Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 04 Fevereiro |
Santo Eutíquio de Roma
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: O que o Papa Francisco disse à revista jesuíta America

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope-Francis-Audience-November-16-2022

Antoine Mekary | ALETEIA

I.Media para Aleteia - publicado em 29/11/22

Seu Boletim Direto do Vaticano de 29 de novembro de 2022

  1. O que o Papa Francisco disse à revista jesuíta América
  2. A comemoração do Holodomor, um grito do povo ucraniano contra a indiferença
  3. O Papa recebe o novo embaixador irlandês junto à Santa Sé

1O que o Papa Francisco disse à revista jesuíta América

Por Camille Dalmas e Hugues Lefèvre – O Papa Francisco deu uma longa entrevista a jornalistas do jornal jesuíta America, com sede em Nova York, que foi publicada em 28 de novembro. Ele discute as principais questões diplomáticas do momento – China, Ucrânia, Rússia – assim como as tensões que afetam a Igreja Católica nos Estados Unidos e no mundo. I.MEDIA oferece um olhar sobre os pontos-chave desta entrevista.  

Ordenação das mulheres: o Papa propõe outro caminho 

“Por que uma mulher não pode entrar no ministério ordenado? É porque o princípio petrino não o prevê”, explicou o Papa Francisco, quando perguntado sobre o sofrimento de algumas mulheres que não podem ser ordenadas sacerdotes na Igreja Católica. Referindo-se à sucessão episcopal herdada dos apóstolos de Jesus, todos homens, o Papa se propõe a explorar outras formas além da ordenação ministerial. 

Ele acrescenta que a Igreja não pode se limitar a sua dimensão ministerial. “A Igreja é uma mulher. A Igreja é uma noiva. Não desenvolvemos uma teologia da mulher que reflita isto”, lamenta o Papa.

Assim, para ele, o fato “de as mulheres não entrarem na vida ministerial não é uma privação”. Seu lugar é “muito mais importante” e permanece até hoje para desenvolvê-lo à luz do “princípio mariano”. Este último, que vem com o “princípio petrino”, diz respeito ao lugar da feminilidade na Igreja, “da mulher na Igreja”, disse ele, repetindo o que já havia expresso em uma conferência de imprensa por ocasião de sua viagem de retorno da Suécia, no outono de 2016.

Finalmente, o chefe da Igreja Católica nos assegura que, além das dimensões “petrina” e “mariana”, existe “uma terceira via”, que ele chama de: “a via administrativa”. Sobre este ponto, o Papa reconhece que “mais espaço para as mulheres” ainda precisa ser dado na Igreja. “No Vaticano, nos lugares onde colocamos as mulheres, trabalhamos melhor”, disse ele.

Guerra na Ucrânia: “Se eu viajar, irei a Moscou e Kiev”.

O Papa Francisco se defende de querer poupar a Rússia em sua posição sobre a guerra na Ucrânia. Recordando as tragédias sofridas pelo povo ucraniano “martirizado”, ele reconhece claramente que, nesta guerra, “quem está invadindo é o Estado russo”. Mas ele explicou que nem sempre quis especificar as coisas “para não ofender”. Ele propõe então uma condenação geral, “embora seja claro quem estou condenando”. Um pouco mais adiante, ele diz: “Por que eu não nomeio Putin? Porque não é necessário, nós já sabemos disso”.

O Papa também voltou ao seu desejo de visitar a Ucrânia e a Rússia, um desejo que ele já havia expressado. Desta vez, porém, ele deixou clara sua doutrina sobre o assunto: “Se eu viajar, irei a Moscou e Kiev, a ambos, e não apenas a um lugar”.

Finalmente, ele assegura que a posição da Santa Sé é a de buscar a paz. A diplomacia da Santa Sé “está sempre pronta para mediar”.

Em sua resposta, o Papa também informa que falou por telefone em três ocasiões com o presidente ucraniano Zelensky. “Normalmente trabalho para receber listas de prisioneiros, tanto civis quanto militares, e as envio ao governo russo, e a resposta tem sido sempre muito positiva”, disse ele.

Os abusos de bispos: rumo a mais transparência?

Quando perguntado sobre os recentes casos de abusos cometidos na Igreja Católica, particularmente por bispos, o Papa Francisco ofereceu a mesma resposta que deu durante a coletiva de imprensa de seu retorno do Bahrein em 6 de novembro. Ele voltou à forma como a Igreja tem avançado desde o escândalo de Boston no início dos anos 2000 e reconheceu que a Igreja estava então agindo “tirando o abusador de seu lugar” e “acobertando-o”. Desde então, a Igreja tomou a decisão de não o fazer, disse ele. O Papa Francisco também observa que ele acredita que o problema do abuso afeta as famílias, os centros esportivos e depois a educação. Isto não deveria ser uma desculpa: “Se tivesse havido apenas um caso, teria sido monstruoso”, insiste ele.

Perguntado pelo jornalista como os bispos poderiam escapar das regras impostas a todo o clero, o Papa Francisco explicou que, em matéria de abusos, “devemos avançar com igual transparência”. Ele acrescentou: “Se há menos transparência, é um erro”.

China: o diálogo “enquanto for possível”

O pontífice mais uma vez defendeu a linha diplomática do Vaticano em relação à China, com a qual foi renovado um acordo sobre a nomeação de bispos em outubro passado. “Dialogamos enquanto for possível”, insiste ele nesta entrevista, realizada uma semana antes da Santa Sé protestar pela primeira vez contra uma nomeação unilateral de um bispo por Pequim, percebida como uma flagrante violação do acordo.

O objetivo da Santa Sé, salientou o Bispo de Roma, é permitir que os católicos chineses sejam “bons católicos e bons chineses”. Tomando como modelo a ostpolitik do diplomata Cardeal Agostino Casaroli durante a Guerra Fria, ele diz que “o diálogo é o caminho para a melhor diplomacia”, embora reconheça que ele é lento e que “falhas” podem ocorrer ao longo do caminho.

O ministério episcopal tem precedência sobre a Conferência Episcopal

Aos jornalistas que lhe perguntaram sobre as tensões em torno da conferência episcopal americana, cujo novo presidente é considerado conservador, o Papa respondeu que um católico “sempre harmoniza as diferenças”. Ele lamentou a presença de “grupos ideológicos” na Igreja nos Estados Unidos que aumentam a “polarização” dentro dela.

“A Conferência Episcopal não é o pastor”, observou o pontífice. Ele explica que olhando demais para a conferência episcopal “corre-se o risco de diminuir a autoridade do bispo”, que sozinho “tem a responsabilidade de carne e sangue” para seu povo. “Vocês têm bons bispos que estão mais à direita, bons bispos que estão mais à esquerda, mas são mais bispos do que ideólogos”, disse ele.

Os comunistas ‘roubaram’ alguns valores cristãos

O Papa Francisco expressou então a surpresa de alguns católicos americanos o considerarem um marxista ou um comunista, assegurando que ele é guiado apenas pelas “Bem-aventuranças”. Ele deplora “a redução sócio-política da mensagem evangélica”.

“Se se visse o Evangelho apenas do ponto de vista sociológico, sim, seria comunista, e Jesus também”, continua ele. Ele acrescentou que foram os comunistas que haviam “roubado alguns de nossos valores cristãos”. 

Aborto: não tratar o pecado de uma forma puritana

Um jornalista lamentou a politização da questão do aborto pela Conferência Episcopal Americana, pois a nova presidência havia adotado uma linha inflexível sobre esta questão, que considerava prioritária. O Papa respondeu insistindo que um embrião deve ser considerado um “ser humano vivo”. Ele descreve o aborto como um “crime”, novamente usando a imagem do “assassino contratado”. 

Francisco insiste, entretanto, que o aborto não é apenas uma “questão civil” para a Igreja americana, mas também uma questão pastoral. Ele exorta seus bispos a não tratar o pecado de forma “puritana” e a não politizá-lo, a fim de favorecer uma abordagem pastoral. 

Ele também lhes lembra que a questão sacramental – que está no centro do princípio da “coerência eucarística” defendido pelo episcopado americano, ou seja, a proibição dos políticos que defendem o aborto da Eucaristia – não é um assunto para a Conferência Episcopal, mas para cada bispo individualmente em sua “relação com seu povo”. 

Erradicar pastoralmente o racismo 

Perguntado se a luta contra o racismo não é percebida como “uma prioridade” pelos católicos americanos, o pontífice disse que estava próximo de negros, nativos e latinos que vivenciam esse “sofrimento racial”. Ele descreveu o racismo como um “pecado insuportável contra Deus”. 

O Papa Francisco convida então os bispos a encontrar soluções pastorais para “erradicar” o racismo em suas comunidades. Ele também salienta a importância da presença dos bispos negros no clero americano: em 2021, ele foi o primeiro a criar um cardeal afro-americano, o atual arcebispo de Washington, Wilton Gregory.


2A comemoração do Holodomor, um grito do povo ucraniano contra a indiferença

Por Cyprien Viet – “Nenhum poder humano pode arrancar de nossos corações nossa identidade como Filhos do Pai no Céu”, assegurou o Cardeal Leonardo Sandri ao presidir uma liturgia divina de acordo com o rito greco-católico em 26 de novembro na Basílica de Santa Sofia, em Roma, por ocasião do 90º aniversário do Holodomor. 

Esta vasta campanha de extermínio pela fome organizada pela URSS de Stalin contra as populações da Ucrânia oriental em 1932-1933 teria causado entre 4 e 10 milhões de mortes. No contexto da atual ofensiva russa, esta recordação foi realizada com particular gravidade.

“Os céus sobre a Ucrânia estão entrecruzados com instrumentos de destruição, que atacam em toda parte, mesmo em enfermarias pediátricas, e que, se não causam diretamente a morte, causam a interrupção da eletricidade, da água e de tudo o que pode aquecer casas e famílias, enquanto o frio nos agarra e o inverno se espalha”, o Cardeal Sandri entristeceu-se em sua homilia. 

O prefeito emérito do dicastério das Igrejas Orientais continuará assegurando a continuidade à frente deste órgão até que seu sucessor, o arcebispo Claudio Gugerotti, cuja nomeação foi anunciada em 21 de novembro, tome posse em janeiro de 2023. O cardeal argentino de 79 anos recordou com emoção suas visitas à Ucrânia, notadamente em 2001 com João Paulo II quando foi substituto do Secretário de Estado, e em 2017 aos católicos gregos ucranianos, durante as quais ele visitou várias cidades particularmente afetadas pela guerra atual, incluindo Kharkiv, Sloviansk e Kramatorsk.

Acompanhado para a cerimônia pelo Cardeal Michael Czerny, Prefeito do Dicastério para o Serviço de Desenvolvimento Humano Integral, o Cardeal Sandri reconheceu que o Holodomor é “menos conhecido nos livros de história ocidental” do que outras campanhas de extermínio, como o Holocausto realizado pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.

Entretanto, com suas deportações em massa e campanhas de fome, o totalitarismo soviético contribuiu para o desencadeamento do “abismo da iniquidade” no século 20, como João Paulo II lembrou em seu livro Memória e Identidade, publicado alguns meses antes de sua morte.

Hoje, a ofensiva russa na Ucrânia está despertando este trauma, e o Cardeal Sandri lembrou a proximidade do Papa Francisco que, em sua Carta aos Ucranianos publicada em 25 de novembro, “percorreu os caminhos da dor e da devastação, das lágrimas e das cruzes” tomadas pelos ucranianos em sua história e em seus dias atuais.

Busca de apoio internacional para uma “paz justa” na Ucrânia

Em relação à atitude do Papa, que foi criticado por alguns ucranianos por sua abordagem excessivamente conciliadora com a Rússia, “estamos vendo uma mudança, pouco a pouco, com palavras muito claras”. Sua mensagem para o 90º aniversário do Holodomor foi muito reconfortante”, comentou Natalia Karfut, uma jovem ucraniana que vive na Itália há 16 anos, entrevistada por I.MEDIA ao deixar a basílica.  

Ela lembra que na década de 1930, “o mundo não sabia o que estava acontecendo”, e que o silêncio foi mantido por várias décadas, até a queda da URSS e da independência da Ucrânia em 1991.

Durante muito tempo, “as pessoas que sobreviveram não queriam falar sobre o que tinha acontecido, porque tinham experimentado coisas atrozes que não podiam verbalizar, coisas realmente desumanas”, confessa ela. Apenas algumas fotos, projetadas na Basílica de Santa Sofia como parte de um concerto organizado após a Divina Liturgia, testemunham diretamente as atrocidades vividas pela população ucraniana.

A família de Natalia Karfut, que vive na Ucrânia ocidental, não havia sido diretamente ameaçada pela campanha, mas sua avó se lembrou de ter acolhido uma criança do leste do país nos anos 30, que mais tarde voltou com sua mãe após dois anos de segurança.

No contexto da atual ofensiva russa e do bombardeio da infra-estrutura elétrica, Natalia Karfut salienta que os muitos ucranianos que se preparam para passar o inverno no frio “estão experimentando outro tipo de Holodomor. Eles poderiam congelar até a morte. Espero que possam ser encontradas soluções para proteger os ucranianos deste novo genocídio que está ocorrendo diante dos olhos de todos”, com cobertura da mídia que permita ao resto do mundo acompanhar os eventos “ao vivo”.

Além da ajuda imediata, ela esperava que a comunidade internacional fosse capaz de se mobilizar para garantir uma “paz justa” e evitar que a Ucrânia se encontrasse novamente “em estado de agressão dentro de 10 ou 20 anos”. Assim, com o apoio do resto do mundo, “nosso povo conhecerá sua Ressurreição”, garantiu aos ucranianos que participaram da celebração.


3O Papa recebe o novo embaixador irlandês junto à Santa Sé

Por Anna Kurian – O Papa Francisco recebeu a nova embaixadora irlandesa junto à Santa Sé, Frances Collins, para a apresentação de suas credenciais em 28 de novembro no Vaticano.

Frances Collins, 42 anos, é originalmente de Cork. Ela estudou história, política e ciências sociais na Universidade de Limerick, antes de fazer um mestrado em Integração Européia em 2004. 

Durante sua carreira, Frances Collins foi Chefe de Gabinete no Departamento de Relações Exteriores da Irlanda de 2008 a 2014, com responsabilidade pela informação pública, educação para o desenvolvimento e assuntos humanitários na África Central, Ocidental e Oriental. 

Ela passou então três anos como Segunda Secretária da Embaixada em Uganda e dois anos como Chefe de Missão Adjunta da Delegação da União Européia para o Sul do Sudão. Desde 2019, ela é vice-diretora da seção de desarmamento e não-proliferação do Ministério das Relações Exteriores.

Frances Collins sucede a Derek Hannon, que foi nomeado para o cargo em 2018. A Irlanda e a Santa Sé têm mantido relações diplomáticas formais desde 1929.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
Direto do VaticanoGuerraIgrejaPapa FranciscoUcrânia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia