchetti - publicado em 23/11/22

Cristina Scuccia, conhecida do público em geral como Irmã Cristina, falou pela primeira vez sobre o doloroso caminho que a levou a abandonar a vida religiosa. Hoje ela vive na Espanha e trabalha como garçonete

Não perca a Missa internacional por aqueles que precisam de cura. Levaremos suas intenções até o altar - de graça. Clique neste botão para enviar a sua intenção👇

Intenção de missa e oração pelos doentes

A revista semanal Famiglia Cristiana, assim como muitos outros jornais, noticiou ontem o abandono da vida religiosa pela Irmã Cristina Scuccia, 34 anos, que durante 15 anos viveu em Milão com suas irmãs no convento das Ursulinas da Sagrada Família.

Ela tornou pública esta decisão no domingo à tarde durante o programa de TV Verissimo, transmitido no Canal 5, onde apareceu pela primeira vez sem seu hábito religioso.

A Irmã Cristina deixa o véu após 15 anos de vida religiosa

Na entrevista conduzida por Silvia Toffanin, ela disse:

Agora eu sou Cristina, Irmã Cristina está dentro de mim, se eu sou quem eu sou hoje, é também graças a ela. Tive uma boa trajetória, mas foi complexa e difícil. Eu encontrei dificuldades e hoje tenho um sorriso no rosto. Eu tenho um sorriso brilhante e acredito ainda mais na vida. É claro que para mim Deus ainda é central em tudo e eu acredito absolutamente nisso. (…) Eu pertencia às Irmãs Ursulinas, mas não mais. Foram quinze anos de vida religiosa, anos maravilhosos. Para mim, foi uma experiência intensa que me fez crescer. Não havia nenhuma razão para esta mudança além de algo dentro de mim.

O início de sua carreira

Cristina falou visivelmente emocionada sobre o chamado à vida consagrada, recordando todas as datas-chave dessa jornada, os anos de discernimento, o amor pela música e a experiência no The Voice.

Agora Cristina, da qual o público em geral nada sabia nos últimos anos, vive na Espanha trabalhando como garçonete.

Sua carreira artística havia começado em 2007 com sua apresentação no musical The Courage to Love no papel de Irmã Rosa, a fundadora da congregação à qual ela pertencia há muito tempo.

Desde o ano seguinte, ela vinha estudando canto com Franco Simone e Tiziana Rivale na academia de artes cênicas ‘Academia Star Rose’ em Roma.

O chamado em 2008

O ano de 2008 marcou uma virada na vida de Cristina, como ela explica ao falar de sua vocação.

Em maio de 2008, meu chamado chegou, tive um período de discernimento como todas as irmãs. Isto era para entender se este era o caminho certo. Lembro-me desses anos com carinho e só posso dizer palavras bonitas. Estou muito entusiasmada por olhar para trás nesses anos.

Em 2014 ela participou do programa de talentos Rai2 The Voice of Italy – que viu seu triunfo – apresentando um cover de No One, de Alicia Keys, surpreendendo o público e obtendo mais de 90 milhões de visualizações no You Tube em uma semana com o vídeo da apresentação.

Durante The Voiceduette, ela se apresenta com artistas internacionais como Ricky Martin e Kylie Minogue. Ela então lançou Felice, um álbum de faixas inéditas, em 2018; no mesmo ano ela participou do Ballando con le Stelle e em setembro de 2019 ela fez sua profissão perpétua de votos.

A crise da Irmã Cristina: “o medo de falhar me paralisou”

É como se esta exposição à popularidade me colocasse diante de uma enorme responsabilidade: sou uma testemunha de Deus diante de todos. Foi uma transição para a vida adulta, é uma jornada que tem estado lá, e o The Voice abriu o caminho para a minha evolução. Não foi fácil. Concretamente comecei a pensar nisso a partir da Covid, então foi naquele momento em que você pára, você se olha no espelho e diz a si mesmo se está bem ou não. (…) No final eu ainda estou assim. Este medo de falhar me paralisou, em relação às irmãs, em relação à minha mãe, em relação aos meus pais (…) As irmãs tentaram me proteger, mas depois isso se tornou uma limitação para mim.

Durante a entrevista, Irmã Cristina aborda o delicado ponto da relação entre o sucesso da mídia e a vocação:

Não houve conflito entre o convento e o mundo da música. A decisão de continuar com o The Voice foi tomada com as irmãs, estávamos todas de acordo. Então o que chegou nos surpreendeu, eu estava despreparada e elas também. As irmãs tentaram me proteger. Mas a superproteção se tornou quase uma limitação para mim. Elas eram muito protetoras. No entanto, o sucesso não prejudicou a minha vocação.

Hoje ela vive na Espanha e é garçonete

Durante o programa, ela também abordou o tema de sua vida amorosa, afirmando:

Eu sempre acredito no amor, não é algo que eu esteja considerando agora. Não nego que, eu estando sem o hábito, alguém se aproximou de mim, não sabendo da minha história, mas isso não é minha prioridade no momento. Eu acredito na vida, no amor e estou apaixonado pela vida: é preciso amar a si mesmo para poder amar os outros.

Comentários do público e a necessidade de não julgar

Muitos comentários têm sido lançados nas redes sociais, como é costume: alguns têm sido até muito severos em relação à escolha de Cristina de abandonar a vida religiosa. Outros expressaram respeito e compreensão por uma escolha que, em qualquer caso, não deve ter sido fácil e sem amargo tumulto interno, com respeito ao qual é apropriado – em nossa opinião – não julgar.

Eu tive a ajuda de uma psicóloga (…) quando você vê apenas escuridão na sua frente, você tem que pedir ajuda. Eu não podia mais entender quem eu era, Deus eu nunca questionei, eu nunca neguei. Provavelmente minha mudança não poderia mais caber dentro do meu hábito, dentro das regras. (…) Eu dei um salto no vazio, quando falei com minha psicóloga eu sempre lhe disse: “Eu vou acabar debaixo da ponte com certeza”.

Cristina, só podemos desejar que você possa continuar colocando seu forte canto e seus talentos artísticos a serviço do Bem, como você demonstrou durante os anos de sua carreira artística enquanto usava o véu.

Tags:
freirasMúsicaReligiosos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia