Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 19 Abril |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Direto do Vaticano: 2013-2023, Francisco, o Papa que abalou a Cúria Romana

Este artigo é exclusivo para os membros de Aleteia Premium
Pope-Francis-Audience-March-08-2023-Antoine-Mekary-ALETEIA

Antoine Mekary | ALETEIA

I. Media - publicado em 09/03/23

Seu Boletim Direto do Vaticano de 9 de março de 2023
  1. 2013-2023: Francisco, o Papa que abalou a Cúria Romana
  2. O Papa Francisco aperfeiçoa sua reforma do IOR
  3. Bispo Julio Murat nomeado Núncio Apostólico na Finlândia

12013-2023: Francisco, o Papa que abalou a Cúria Romana

Por Cyprien Viet: Os primeiros dez anos do pontificado do Papa mudaram profundamente o Vaticano. O Papa Francisco, o primeiro papa não europeu em mais de um milênio, colidiu com a cultura da Cúria, marcada pela lentidão em contraste com os impulsos do pontífice argentino. Na frente administrativa, quase um ano após a publicação da nova Constituição Apostólica Prædicate Evangelium, os funcionários da Cúria continuam preocupados com muitas incertezas, especialmente no que diz respeito à estrutura dos contratos de trabalho. Os apelos do Papa Francisco para trabalhar em uma dinâmica de alegria e fraternidade estão lutando para serem realizados em estruturas marcadas por profundas divisões culturais e geracionais.

A impressão de um “curto-circuito”

Desde sua eleição, o Papa Francisco desenvolveu o discurso de um radicalismo às vezes abrupto, criando oponentes em uma Cúria que geralmente torna a discrição e a lealdade valores intangíveis. Seu discurso sobre as 15 doenças durante sua saudação à Cúria em dezembro de 2014 marcou um ponto de virada em seu pontificado, com o Papa denunciando de frente, diante dos cardeais atordoados, “a doença da rivalidade e da vaidade”, “esquizofrenia existencial”, “Alzheimer espiritual”, ou mesmo os “círculos fechados” que marcavam a atmosfera no Vaticano.

Melhorias foram notadas e apreciadas, notadamente na Secretaria de Estado, onde as habilidades de relações humanas do Cardeal Parolin, que chegou no outono de 2013, ajudaram a melhorar o clima de trabalho e as relações entre clérigos e leigos. Mas em outras estruturas, a multiplicação de auditorias apareceu a alguns como uma fonte de fadiga, confusão e despesas, em vez de uma fonte de economia. “Nada do que propusemos foi adotado”, diz um antigo membro da Comissão Patten, criada no início do pontificado para reestruturar a mídia do Vaticano, que antes tinha uma certa forma de autonomia, mas agora é parte integrante da Cúria Romana.

A publicação da nova Constituição Apostólica Praedicate Evangelium em 19 de março de 2022 deu a muitos a impressão de uma transformação à força do Vaticano, com o Papa contornando as instituições que deveriam estar a seu serviço. Alguns desenvolvimentos foram bem recebidos, particularmente em termos da assunção de responsabilidade pelos leigos e da feminização da força de trabalho, mas muitos lamentaram a natureza ainda confusa de certos parágrafos da Constituição, deixando espaço para amplas margens de interpretação.

O princípio de um contrato probatório e um prazo de cinco anos, possivelmente renovável, para os clérigos deveria evitar o seu distanciamento por muito tempo de sua missão pastoral na diocese. Mas a luta contra o “clericalismo” é às vezes vista como uma luta contra os próprios padres, alguns dos quais sofreram uma profunda depressão após terem sido forçados a deixar seu cargo. Entretanto, a dificuldade de recrutar pessoas competentes em escritórios altamente especializados, como a seção latina da Secretaria de Estado, sugere que a regra sobre contratos curtos pode ser relaxada, mas sua aplicação permanece pouco clara.

Burocracia e erros

Com a criação de uma diretoria de recursos humanos sob a supervisão da Secretaria de Economia, novas contratações se tornaram um caminho de obstáculos, exigindo longos meses de negociações kafkianas entre diferentes órgãos, com alguns candidatos jogando a toalha no momento em que seu contrato estava prestes a ser finalizado. Quanto às pessoas que foram realmente contratadas, algumas delas chegaram defasadas da realidade do trabalho no Vaticano, para o qual não haviam sido preparadas. Para muitos, a energia gasta na compilação de documentos administrativos deveria ser mais direcionada ao treinamento e à definição de descrições de cargos e cartas de missão.

“As últimas contratações foram de jovens com menos de 30 anos, que não têm nenhum senso da instituição, que nem sabem como falar com um bispo”, diz um funcionário do dicastério para o Serviço de Desenvolvimento Humano Integral. Entretanto, ela aprecia o caráter “visionário” do Papa, que coloca suas reformas a longo prazo, sem necessariamente esperar qualquer benefício imediato. A reforma da Cúria é uma das manifestações mais concretas de uma das frases estruturantes do pontífice, “o tempo é superior ao espaço”.

Nos dicastérios para Comunicação, para os Leigos, Família e Vida, e para o Serviço de Desenvolvimento Humano Integral, entretanto, a fusão das várias entidades anteriores ainda está sendo vivenciada dolorosamente, e com inércia que às vezes é incompreensível para os funcionários mais jovens. Os pesados procedimentos administrativos para gestos aparentemente insignificantes, como responder a um simples e-mail ou pedir um táxi, estão em desacordo com a forma oral utilizada para decisões essenciais, como a nomeação de um chefe de departamento, que é aprendida por um simples telefonema ou uma conversa no corredor.

A relação pessoal, real ou suposta, de certos funcionários dos dicastérios com o Papa Francisco é também um tema de atrito. O exercício da autoridade hierárquica sobre um funcionário que enfatiza seu contato amigável com o pontífice pode, assim, revelar-se difícil, por medo de uma arbitragem desfavorável. A autoridade hierárquica de um leigo sobre um padre, ou de um padre sobre um cardeal, também pode apresentar grandes dificuldades. O desejo do Papa Francisco de “sacudir o coqueiro” e romper com a precedência não é isento de dor no trabalho diário. Além disso, existem dificuldades relacionais ligadas às diferenças de gerações, nacionalidades e culturas em todos os dicastérios.

Re-sacralizar a figura do Papa?

“A tragédia hoje é que não há mais respeito pelo homem de branco”, lamenta um padre francês que trabalha na Cúria. O medo e o respeito inspirados pelos predecessores de Francisco, apesar de todas as diferenças de caráter, foi uma pedra fundamental do funcionamento do Vaticano. O caráter informal do Papa Francisco – o que o tornou muito popular fora – é às vezes experimentado como uma forma de petulância para a Cúria, e causa alguma perplexidade até mesmo entre a população de Roma.

“Ele vai longe demais ao profanar a Igreja”, lamenta Tomaso, um romano de 96 anos que conheceu pessoalmente Pio XII quando era membro do movimento estudantil católico durante a época de Mussolini. Embora mais tarde ele se tenha tornado comunista e ateu, este ex-jornalista e escritor mostra o apego paradoxal de uma parte descrente da população de Roma à figura do Papa, percebida como a encarnação da permanência, de uma estabilidade reconfortante, em continuidade com o Império Romano.

Mas é contra esta cristalização, que ele parece assimilar a uma forma de paganismo ou heresia, contra que o Papa Francisco se levanta. O sucessor de São Pedro quer despojar o papado de seu império e de seus atributos temporais, a fim de concentrar-se no testemunho do Evangelho. Um movimento que às vezes é mal compreendido. “É fácil destruir instituições. Será mais difícil reconstruí-las”, diz um cardeal, nostálgico pelo esplendor do papado que viu quando chegou a Roma como jovem sacerdote antes do Concílio Vaticano II.

Um pontificado “Gorbachev”?

Para outras figuras da Cúria, a aura do Papa, de onde quer que venha, deve justificar a obediência absoluta e a total confiança nas intuições do pontífice. Mas entre a necessidade de pôr em marcha estruturas construídas sobre modelos ultrapassados e a necessidade de uma certa estabilidade institucional necessária para sua eficácia, deve ser encontrado um equilíbrio hábil.

Após um pontificado que às vezes foi percebido pelos mesmos interlocutores como “profético” e “estimulante”, mas também “confuso” e “caótico”, uma certa re-sacralização da figura do Papa parece ser necessária para evitar um deslocamento das engrenagens. A atual crise de governo dentro da Comunhão Anglicana é um sinal de alerta para alguns membros da Cúria, que estão preocupados que o atual processo sinodal possa legitimar uma fratura da Igreja Católica em igrejas continentais ou nacionais. A discrição do Papa diante do Sínodo alemão é, portanto, mal compreendida.

O retrospecto histórico nos permitirá saber se o pontificado de Francisco terá marcado o início de um colapso institucional mascarado por uma certa popularidade externa, à maneira de Gorbachev na URSS, ou pelo contrário, o surgimento profético de um papado que renuncia a sua posição de vanguarda para situar a Igreja Católica em uma dinâmica de fraternidade com o resto do mundo, e assim continuar a poder expressar a mensagem de Jesus em um contexto de pluralismo minoritário e religioso.

2O Papa Francisco aperfeiçoa sua reforma do IOR

Por Camille Dalmas: Em um quirógrafo publicado em 7 de março, o Papa Francisco mudou os estatutos do Instituto para as Obras Religiosas (IOR). O pontífice racionaliza a organização do “banco privado” do Vaticano, reforçando em particular a responsabilidade do diretor geral, e integra as disposições estabelecidas pela nova constituição apostólica Praedicate Evangelium.

Os novos estatutos do IOR, assinados pelo pontífice em 30 de janeiro, substituem aqueles que ele havia estabelecido em 8 de julho de 2019 ad experimentum por dois anos. As mudanças esclarecem principalmente o papel dos quatro “órgãos” do Instituto, a saber, a Comissão de cardeais, o Prelado, o Conselho Fiscal e a Diretoria Geral. Eles separam mais claramente suas respectivas responsabilidades, particularmente entre os pólos estratégico e operacional. O objetivo, assegura o Pontífice, é tornar o funcionamento do IOR coerente com os requisitos organizacionais mais modernos, bem como com suas necessidades operacionais.

Os novos estatutos elaborados pelo Papa também incorporam as novas disposições da Constituição Apostólica Praedicate Evangelium, publicada em 19 de março passado, generalizando as missões quinquenais, renováveis apenas uma vez, para o prelado e os membros dos dois conselhos. Finalmente, uma nova resolução obriga os membros do IOR a se absterem de votar em resoluções nas quais eles – ou um terceiro relacionado a eles – tenham interesse.

A mudança estrutural mais importante diz respeito ao fortalecimento do papel executivo do Diretor Geral do IOR, atualmente Gian Franco Mammì. Como única pessoa que pode ser nomeada por tempo indeterminado, ele concentra os poderes de administração e gestão do Instituto, às custas do Conselho Fiscal. A missão deste último está agora centrada na definição das linhas estratégicas e na supervisão das atividades do IOR. O Diretor Adjunto é agora nomeado pelo Diretor Geral e não participa mais colegialmente do Conselho de Administração.

O Conselho Supervisor, agora presidido por Jean-Baptiste de Franssu e composto por outros cinco membros, nomeia o diretor geral, mas somente após submeter pelo menos três candidatos ao conselho de cardeais. Este último é presidido pelo Cardeal Santos Abril y Castello, assistido pelos Cardeais Christoph Schönborn, Luis Antonio Tagle, Konrad Krajewski e Giuseppe Petrocchi. Ambos os órgãos são assistidos pelo prelado, atualmente Monsenhor Battista Mario Salvatore Ricca.

Uma instituição essencial e controversa

O IOR foi fundado em 1942 por Pio XII, com base na antiga Administração de Obras Religiosas, criada por Leão XIII em 1887. O IOR não é um banco central, sendo este papel desempenhado no Vaticano pela Administração do Patrimônio da Sé Apostólica (APSA). O IOR não é estritamente parte da Santa Sé, mas, desde Praedicate Evangelium, tem sido delegado pela APSA a toda a gestão financeira dos bens móveis e imóveis da Santa Sé.

O IOR também administra o patrimônio financeiro das ordens religiosas, de certas conferências episcopais e dos funcionários da Cúria. Os lucros gerados pelo Instituto não são pagos aos acionistas, mas são utilizados para financiar projetos religiosos ou caritativos. Seus estatutos já haviam sido revisados por João Paulo II em 1990.

O IOR tem estado no centro de muitos escândalos financeiros, em particular o da falência do banco Ambrosiano nos anos 80. O ex-presidente do banco entre 1989 e 2009, Angelo Caloia, foi condenado em 21 de janeiro de 2021 a 8 anos de prisão por lavagem de dinheiro e desvio de fundos. Em 2010, o Papa Bento XVI criou a Autoridade de Informação Financeira (AIF, hoje ASIF) para supervisionar as atividades do IOR.

3Bispo Julio Murat nomeado Núncio Apostólico na Finlândia

Por Anna Kurian: O Papa Francisco nomeou o Arcebispo Julio Murat como Núncio Apostólico na Finlândia. O diplomata de 61 anos, de nacionalidade turca, foi recentemente nomeado Núncio Apostólico para a Suécia, Islândia e Dinamarca.

Nascido em 1961, o bispo Julio Murat foi ordenado sacerdote em 1986 na Turquia. Ele entrou para o serviço diplomático da Santa Sé em 1994, onde foi, entre outras coisas, conselheiro da Nunciatura. De 2003 a 2012, ele trabalhou na Seção de Relações com os Estados da Secretaria de Estado, incluindo visitas oficiais ao Cazaquistão em 2003 e à Rússia em 2005.

Em 2012, Bento XVI lhe deu seu primeiro posto como Núncio Apostólico em Zâmbia e Malawi, e foi o então Cardeal Secretário de Estado, Tarcisio Bertone, que o ordenou bispo – com o título de Arcebispo – em Roma, no dia 3 de março do mesmo ano. Depois, em 2018, o Papa Francisco o nomeou Núncio Apostólico em Camarões e Guiné Equatorial.

Após dez anos na África, o Papa Francisco nomeou Dom Murat como núncio na Islândia e na Suécia em 9 de novembro de 2022, e na Dinamarca em 25 de janeiro de 2023. Normalmente, Dinamarca, Suécia, Islândia, Finlândia e Noruega têm o mesmo núncio. A Nunciatura norueguesa permanece vaga, mas espera-se que o Bispo Murat seja nomeado em breve.

A Igreja Católica na Finlândia, que tem cerca de 15.000 católicos – metade dos quais são de origem estrangeira – consiste em uma única diocese, a de Helsinki, dividida em oito paróquias servidas por cerca de 30 padres.

Este artigo é exclusivo para os membros Aleteia Premium

Já é membro(a)? Por favor,

Grátis! - Sem compromisso
Você pode cancelar a qualquer momento

1.

Acesso ilimitado ao conteúdo Premium de Aleteia

2.

Acesso exclusivo à nossa rede de centenas de mosteiros que irão rezar por suas intenções

3.

Acesso exclusivo ao boletim Direto do Vaticano

4.

Acesso exclusivo à nossa Resenha de Imprensa internacional

5.

Acesso exclusivo à nova área de comentários

6.

Anúncios limitados

Apoie o jornalismo que promove os valores católicos
Apoie o jornalismo que promove os valores católicos

Tags:
Direto do VaticanoPapa FranciscoromaVaticano
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia