Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 04 Fevereiro |
Santo Eutíquio de Roma
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

A debandada da Nicarágua: 17% da população já fugiu do país

Nicarágua vê população em fuga do regime ditatorial

STRINGER / AFP

Migrantes nicaraguenses na fronteira com El Salvador em 23 de noviembre de 2022

Jaime Septién - publicado em 27/12/22

"Menos de cinco por cento estão voltando. É uma questão dramática"

Em abril de 2018, depois que o regime da Nicarágua fez uma série de reformas da previdência social, protestos de cidadãos de todos os níveis socioeconômicos e intelectuais tomaram as ruas de Manágua e de outras cidades do país.

O protesto popular foi logo silenciado pelo método preferido do autoritarismo latino-americano: a repressão direta. Além de um número próximo a 355 mortos e cerca de mil presos políticos, a diáspora nicaraguense assumiu um caráter dramático, segundo os números levantados pela organização Diálogo Interamericano. O exílio de cidadãos nicaraguenses, que começou por motivos políticos e por causa da violência do regime, continuou também devido às condições econômicas extremas – repetindo os casos da Venezuela e de Cuba.

Nos últimos quatro anos, 481.000 nicaraguenses seguiram o caminho do exílio, o que significa que, no final de 2022, 17% da população do país centro-americano já se vê forçada a viver fora da própria terra.

O principal destino de cidadãos nicaraguenses são os Estados Unidos, com 263.000 deles vivendo hoje em seu território. Em seguida, com 156.000 pessoas, vem a vizinha Costa Rica, principal destino dos refugiados políticos – enquanto nos Estados Unidos predomina a migração motivada pelas condições econômicas.

Aliás, a Costa Rica foi o principal destino em 2019 e 2020, mas perdeu o posto para os Estados Unidos entre 2021 e 2022. Este ano fechará com um número recorde de quase 172.000 nicaraguenses tentando a sorte na federação norte-americana.

Quando se revisam os números de nicaraguenses emigrados nos últimos quatro anos, dimensiona-se a debandada causada pelo regime sandinista. Das 10.651 pessoas que saíram em 2019, passou-se para 14.773 em 2020, saltou-se para 161.269 em 2021 e, finalmente, chegou-se ao recorde histórico de 295.135 em 2022.

Os que saem alimentam os que ficam… mas também alimentam o regime

Em declarações ao portal Infobae, o diretor da organização Diálogo Interamericano, Manuel Orozco, destacou dois fatores principais que levaram tantos cidadãos a deixar a Nicarágua este ano – e também em 2023, se as condições não mudarem: o medo e a descrença no sistema.

A aceleração da “debandada”, disse Orozco, só é comparável ao que aconteceu na Ucrânia, na Síria ou na Venezuela. E as pessoas que saem não voltam mais, o que gera um déficit de capital humano que vem piorando gradativamente nos últimos quatro anos.

“Desde 2019, e principalmente de outubro de 2020 para cá, não há retorno. Menos de cinco por cento estão voltando. É uma questão dramática”.

Curiosamente, as remessas que os emigrados enviam dos Estados Unidos para seus familiares reduziu a derrocada econômica do sandinismo, já que esses recursos mantêm a economia girando ainda que em condições básicas.

“É um paradoxo cruel… Mas se, para boicotar o regime, eu deixasse de enviar dinheiro para a minha família, também afetaria diretamente a minha família”.

Ele finaliza:

“Fizemos uma pesquisa em maio de 2022 e perguntamos aos nicaraguenses no exterior se eles deixariam de enviar dinheiro como parte de um protesto político. 98% disseram que não. Quem é que vai culpá-los?”

Tags:
criseIdeologiaPerseguiçãoPolítica
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia