Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 13 Abril |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

O dia histórico do Papa em Kinshasa, entre alegrias e tristezas

Pope-Francis-back-arrives-for-the-mass-at-the-NDolo-Airport-in-Kinshasa-Democratic-Republic-of-Congo-AFP

Photo by Tiziana FABI / AFP

Hugues Lefèvre - publicado em 02/02/23

Em seu segundo dia na República Democrática do Congo, o Papa Francisco teve a alegria de celebrar a missa diante de mais de um milhão de fiéis. À tarde, ele também ouviu os terríveis testemunhos das vítimas no leste da RDC. Um dia cheio de contrastes

Um dia de celebrações em Kinshasa. Desde antes da pandemia de Covid-19, o Papa Francisco não encontrava uma multidão tão grande. Reunidos na pista de um aeroporto da capital, mais de um milhão de fiéis celebraram a chegada do Santo Padre, quase 38 anos depois da vinda de João Paulo II. No dia anterior, milhares de pessoas já haviam tomado conta do enorme campo para garantir que não perdessem nada, mesmo que isso significasse não dormir. Este foi o caso de Joseph, 42, que veio da província de Kasai, no centro da RDC. Tendo obtido cinco dias de férias de seu chefe para ir a Kinshasa, ele dirigiu 24 horas para chegar ao aeroporto às 3 da manhã.

A woman cheers as attendees gather ahead of the arrival of Pope Francis for the mass at the N'Dolo Airport in Kinshasa

“Eu vim para tomar a bênção do Santo Padre. Quando você vê o Papa, você vê o representante de Jesus, aquele que traz a paz”, disse ele, quando o papamóvel entrou no asfalto e provocou um júbilo popular sem precedentes. Até a partida do Papa do enorme palco montado para a ocasião, danças e canções deram ritmo à celebração.

Mas em Kinshasa, a ealegria da manhã deu lugar a uma sequência que certamente marcaria esta quinta viagem do Papa à África, e sem dúvida também o pontificado. Uma sequência que o Papa queria pessoalmente, pois havia se resignado a não poder ir a Goma, no leste da RDC, por causa da guerra.

Pope-Francis-blesses-attendees-as-he-meets-with-victims-of-the-conflict-in-eastern-Democratic-Republic-of-Congo-AFP

Foi na Nunciatura Apostólica em Kinshasa, no final da tarde, que o Papa se encontrou com uma delegação de vítimas da violência nesta parte do país onde uma centena de grupos armados estão ativos. Num silêncio ensurdecedor, que contrastava com a excitação da manhã, um punhado de homens e mulheres começou a contar suas provações.

“Sou um sobrevivente de um ataque ao campo de desalojados em Bule”, disse o abade Guy-Robert Mandro Deholo, da diocese de Bunia. “O ataque ocorreu na noite de 1º de fevereiro de 2022 por um grupo armado, que matou 63 pessoas, incluindo 24 mulheres e 17 crianças. Eu vi a selvageria: pessoas cortadas como carne em um açougue, mulheres estripadas, homens decapitados”, disse.

Depois veio a vez de Emelda M’karhungul, uma mulher de trinta e poucos anos, que foi mantida como escrava sexual em 2005. “Todos os dias, cinco a dez homens abusaram de cada uma de nós. Eles nos obrigaram a comer a pasta de milho e a carne dos homens mortos. Às vezes, eles misturavam cabeças de pessoas com carne animal. Esta era nossa alimentação diária. Eles matavam quem se recusava a comer. Vivíamos nus para não escaparmos”.

Diante destes testemunhos esmagadores, o Papa Francisco, visivelmente sensibilizado, reconheceu estar “em estado de choque”. Ele elogiou a coragem dessas pessoas que experimentaram a barbárie em sua carne, mas cujos corações estão agora prontos para entrar em um processo de perdão.

Após cada história, as vítimas se apresentavam, carregando nas mãos os instrumentos que simbolizavam seus infortúnios, para colocá-las diante de um crucifixo. “Coloco diante da Cruz de Cristo, o facão idêntico àquele que matou meu pai”, disse um jovem de 16 anos de idade. “Colocamos sob a Cruz de Cristo estas roupas dos homens armados que ainda nos assustam”, disse Emelda M’karhungul. “Aqui está o tapete, símbolo de minha miséria como mulher estuprada”, disse Bijoux Makumbi Kamala, uma jovem de 17 anos de idade, carregando suas duas filhas gêmeas em sua tanga, resultado de um estupro que ela sofreu.

Veja a galeria de fotos da viagem do Papa à RDC:

Vídeo:

Tags:
ÁfricaPapa FranciscoTestemunho
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia