Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 24 Fevereiro |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: Cardeal Omella pede unidade da Igreja

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope Francis audience February 08 2023 Paul VI Hall - Vatican

Antoine Mekary | ALETEIA

I. Media - publicado em 14/02/23

Seu Boletim Direto do Vaticano de 13 de fevereiro de 2023
  1. Em Praga, o Cardeal Omella implora pela “unidade” da Igreja
  2. Papa pede inspiração nas tradições dos povos indígenas para combater a mudança climática
  3. O Cardeal Thomas Collins renuncia ao cargo de Arcebispo de Toronto

1Em Praga, o Cardeal Omella implora pela “unidade” da Igreja

Por Anna Kurian, Praga: Durante a assembleia sinodal europeia realizada em Praga de 5 a 9 de fevereiro, o Cardeal Juan José Omella y Omella, Arcebispo de Barcelona, fez ouvir sua voz para pedir “unidade” e “perdão” no meio das “polarizações” do velho continente. Para o espanhol, não chegou o momento de tomar decisões sobre questões sensíveis, como o acesso das mulheres ao sacerdócio.

Segundo o Cardeal Omella, o principal objetivo do Sínodo é refletir sobre “como evangelizar em uma Europa muito secularizada”. Para fazer isso, ele acredita, precisamos de uma linguagem que seja “compreensível”, mas sobretudo “a linguagem do amor, que fala ao coração”. E consistência: “Se formos coerentes com o que dizemos, isso muda as pessoas. É uma maneira de evangelizar.

Referindo-se às posições muito diversas ouvidas nas intervenções das 39 conferências episcopais representadas, o cardeal espanhol sublinhou que “os contextos são muito diferentes entre o norte, o centro, o sul, entre a Igreja que sofreu perseguição, a que não sofreu perseguição, a que foi dominante ou que neste momento é menos dominante, etc.”.

Tudo isso “levanta questões”, reconhece ele, “pois o Sínodo questionou uma série de coisas em nossas mentalidades e em nossas vidas”. É uma questão de “ouvir as nuances, de tentar compreender, e para isso sair de si mesmo, sair do país para ouvir o outro”.

Chamado a sair da polarização

No momento, na Europa”, observa ele, “estamos muito na polarização de grupos, que tentam dominar dizendo ‘eu tenho a verdade'”. Não, a verdade é algo que fazemos entre todos”. “Temos que fazer um esforço de comunhão, para encontrar o que nos une e não o que nos separa”, insiste o Cardeal Omella, expressando sua convicção de que a comunhão “é possível” se “estamos centrados em Cristo, se estamos apegados a Cristo”.

O pastor espanhol adverte: “Quando vivemos polarizados um contra o outro, em tensão, tentando dominar o outro, sentimo-nos realmente perdidos, sentimos que o inferno começa a entrar em nossos corações, encontramos ódio, mal-entendidos, enquanto que quando há uma atitude de escuta, de compreensão, encontramos alegria”.

Ele implora por “perdão”. “Fizemos coisas muito ruins, devemos reconhecer isto, perdoar uns aos outros, todos apontam na mesma direção”. E “se a comunhão é com Deus, com o Papa, e entre nós, temos uma força incrível para evangelizar”, diz ele.

A hora da concretude ainda não chegou

Enquanto algumas conferências episcopais têm insistido em tomar decisões, notadamente sobre a aceitação dos homossexuais e o acesso das mulheres ao sacerdócio, o Cardeal Omella acredita que não chegou o momento de “coisas muito concretas”. “O sacramento da ordenação, do celibato ou não, estas são coisas muito concretas, acho que não é o momento”, disse ele.

O Arcebispo de Barcelona expressou suas reservas sobre as “expectativas” que poderiam levar “à frustração”. “Não devemos tentar resolver todos os problemas de um sínodo que está acontecendo há dois anos”, concluiu ele.

2Papa pede inspiração nas tradições dos povos indígenas para combater a mudança climática

Por Cyprien Viet: A atual crise ambiental exige “mudanças profundas nos estilos de vida, modelos de produção e consumo”, o Papa Francisco disse em 10 de fevereiro quando recebeu os participantes do 6º Encontro Mundial do Fórum dos Povos Indígenas, organizado pelo IFAD (Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola). Em consonância com sua encíclica “Laudato si”, o Papa Francisco apelou para o respeito às culturas indígenas.

Destacando a importância do conhecimento ancestral dos povos indígenas para “encontrar soluções globais para os imensos desafios que a mudança climática coloca diariamente à humanidade”, Francisco apelou para “um diálogo renovado sobre a forma em que estamos construindo o futuro do planeta”, rompendo com “relações históricas marcadas pelo colonialismo, exclusão e discriminação”, insistiu ele.

Ele, portanto, conclamou os governos a reconhecer “os povos indígenas do mundo, com suas culturas, línguas, tradições e espiritualidades”, insistiu ele. “Ignorar as comunidades originais na salvaguarda da terra é um erro grave, uma grande injustiça”, disse o Papa, vendo tais atitudes como uma forma de “funcionalismo racista”.

O primeiro papa latino-americano na história também improvisou uma fala sobre a noção de “boa vida”, uma noção no centro da cultura comum na América Latina. “A “boa vida” não é a dolce vita da burguesia da moda, não, mas o fato de viver em harmonia com a natureza”, explicou, especificando que esta “busca de harmonia entre uma pessoa e sua comunidade, o ambiente, a criação” é o resultado de uma profunda “sabedoria” que é superior à simples busca pragmática de um “equilíbrio”.

Encontrar um caminho de desenvolvimento que respeite os povos indígenas

Vendo “extrativismo, desmatamento, mineração” como “feridas contra esta harmonia”, o Papa advertiu contra o perigo de perder o contato com a “Mãe Terra”, “quando os povos não respeitam o bem do solo, do meio ambiente, do clima, da vegetação, da fauna”.

“As culturas indígenas não precisam ser convertidas em uma “cultura moderna”, não, elas devem ser respeitadas”, o Papa Francisco afirmou, em acentos próximos a certos parágrafos de sua encíclica Laudato Si’.

“Devemos deixá-los viver seu caminho de desenvolvimento e ouvir sua mensagem de sabedoria, que não é enciclopédica: é a sabedoria de ver, de ouvir, de tocar, de viver o cotidiano”, enfatizou o Papa, que também desenvolveu estes temas durante o Sínodo sobre a Amazônia organizado no Vaticano em outubro de 2019.

O Papa esperava que estas populações indígenas “continuassem a lutar para proclamar esta harmonia”, enquanto protestava contra “esta política funcionalista” que “as está destruindo”. Em vez disso, ele convidou o mundo a se inspirar nas culturas indígenas para adotar métodos de desenvolvimento que sejam “a favor de toda a criação”.

3O Cardeal Thomas Collins renuncia ao cargo de Arcebispo de Toronto

Por Anna Kurian: O Papa Francisco aceitou a renúncia do cardeal canadense Thomas Christopher Collins, de 76 anos, como arcebispo de Toronto, a Santa Sé anunciou em 11 de fevereiro. O Papa nomeou como seu sucessor o bispo Frank Leo, um jovem bispo ordenado há alguns meses, que foi até agora Auxiliar de Montreal.

Nascido em 1947, Thomas Collins foi ordenado sacerdote aos 25 anos de idade em 1972 para a Diocese de Hamilton, Ontário. Seus primeiros anos no sacerdócio incluíram estudos bíblicos em Roma e um doutorado em teologia pela Pontifícia Universidade Gregoriana em 1986.

Ordenado bispo em 1997, foi nomeado primeiro Coadjutor em Alberta, depois Arcebispo de Edmonton em 1999. Em 2006, ele foi nomeado para Toronto. Durante seu ministério, ele tem defendido posições tradicionais sobre questões sociais e morais. Ele tem feito campanha contra as leis de eutanásia no Canadá e contra o financiamento estrangeiro do aborto.

O sumo sacerdote canadense também se manifestou em sua oposição a que os casais divorciados recebessem a comunhão. Em 2015, ele foi um dos 13 cardeais que assinaram uma carta ao Papa Francisco expressando suas preocupações e objeções ao Sínodo sobre a Família.

O Cardeal Collins foi designado pelo Vaticano para várias missões de confiança. Ele foi um dos Visitadores Apostólicos enviados à Irlanda pelo Papa Bento XVI em 2010, após a publicação de relatórios que detalham a extensão do abuso sexual na Igreja Católica do país. Desde 2014, ele também é membro da comissão de supervisão cardinal do Instituto de Obras Religiosas (IOR).

Ele acompanhou Francisco em seu viagem pelo Canadá no final de julho de 2022, dedicada aos povos indígenas.

Novo arcebispo familiarizado com a diplomacia do Vaticano

O novo Arcebispo de Toronto, Arcebispo Frank Leo, 51 anos, nasceu em Montreal, em uma família de imigrantes italianos. Ele fala inglês, francês, italiano e espanhol. Ele tem doutorado em Teologia Mariana. Ordenado sacerdote em 1996, ocupou pela primeira vez vários cargos em paróquias e como professor de religião.

De 2006 a 2008, ele frequentou a Pontifícia Academia Eclesiástica – a Escola para Núncios em Roma – antes de entrar no serviço diplomático da Santa Sé onde trabalhou na Nunciatura Apostólica na Austrália e na Missão de Estudos em Hong Kong em 2011-2012.

De volta a Montreal, ele foi, entre outras coisas, diretor e professor de dogmática no Seminário Maior, e diretor do departamento de direito canônico do Instituto Diocesano de Formação Teológica. Em 2013, ele fundou a Sociedade Mariológica Canadense, da qual ele é presidente.

O Bispo Leo serviu como Secretário Geral da Conferência Canadense dos Bispos Católicos de 2015 a 2021. Ele foi nomeado Bispo auxiliar de Montreal em 16 de julho de 2022, e consagrado como bispo em 16 de setembro.

Ele liderará agora a maior diocese do Canadá, uma realidade composta por cerca de dois milhões de católicos e 400 padres celebrando em mais de 30 idiomas em 225 paróquias.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Tags:
CardeaisDireto do VaticanoMeio ambienteNatureza
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia