Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 04 Fevereiro |
Santo Eutíquio de Roma
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

EUA: mais um Estado aprova a compostagem de corpos humanos

cemitério

Anastazja Szubska I Shutterstock

Francisco Vêneto - publicado em 04/01/23

Bispos se opõem, argumentando que o corpo humano não pode ser tratado como “lixo doméstico”

O Estado de Nova Iorque, liderado pela governadora Kathy Hochul, do Partido Democrata, se tornou a sexta unidade da federação norte-americana onde é legalizada a compostagem de corpos humanos.

O pioneiro na controversa iniciativa foi Washington, em 2019, seguido por Colorado, Oregon, Vermont e Califórnia.

A compostagem humana também é legalizada na Suécia.

Trata-se basicamente do mesmo processo aplicado ao lixo orgânico: o corpo da pessoa falecida é armazenado ao longo de semanas dentro de um recipiente fechado, junto com terra e materiais como alfafa, lascas de madeira e palha de capim, para se decompor gradualmente sob a ação de micróbios até, literalmente, virar adubo.

De fato, em cerca de um mês, a terra que resulta da compostagem passa por um processo final de aquecimento para exterminar agentes de contaminação e, na sequência, é entregue à família – que poderá usá-la para adubar flores ou plantas.

Militantes ambientalistas promovem a compostagem humana como “alternativa ecológica” aos enterros e à cremação.

Entretanto, o alegado “funeral verde” tem custos chamativamente elevados.

Uma das empresas norte-americanas especializadas na prática, a Recompose, de Seattle, cobra cerca de 7 mil dólares pela compostagem de um corpo humano. Justificando a conta salgada com narrativas ecologicamente corretas, ela afirma que a novidade pode economizar uma tonelada de carbono em comparação com a cremação ou o enterro tradicional.

Um representante de outra empresa do ramo, a Return Home, de Washington, celebrou a aprovação da compostagem humana em Nova Iorque, sancionada neste 31 de dezembro, declarando ao New York Post que se trata de “um grande passo para o tratamento de morte verde acessível em todo o país”.

Por outro lado, os bispos católicos norte-americanos se opuseram publicamente à aprovação da prática em mais um Estado. Eles argumentam que a compostagem “não oferece o respeito devido aos restos mortais” e afirmam que o corpo humano não pode ser tratado como “lixo doméstico”.

Tags:
IdeologiaMorteNaturezaReligião
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia